Mês: julho 2020

Entenda como você pode suspender o pagamento do FIES

Está sem grana e não consegue pagar as mensalidades do FIES? Você sabia que pode requerer a suspensão do pagamento de até quatro parcelas? 

Poderão ser suspensas duas parcelas dos contratos em fase de utilização ou carência e quatro para aqueles em amortização. A medida só é válida para os estudantes que em situação de adimplência com seus contratos, até dia 20 de março, data em que foi decretado o estado de calamidade pública no País.

Tire suas dúvidas!

Mas vão ser cobrados juros?

Não serão cobrados juros de mora ou multa por atraso de pagamento sobre as parcelas suspensas.

Como e onde posso fazer isso ? 

Se o seu  empréstimo foi feito no o Banco do  Brasil basta pedir a suspensão pelo aplicativo BB. Para isso, basta que o financiado acesse sua conta, efetuando login, clique em ‘Menu’, em seguida em ‘Solução de Dívidas’ e selecione ‘Suspensão FIES’.

Já se foi feito na Caixa Econômica você deve entrar na página eletrônica SIFES-Web (http://sifesweb.caixa.gov.br), fazer login e acessar a opção ‘Contrato FIES’, ‘Contrato’ e em seguida  selecionar ‘Pausar Contrato’, aceitar o termo de compromisso e clicar em ‘Solicitar Pausa’.

Preciso ir na agencia assinar contrato ? 

Não, a solicitação de suspensão será efetivada de forma simples, sem assinatura de termo aditivo e sem necessidade da presença de fiador. 

Até que dia posso solicitar a suspensão? 

O prazo de adesão aos interessados em realizar a suspensão das parcelas é  31 de dezembro de 2020.

Depois que requerer a suspensão, o banco poderá negativar meu nome? 

Não, o estudante que pedir o benefício de suspensão do pagamento do Fies não poderá ser inscrito em cadastro de inadimplente e não será considerado descumpridor de quaisquer obrigações junto ao Fundo.

É IMPORTANTE SABER QUE : 

As parcelas trimestrais ou de amortização suspensas serão incorporadas ao saldo devedor do contrato do estudante financiado, nos termos e condições contratados. 

O pagamento das parcelas trimestrais deverá ser retomado a partir do mês seguinte ao término da suspensão, mantido o cronograma de vencimento das demais parcelas. 

A amortização também precisa voltar a ser feita a partir do mês seguinte ao fim do prazo de suspensão, sendo que o vencimento final do contrato do estudante será acrescido pelo mesmo período.

ENTENDA MELHOR

Utilização: período de duração do curso, no qual o estudante paga a cada três meses até R$ 150, valor referente a juros incidentes sobre o financiamento;

Carência: os 18 meses seguintes à conclusão do curso, no qual também há pagamentos de até R$ 150 a cada três meses, valor referente a juros (somente em contratos firmados até 2017);

Amortização: encerrada a fase de carência, o saldo devedor do estudante é parcelado em até três vezes o período financiado da duração regular do curso.

E pra quem está com o pagamento atrasado há mais tempo ? 

Infelizmente nesse caso, a suspensão não se aplica, mas você pode requerer inclusão no Programa Especial de Regularização do Fies (sistema de refinanciamento), criado pela mesma lei. 

O estudante beneficiário que tenha débitos vencidos e não pagos até o dia 10/07/2020 poderá pagá-lo mediante a adesão ao Programa Especial de Regularização do Fies:

Pagamento em parcela única realizada até 31 de dezembro de 2020, com redução de 100% (cem por cento) dos encargos moratórios;

Pagamento em 4 parcelas semestrais até 31 de dezembro de 2022, ou 24 (vinte e quatro) parcelas mensais, com redução de 60% (sessenta por cento) dos encargos moratórios, com vencimento a partir de 31 de março de 2021;

Pagamento em até 145 parcelas mensais e sucessivas, vencíveis a partir de janeiro de 2021, com redução de 40% (quarenta por cento) dos encargos moratórios;

Ou pagamento em até 175 (cento e setenta e cinco) parcelas mensais e sucessivas, vencíveis a partir de janeiro de 2021, com redução de 25% (vinte e cinco por cento) dos encargos moratórios.

