Mês: abril 2020

Carta aberta do vereador Toninho Vespoli em resposta à pandemia de coronavírus

Nosso mandato popular é a resposta da periferia, da união e consciência da classe trabalhadora que busca um novo sistema, mais justo e solidário

Motivos para você se convencer a ficar em casa

O corona já está matando gente pobre e na periferia. A situação ficou crítica e a pandemia está se alastrando muito em bairros como Brasilândia e Sapopemba

“Balbúrdia” contra o corona

E é para lembrar da importância das faculdades que selecionamos uma lista de ações comandadas por elas no combate contra a pandemia.

Afinal, é a Educação à distância?

Há tempos se reflete entre os educadores o quanto o modelo de Educação secular já não contempla as necessidades da sociedade e o interesse dos estudantes.

Bonitinhos, mas não inofensivos: os empresários e a educação como negócio

Como as organizações de educação geridas por grandes empresários entendem a pandemia como oportunidade de mercado  

Fabricante confirma que monotrilho não suporta demanda

Bombardier reconheceu que a Linha 15-Prata tem erro de projeto

Há mais de 50 dias, o monotrilho que liga Vila Prudente e São Mateus permanece com estações fechadas. Até o momento, a população esteve sem respostas quanto ao seu retorno e sobre qual foi o motivo para as falhas nos sistemas de pneus, que ocasionou na sua paralisação completa. 

Em entrevista a Rádio Bandeirantes no último dia 22, o Secretário de Transporte Metropolitanos, Alexandre Baldy, afirmou que a fabricante Bombardier reconheceu que a Linha 15-Prata do Metrô de São Paulo tem um erro de projeto nos trens quanto à possibilidade de suportar a demanda.

O secretário também informou que a empresa já apresentou um relatório preliminar das causas do estouro de um pneu que provocou a interrupção de toda a linha.

[Leia mais: Por que a linha 15 é um erro?]

O que todos já sabiam…

A demanda estimada para a linha 15 pronta é superior a 405 mil passageiros por dia, o que lhe dará o título de maior monotrilho do mundo. No entanto, com tantas falhas, atrasos e acidentes colecionados pela linha desde sua inauguração, já era questionável a capacidade do monotrilho em comportar a região leste de São Paulo, a mais populosa da cidade.

Foi constatada uma falha de projeto no sistema de rodas dos trens, que não estavam preparados para a demanda crescente de passageiros. Em dezembro de 2019, mais de 130 mil pessoas foram transportadas diariamente.

De acordo com o portal Diário de Transporte, a empresa também encontrou 195 pontos na via que precisaram sofrer intervenções. Houve a troca de peças que compõem o jogo de rodas dos 27 trens da linha, que não suportaram o volume de passageiros. 

Prevendo esses riscos que agora acontecem, em parceria com o Sindicato dos Metroviários, o vereador Toninho Vespoli enviou uma representação ao Ministério Público Estadual e entrou com uma ação popular em março de 2019, que solicitam medida cautelar quanto a segurança do monotrilho. O inquérito está aberto pela Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e a ação está em andamento.

O fim da quarentena obrigatória está previsto para o dia 10 de maio. A linha 15-Prata irá retornar plenamente? Como podemos confiar? 

Abaixo-assinado: Zona Leste precisa de hospital de campanha

Não há vagas de UTI em quatro hospitais municipais da região

Não é no centro da capital paulista que mais morrem pela covid-19, mas nas franjas da cidade. De acordo com a Secretaria da Saúde Municipal, até o dia 17/04, quarenta por cento das vítimas moravam na zona leste de São Paulo, num total de quase dois mil óbitos suspeitos e confirmados da doença. O cenário se agrava com lotação dos leitos de UTI dos hospitais municipais da região.  O ranking da morte é liderado pelo distrito de Brasilândia, localizado na zona norte, com 54 óbitos. Sucedem-se bairros da região leste, Sapopemba, com 51 óbitos, São Mateus  e Cidade Tiradentes, com 41 e 37 óbitos, respectivamente.  (Veja o mapa abaixo).  Além disso, quatro hospitais da região leste estão sem vagas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) para casos graves. Os casos de coronavírus atingem os hospitais municipais Tide Setúbal, Cidade Tiradentes, Ermelino Matarazzo e Doutor Inácio Proença de Gouveia. 
Mapa dos óbitos por coronavírus em São Paulo por região, na semana de 09 a 16 de abril. Fonte: Secretaria da Saúde

Vidas não podem estar em jogo! 

Na data de ontem (21/04), uma imagem chocou as redes sociais. A prefeitura de Manaus fez valas comuns no maior cemitério da cidade para enterrar corpos de vítimas de covid-19. O estado do Amazonas passa por um colapso no sistema de saúde e de uma explosão no número de enterros. Já no Rio de Janeiro, as vagas criadas pela rede municipal de saúde para atender pacientes com a doença estão esgotadas. No estado de São Paulo, a taxa média de ocupação dos leitos de UTI é de 60%. Na região metropolitana, o índice sobe para 80%. Na capital está em 73%.