Para requerer o refinanciamento você deve comparecer a sua agência bancária. 

Fontes: 

http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-n-38-de-22-de-maio-de-2020-258261813

http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.024-de-9-de-julho-de-2020-266124102

http://www.fnde.gov.br/index.php/acesso-a-informacao/institucional/area-de-imprensa/noticias/item/13732-cerca-de-960-mil-estudantes-podem-pedir-suspens%C3%A3o-de-pagamentos-do-fies

https://www.gov.br/pt-br/noticias/educacao-e-pesquisa/2020/07/fies-estudantes-podem-solicitar-suspensao-do-pagamento-de-parcelas

 

Ingrid Silva

Ingrid Silva

Advogada

O abismo entre o idealizar e o realizar!

O abismo entre o idealizar e o realizar!

Estamos a todo momento ouvindo, seja pelos noticiários ou por especialistas em saúde, que não é momento de flexibilização, que ainda não atingimos o platô de contaminação e que não é hora de retomada das atividades presenciais. Trago para a reflexão, nesse contexto de pandemia, a minuta apresentada pela SME, de protocolo de volta às aulas. O abismo entre o idealizar e o realizar!

Ao promover a escuta e assegurar que todos os segmentos da sociedade sejam ouvidos, é gritante o abismo entre o idealizar, pensado sob à ótica da teoria desvinculada da prática de quem realiza.  Contudo, é preciso vencer o estigma do senso comum, sair da zona de conforto e realizar um debate reflexivo embasado por pesquisas sérias que de fato sejam fundamentadas e significativas.

“Vygotsky afirma que o bom ensino é aquele que se adianta ao desenvolvimento, ou seja, que se dirige às funções psicológicas que estão em vias de se completarem.” (Rego, 2001)

Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP) é um conceito elaborado por Vygotsky, e define a distância entre o nível de desenvolvimento real, determinado pela capacidade de resolver um problema sem ajuda e o Nível de desenvolvimento potencial determinado através de resolução de um problema sob a orientação de um adulto ou em colaboração com outro companheiro.

E, justamente numa dessas conversas on-line, trocava figurinha com uma das minhas companheiras de jornada terrena, Celia Cristina, profa. de Educação Infantil da Rede Municipal, falávamos sobre as concepções de aprendizagens, a EAD na infância, a realidade excludente, a questão do ano letivo e a falta de diálogo por parte de SME. Adoro ouví-la, e ela me fez apontamentos importantíssimos para pensarmos sobre a minuta apresentada pelos idealizadores e, como nós, profissionais da Educação, faremos para realizar…

Ela aponta justamente para esse abismo, da dicotomia de uma teorização elaborada por pessoas há tempos distanciadas das práticas de sala de aula, elencando apenas os aspectos do que se considera ideal, desconsiderando, ou ignorando, de fato a realidade.
A minuta evidencia diversas controvérsias, numa leitura tecnicista. Ora fala em distanciamento, ora fala em acolhimento…

Ora! Afinal como será feito?

Os documentos que norteiam a educação infantil municipal são pautados nas interações das relações, ou seja, nas trocas previstas num currículo integrador.
É um olhar de quem não acompanha uma atuação efetiva ou não está presente no chão de uma escola pública!

Se transpormos esse olhar para o ensino fundamental, do processo da construção da alfabetização até seu ciclo final, bem como as especificidades do aluno da educação de jovens e adultos, que em sua grande maioria é formada por trabalhadores da nossa população mais carente, que por ser periférica e por um governo sem uma política pública que leve em consideração esse cidadão, não teve direito ao isolamento social, precisa fazer uso do transporte público lotado pois precisam se deslocar até seus locais de trabalho. Isso aos que ainda detém seus empregos, pois uma grande parcela já se encontrava desempregada, e com a pandemia, essa parcela apresentou uma elevação gigantesca…

Sem uma higienização minuciosa, tão crucial nesse momento, obrigaremos o aluno trabalhador a permanecer nas escolas sem tal, depois de um longo dia de trabalho e o percurso realizado para esse tramite.

Assim, vemos igualmente tamanhas contradições por não respeitar o sujeito de direito em seu processo de aprendizagens em todas as etapas e desconsiderar seu protagonismo nesse espaço tão vivo que é a escola.

A quem vai servir essa minuta?

Esse protocolo reconhece as limitações impostas a um espaço que até então era rico em vivências e explorações?Espaço que oportunizava as relações humanas, às vezes a única que a criança vivia na rotina do seu dia-a-dia, pois tratamos aqui das regras e não das exceções. Um espaço agora limitado de potêncialidade e oportunidades!

A criança NÃO poderá ser criança! Seu direito cerceado!

SME diz que o plano foi montado sob orientação da saúde. Coloca situações que, na imensa maioria, são de difícil aplicação prática, jogando toda a responsabilidade para as escolas, inclusive questões estruturais, que envolvem verbas e manutenção e dependem das DREs e da SME. Sanitários, por exemplo, a diretriz é não deixar faltar material de higiene e garantir vasos e pias sem defeito, mas em nenhum local está dito que a SME garantirá manutenção das unidades com problemas estruturais, suprimento de materiais de higiene, a necessidade de funcionários, em número insuficiente, essa falta é algo crônico. Aproveito para abordar a homologação dos concursos de Auxiliar Técnico de Educação e Coordenadores Pedagógicos, além das chamadas dos que aguardam para os cargos de diretores de escola e Supervisores Escolares e o fornecimento de ítens de segurança. Fazemos um adendo aqui, pois no caso das máscaras, dá a entender que é problema de cada aluno e profissional.

Me causa a sensação de que o plano da prefeitura junto à SME, está montado para que, se algo der errado, o problema seja de falta de gerência da equipe escolar, que será responsabilizada por orientar adequadamente os profissionais, os alunos e as famílias. Garantir uma organização em relação ao fluxos de entrada e saída, intervalos e refeições será quase impossível em muitas unidades.

O Secretário de Educação, vem tardiamente a se reunir com os Sindicatos e de forma unilateral. Isso não é diálogo! É fundamental assegurar que nossa representatividade seja efetivada pelos sindicatos com empenho e ações pontuais, pensando em todos os segmentos de profissionais da Educação, cobrando de SME e demais órgãos, um canal permanente de diálogo das demandas da rede, bem como negociação por valorização da carreira. ]

E por isso enfatizo a importância em articular e fortalecer um conselho de escola participativo, atuante e que busque legitimar a voz da comunidade nos CRECEs regionais e central.

Termino com o seguinte questionamento:
-QUEM IRÁ RESPONDER PELAS VIDAS CEIFADAS?

Deborah Fasanelli

Deborah Fasanelli

Deborah Fasanelli é professora de educação infantil e ensino fundamental; pedagoga e Psicopedagoga Pós graduada em Direito Educacional. Atualmente ocupa o mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

#NÃOÉHORADEVOLTAR!

Retomada às aula? O que devemos considerar!

Foi realizada pelo site da Câmara Municipal de São Paulo, uma audiência pública, quando houve a explanação do Dr. Gonçalo Vecina, médico sanitarista, prof da USP, fundador da ANVISA e ex-secretário da Saúde, o qual foi enfático, com total fundamentação, a não retomada às aulas e a não reabertura das escolas.
Durante sua fala, fez importantes pontuações, como a questão das crianças serem vetores em potencial de transmissão da COVID 19, além da questão de não apresentarem sintomas e assim colaborarem para um aumento significativo nos números de pessoas contaminadas…

Citou que, de 1000 pessoas, entre 0 a 40 anos, 2 são contaminadas, e acima dos 80 anos, são 5 entre 100, vindo a óbito. Outro fato importante foi a questão de que, mesmo que seja garantindo o distanciamento físico e que não haja nenhum tipo de contato, o vírus pode ser propagado por via aérea, pelas
gotículas que são emitidas, de material biológico.