Hospital de campanha na zona leste, já!

No fim de março, a Prefeitura abriu dois hospitais de campanha, Anhembi e Pacaembu, para atender pacientes infectados pelo novo coronavírus em situação de baixa ou média complexidade. No dia 21/4, ambos registraram 240 dos leitos ocupados. Os comunicados oficiais não informam se estamos no pico das infecções da doença, mas a atenção pública deve ser voltada às periferias imediatamente, especialmente, na zona leste. Um doente internado no Hospital Sapopemba terá que percorrer quase 25 km para ser transferido até o Hospital de Campanha Anhembi, na zona norte, ou 30 km até o Hospital de Campanha Pacaembu, na zona oeste da cidade.
Covas abertas no Cemitério Parque de Manaus, na terça-feira (21), no bairro Tarumã, zona oeste de Manaus – Sandro Pereira/Fotoarena/Agência O Globo

Qual é a saída?

Se o sistema público paulistano de saúde entrar em colapso, um cenário apocalíptico irá recair sobre a periferia. Por esses motivos, nós queremos que a Prefeitura crie um hospital de campanha localizado na zona leste de São Paulo, região mais populosa da capital paulista e onde concentra o maior número de mortes pela covid-19.

Pela contratação dos profissionais de saúde já aprovados em concurso 

Existem cargos vagos em São Paulo e há profissionais prontos para assumir. O que falta são os atos administrativos para chamar os profissionais aprovados em concursos

Calendário de saque do auxílio de R$ 600

Calendário de saque do auxílio de R$ 600

Tire suas dúvidas sobre como, quando e onde receber

A partir do dia 17/4, a Caixa iniciou o pagamento do Auxílio Emergencial para mais de 7,5 milhões de brasileiros. De acordo com o banco, são mais de 2,1 milhões inscritos no Cadastro Único do Governo Federal, que nasceram nos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro e receberão pela Poupança Social Digital. Além deles, 1,9 milhões de beneficiários do Bolsa Família, com NIS de final 2, e mais 3,4 milhões de beneficiários com conta poupança da CAIXA, que realizaram Cadastro pelo App/site.

Importante: Não há necessidade de comparecer às agências da Caixa. O pagamento do auxílio é feito de forma automática. Evite aglomeração.

[Eu posso receber o auxílio?]

Veja as datas em que serão disponibilizados os créditos: 

Sexta-feira (17), a partir das 15h:

– Crédito para 3.438.238 pessoas com conta poupança na Caixa

Sábado (18):

– Crédito para 1.420.466 pessoas com contas em outros bancos

Segunda-feira (20):

– Crédito para 4.230.900 pessoas na Poupança Social Digital Caixa

E quem recebe Bolsa Família?

Os pagamentos serão realizados nas datas:

Sexta-feira (17):

– beneficiários do Bolsa Família cujo último dígito do NIS é igual a 2

Segunda-feira (20):

– beneficiários do Bolsa Família cujo último dígito do NIS é igual a 3

Quarta-feira (22):

–  beneficiários do Bolsa Família cujo último dígito do NIS é igual a 4

Quinta-feira (23):

– beneficiários do Bolsa Família cujo último dígito do NIS é igual a 5

Sexta-feira (24):

– beneficiários do Bolsa Família cujo último dígito do NIS é igual a 6

Segunda-feira (27):

– beneficiários do Bolsa Família cujo último dígito do NIS é igual a 7

Terça-feira (28):

– beneficiários do Bolsa Família cujo último dígito do NIS é igual a 8

Quarta-feira (29):

– beneficiários do Bolsa Família cujo último dígito do NIS é igual a 9

Quinta-feira (30):

– beneficiários do Bolsa Família cujo último dígito do NIS é igual a 0

[Veja aqui como pedir o auxílio]

Onde vou receber? 

A Caixa abrirá automaticamente as contas de poupança digitais para os beneficiários considerados aptos a receber o auxílio emergencial e que não tenham outra conta bancária nem sejam beneficiários do Bolsa Família.

Os que receberem o crédito por meio da conta digital poderão efetuar transferências ilimitadas entre contas da Caixa ou realizar gratuitamente até três transferências para outros bancos a cada mês, pelos próximos 90 dias. Além disso, podem pagar boletos e contas de água, luz, telefone, entre outras. A conta é isenta de tarifas.

O acesso à conta é feito pelo aplicativo CAIXA Tem, que pode ser baixado na loja de aplicativos dos smartphones neste link.

Quando vou poder sacar da poupança digital? 