Um exemplo lúdico dessa situação é quando realizamos alguma atividade envolvendo tinta, glitter ou purpurina, o/a professor(a) realiza a atividade com sua turma e todas as demais crianças daquele turno parecem ter participado dessa atividade… Vão todas “enfeitadas” para casa! E assim se dará uma possível contaminação em massa, pois um professor ou um aluno contaminado, dentro de uma sala de aula, poderá contaminar, segundo dados apresentados, outras 5 pessoas… E assim se propagará esse ciclo de contaminação à diversas famílias.

Além do que, há outros fatores preponderantes quando falamos na realidade de uma escola pública:

  • Como assegurar o distanciamento físico necessário?
  • O uso contínuo e adequado das máscaras, sendo que nem o adulto realiza de forma correta?
  •  A questão da higienização do ambiente escolar, é outro grande nó para quem conhece essa realidade, sempre foi uma preocupação efetivar a limpeza dos espaços nas escolas públicas, levando em conta o fluxo contínuo de pessoas nesse lugar até a questão da redução no número de funcionários das equipes de limpeza, deixando óbvio que, aquilo que já se apresentava insuficiente, ficou de fato insalubre e não há uma eficácia que o  espaço esteja desinfectado.
  •  Na minuta de protocolo para o retorno às aulas, fica evidenciado o quanto dependerá de recursos humanos, o que não temos disponível na rede, seja pela defasagem no quadro de cada segmento, até mesmo por falta de homologação dos concursos vigentes ou chamada dos demais que aguardam para  tomar posse. Em tempo, destaco que todos esses concursos se tratam de cargos que já apresentavam um grande número de vagas, tanto que legitimaram um concurso público para o preenchimentos delas, pois esses cargos compõe segmentos de profissionais que estão trabalhando, em regime de plantão, as escolas permanecem abertas, cada hora sob uma justificativa, cartão alimentação, material Trilhas de aprendizagens, cestas básicas… Enfim, não se justifica o atraso na homologação do concurso de ATEs e CPs, e menos ainda na chamada de diretores e supervisores.
  • Fica notório que não houve diálogo entre as equipes que construíram os protocolos pedagógicos com os da saúde, aliás é evidente que não há por parte dessa gestão, uma construção pautada na escuta de quem está na linha de frente desse enfrentamento e conhece o chão da escola. A ambiguidade entre o idealizar e o realizar!
  •  A falta em ouvir a categoria tem um custo elevado, desde a elaboração das atividades pedagógicas, que demonstram desconsiderar principalmente a infância, seus repertórios e saberes com suas especificidades, até a realidade de nossos estudantes em seus territórios, causando uma lacuna enorme entre o real e o ideal, escancarando de forma nua e crua as desigualdades sociais e o quanto elas são excludentes. Se a EAD deve assegurar, um vínculo educacional ao mínimo, evitando a evasão escolar, se não houver um investimento para esse acesso em sua totalidade, ao contrário do que queríamos, podemos de fato acelerar esse processo de ruptura.
  •  Enquanto uma parte dos profissionais são mantidos como guardas patrimoniais ou assistentes sociais, em serviço nas escolas, quadro de apoio e o trio gestor, em trabalho remoto temos os professores, ensandecidos com uma cobrança desumana, plataforma complexa que exige um empenho descomunal, além de arcar com esse ônus, são punidos com redução salarial.

Prefeitura irresponsável

O descaso proposital do Secretário de Educação do Município ao participar da Audiência Pública somente ao término da fala do médico sanitarista, mostra o quanto desconsidera as orientações de especialistas em saúde, faz um discurso robotizado, descontextualizado, sem apresentar respostas e soluções aos questionamentos elencados, usando-se de uma narrativa política “empreendedora”, sem argumentos convincentes, diz que ouvirá os representantes de cada setor da educação por DREs e os respectivos sindicatos, mas apresenta de forma concluída os requisitos para uma possível retomada. Inquietudes que nos causam grande indignação! Contudo, existe algo que de fato é pior do que todo o relato descrito até agora. Trata-se da abordagem de uma parte da mídia,  que deveria assegurar uma informação séria e real dos fatos, mas que de forma tendenciosa, induz à fala numa indagação leviana de onde a população deixará seus filhos para irem trabalhar, demonstrando total desconhecimento com o real papel institucional da escola e os marcos legais ao direito à educação por parte dos estudantes, mascarando a realidade de um governo sem políticas públicas que obriga às escolas ao cumprimento de um papel de assistencialismo indevido, além de imputar aos profissionais da educação uma culpabilidade por algo que ocorreu de forma generalizada e mundialmente, que em nenhum país do mundo fora realizado de outra forma a não ser pelo fechamento das escolas e suspensão das aulas presenciais…

Como dizia nosso mestre Paulo Freire, de fato “Não basta saber ler que Eva viu a uva… É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem LUCRA com esse trabalho…”, in Pedagogia do Oprimido. Por isso pergunto:

_ É ,de fato, seguro voltar?

_ Será que os responsáveis, pais e mães, pelas crianças e adolescentes se sentem seguros em mandar seus filhos de volta à escola? E se foram ouvidos em todas as angústias?

Porque, para além das questões pertinentes sobre o ano letivo e as aprendizagens, a real pergunta que ecoa é:
_ E, seu eu perder minha vida em prol do ano letivo, terá valido a pena?

#NÃOÉHORADEVOLTAR!

Deborah Fasanelli

Deborah Fasanelli

Deborah Fasanelli é professora de educação infantil e ensino fundamental; pedagoga e Psicopedagoga Pós graduada em Direito Educacional. Atualmente ocupa o mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Dinheiro público para educação pública!

Dinheiro público para educação pública!

Saiba mais sobre para onde vai o dinheiro da educação em São Paulo

A maior parte do dinheiro da educação de São Paulo vai para centros de educação particulares pouco fiscalizados! É o que pode ser verificado a partir de dados oficiais do Tribunal de Contas do Município de São Paulo. Segundo os dados a prefeitura gastou, em 2020, 32,3% dos recursos públicos em CEIs (Centros de Educação Infantil) da rede indireta! Isso é mais do que o que foi gasto com salários de profissionais! Devemos lutar por outro sistema. Por dinheiro público para educação pública!

Esse dinheiro é mal fiscalizado! Só em 2019 denúncias de pais e mães apontaram irregularidades em pelo menos 116 dessas CEIs! Os mecanismos legais de fiscalização são parcos, como denunciado uma série de vezes pelo vereador professor Toninho Vespoli.

Irregularidades assim não são difíceis de entender. Ocorre que do ponto de vista de uma empresa de educação o seu principal interesse será conseguir extrair a maior quantia possível do município (e não garantir cuidados de qualidade às crianças).

Fiscalização?

Alguns acham que tudo poderia ser resolvido com uma fiscalização eficiente. Mas fiscalizar um centro de educação significaria acompanhar de maneira séria tudo o que ela faz, incluindo movimentação dos recursos, qualidade dos serviços de limpeza, qualidade dos insumos oferecidos aos jovens e professora etc. Tudo isso requer gastos com fiscais e administradores competentes, e comprometidos com a educação. Oras! Não seria mais simples (e mais barato!), usar esse tipo de serviço para criar e administrar mais unidades da rede direta?

Não importa como você olhe, terceirizar a educação não é uma boa ideia. O fetiche privatista de Bruno Covas não irá nos levar a uma educação de qualidade e acessível! Precisamos, em 2021, lutar por um outro tipo de orçamento dos gastos da prefeitura! Um orçamento capaz de prover a todos uma educação pública, laica, gratuita e de qualidade! Um orçamento com dinheiro público para educação pública!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

O PL Inconstitucional de Bruno Covas

Comida para quem tem fome e repulsa para quem não enxerga o próximo

Parecer da CCJ, baseado em argumentos de ação de Toninho, recomenda ilegalidade de projeto de Bruno Covas

Quando o prefeito e a direita na Câmara Municipal aprovaram um projeto que, entre muitas questões, criava um voucher para vagas em CEIs privadas ou assegurava uma bolsa de R$ 100,00 para pagar famílias, que não tivessem conseguido a vaga na creche, o vereador professor Toninho Vespoli entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a referida lei.

De acordo com parecer do Subprocurador-Geral de Justiça o pedido do professor Toninho Vespoli é procedente e determinados artigos da lei são inconstitucionais. Essa decisão é usada como base para destacar que trechos do PL 452/2020, do poder executivo, incorre nos mesmos erros, sendo, também, inconstitucional.

A comissão de Constituição e Justiça emitiu parecer reconhecendo a ilegalidade de pacote de maldades de Bruno Covas na educação: o PL 452/2020. O projeto incluía a proposta falha dos vouchers para creches, compra de uniformes em processos pouco claros e transparentes entre outras medidas duvidosas e com fins eleitoreiros! Mais ainda: permitia a contratação de creches privadas pela rede pública com grupos que visam o lucro; violação expressa ao artigo 213 da Constituição Federal.

Com a desculpa de urgência em face da pandemia o projeto visava suprimir toda a ordem legislativa, e aprovar programa de distribuição gratuita de bens em ano eleitoral. O problema é que alguns dos itens do projeto só começam a ter validade no ano 2021. Fica difícil argumentar urgência para aquilo que pode esperar vários meses.

Por trás disso tudo o que há são os interesses de parte da indústria da educação. Creches altamente rentáveis para os seus donos que pretendem oferecer seus serviços à prefeitura sem mecanismos concretos de fiscalização.

O próprio projeto de lei não prevê alíquotas claras para os serviços que seriam criados, nem especificam quem seriam as partes beneficiadas. Ou seja, ficaria a critério de burocratas a serviço de Bruno Covas definir. Tudo isso, certamente, teria um impacto no orçamento de 2021, que já começaria com parte comprometida antes mesmo de ser votado.

Dessa vez o parecer da Comissão de Constituição e Justiça pareceu sensato. Mas a batalha ainda não foi ganha. Na próxima quarta, dia 29/07, a Comissão ainda votará se segue ou não o parecer que ela mesma produziu. Pode parecer estranho, mas em muitos casos nessas comissões os vereadores dizem defender uma coisa, mas na hora do voto final fazem o oposto.

Estaremos pressionando os vereadores na luta para que absurdos como este não saiam do papel!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é estudante de Direito, ativista pelo clima e estagiário do mandato do vereador Toninho Vespoli

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Covas quer passar a boiada na educação

Ainda não teve acesso ao PL 452/2020 que o governo quer aprovar ainda essa semana e que está fazendo propaganda na TV? Esmiuçamos passo a passo para você! Faça a leitura do documento apresentado pelo GOVERNO comentado pelo mandato do vereador Toninho Vespoli

Atenção ao rito de votação na Câmara

Vamos lá, para começar vamos falar um pouco do rito. Normalmente um projeto de lei é apresentado à Câmara, é designado um relator para o projeto e ele precisa passar por comissões formadas pelos vereadores apreciarem o conteúdo e fazerem consultas a órgãos externos, quando necessário.

A primeira comissão é a CCJ (Comissão de Constitucionalidade e Justiça e Legislação Participativa) é nela que se apura se o projeto enviado pode continuar tramitando ou se fere a legislação e a Constituição. A partir daí o projeto caminha por outras comissões, como por exemplo, Comissão de Administração, Comissão de Educação Cultura e Esportes e Comissão de Finanças, cada uma analisando seu objeto específico. Dependendo do assunto, ainda é necessária a realização de duas audiências públicas para possíveis ajustes.

Após esse trâmite o projeto de lei está pronto para ser apresentado em plenário e votado em primeira e segunda votação e por fim, sancionado pelo prefeito. O projeto em questão está sendo apresentado pelo próprio prefeito da cidade, e ao que parece estão contando que o caminho do rito apresentado seja encurtado. Protocolaram o projeto de lei na última quinta-feira à noite, sem o debate com as entidades sindicais, categoria ou vereadores.

Haverá um golpe na tramitação

Uma manobra que pode ser apresentada é colocar o projeto como “pé de pauta” na CCJ, se aprovado, no mesmo dia, em plenário, se convocar um congresso de comissões (representantes de todas as comissões discutem na hora) já aprovarem e em seguida aprovarem em primeira votação. Pior ainda, existe o precedente na própria Câmara de simplesmente nem passar pela CCJ e já convocar direto o Congresso de Comissões e aprovar o projeto de lei como um rolo compressor.

Não caia no conto dos Brunos e da mídia

Ao contrário da categoria, parlamentares e entidades sindicais, o governo possui uma relação bem próxima com a imprensa, que tem noticiado tal projeto quando a maioria da população nem sabe do que se trata. Pois bem, vamos ao PL e cada ponto que entendemos ser um risco e ataque à Educação Municipal:

a) Art. 1º Educação e Saúde são direitos constitucionais não Programa.

b) Art. 3º somos contrários ao ponto da indicação da SME ao SPintegral. Atualmente a opção é feita pela Unidade escolar e seus colegiados. Colocar essa opção para a Secretaria fere a autonomia e a gestão democrática. Quem conhece a rede sabe todas as fragilidades que as escolas que já são em tempo integral enfrentam com a falta de recursos humanos e financeiros suficientes, além da falta de espaço físico adequado, uma vez que ano após ano as escolas perdem espaços pedagógicos em nome do atendimento à demanda. Quantas escolas estão sendo construídas e quantas estão minimamente tendo as quadras cobertas para receber melhor seus estudantes?

c) Art. 6º Voucher para as EMEIs. Menos de um ano após criarem os vouchers para os CEIs, a privatização chega com o pé na porta das EMEIs! não diz que é somente para o ano de 2020. Como garantir o currículo da cidade? E a alimentação? E as excursões? Festas pagas? É obvia a preocupação em resolver problemas das escolas particulares.

d) Art. 7º dá abertura para as escolas particulares. Explicamos como: dizem no projeto que se não encontrarem escolas sem fins lucrativos para receber até 5% da demanda municipal das EMEIs podem fazer a escolha de entidades que não atendam a esse critério. É o dinheiro público indo descaradamente para outros caminhos. Depois de aprovada a lei, esse percentual pode ser alterado tranquilamente (obviamente para aumentar a privatização).

e) Art. 10º ao ter a vaga cancelada nas vagas derivadas do voucher, para onde vão essas crianças? E no futuro se não tiver escola pública para essa criança voltar? E por que o corte de 25%? A Educação Infantil delimita a frequência mínima em 60%. 

 f) Art. 12º Saúde faz parte da Educação. Estão utilizando essa premissa para gastar verbas da Educação com OSs da Saúde.

 g) Art. 13º e 14º Saúde do servidor: seguirá o modelo do Estado de retorno dos servidores? Não fala do HSPM!

 h) Art. 16º revogação tácita da nossa lei de concursos? Até 20% de contratos?

  i) Art. 17º carta branca – não estabelece número mínimo de funcionários.

  j) Art. 18º – 26º – poder de compra diferente do indivíduo e prefeitura \ Uniforme abre espaço para a compra de uniformes de escolas particulares (revoga lei 14.964∕09) e posterior extinção desse benefício (6% da verba é destinada à políticas inclusivas)

k) Art. 27