Para evitar aglomerações nas agências, a Caixa estabeleceu um calendário para os beneficiários que quiserem sacar em dinheiro o valor depositado nas poupanças digitais abertas para os trabalhadores:

27 de abril – nascidos em janeiro e fevereiro

28 de abril – nascidos em março e abril

29 de abril – nascidos em maio e junho

30 de abril – nascidos julho e agosto

4 de maio – nascidos em setembro e outubro

5 de maio – nascidos em novembro e dezembro

Juliana Ghizzi

Juliana Ghizzi

Juliana Ghizzi é Jornalista pela PUC-SP. Atualmente, trabalha como assessora de comunicação do Mandato Popular do Vereador Toninho Vespoli

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

As coisas não podem voltar ao normal!

As coisas não podem voltar ao normal!

Entenda porque o "normal" não é bom, e porque as coisas deveriam ser diferentes

A crise que vivemos é terrível. Milhões de pessoas morrerão, outras tantas irão para a extrema pobreza. Mas a crise ao menos nos lembra o quanto errada é a nossa sociedade. “Tudo vai voltar ao normal” tranquiliza campanha publicitária de um grande banco. Mas o normal não é bom. Em meio a crise é importante entendermos a necessidade de consertar o nosso país! Criar um país melhor em que todos tenham um sistema de saúde de qualidade. Em que ninguém tenha que escolher entre manter um emprego que ponha sua vida em risco, ou a fome. Em que a fortuna, o conforto e isolamento de uns poucos não exista apenas a custo da miséria de muitos. Essa crise vai passar, mas os nossos problemas não. Ao final os ricos continuarão enriquecendo, e os pobres empobrecendo. A não ser que façamos diferente. As coisas não podem voltar ao normal!

Se esquecem da Constituição!

O primeiro passo é seguir a constituição. Hoje isso parece batido, clichê. E talvez não seja o suficiente para conseguirmos uma sociedade realmente justa. Mas é um começo. Na constituição está escrito de forma clara, a previsão da taxação de grandes fortunas. Mas graças à influência de alguns banqueiros e empresários, a norma constitucional nunca foi efetivada. Virou “letra morta” O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. Muito se diz sobre como pagar pela crise, mas o que nunca é falado é que 5% da população mais rica do Brasil tem tanto dinheiro quanto os 95% mais pobres! Segundo economistas um imposto sobre grandes fortunas renderia ao menos 100 bilhões de reais por ano! Só isso já seria quase o suficiente para pagar os 600 reais da bolsa auxílio por três meses

Outra coisa que a constituição prevê é a redução das desigualdades sociais e o fim da miséria. Hoje, com a crise do corona, mais do que nunca falta dinheiro para quem mais precisa! Se a nossa sociedade não fosse tão desigual, o povo não estaria sofrendo tanto. Mas não dá para chorar pelo leite derramado. O momento pede união. Contra o corona, mas também contra os problemas que o vírus causa. Ao invés de dar bilhões de reais de incentivo para grandes e ricos latifundiários continuarem envenenado o Brasil e o mundo com vegetais lotados de agrotóxicos, deveríamos colocar dinheiro em quem mais precisa.

A saúde tem que ser para todos!

A Constituição também prevê a saúde como direito de todos, e não apenas de uma minoria com dinheiro para pagar por bons planos. Ocorre que seguradoras privadas fazem lobby em todas as esferas do poder para fazer com que pouco dinheiro vá para o SUS. Tudo para que consigam continuar cobrando preços altíssimos em planos de saúde, na maioria das vezes, de qualidade duvidosa. Para o capitalismo selvagem o marketing vale mais do que o serviço entregue. Assim, muitas vezes, os serviços oferecidos pelas seguradoras privadas nem são bons. Vale lembrar: uma das principais razões para não sabermos o número certo de infectados e mortos pelo covid-19, é justamente o fato de hospitais particulares e seguros privados não quererem divulgar os dados inteiros, temendo como suas imagens podem ser afetadas.

A Espanha, um dos países que mais sofreram com a crise até agora, já percebeu a necessidade de nacionalizar os hospitais particulares, garantindo, assim, serviços para um número maior de pessoas. Na cidade de Niteroi, no Rio de Janeiro, a prefeitura já fez o mesmo. Cabe a nós decidirmos se respeitaremos o valor moral da vida, ou se priorizaremos os lucros de alguns poucos hospitais e seguradoras.

Não é o suficiente

Seguir, enfim, a constituição federal garantiria melhoras imensas, e que menos pessoas morressem em função da covid-19! Mas não seria o suficiente. Qualquer medida aprovada pode ser desfeita, tão logo as pressões por mudança parem. Por isso é importante nunca baixarmos a guarda! Precisamos pressionar (por ora de dentro de casa) os nossos políticos. Escrever e-mails, fazer ligações e denunciar em redes sociais e jornais. Mas a pressão não pode acabar junto com o corona. Tão logo a crise passe precisamos nos organizar em nome de um programa que faça sentido para o povo brasileiro! Um programa feito a muitas mãos, por todos dispostos a somar! Um programa manifesto, com pé na rua e cabeça nos céus! a pressão constante de um povo que tome as rédeas de seu destino! O corona vai passar. Mas as coisa s não podem voltar ao normal! Nós não podemos deixar que voltem!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho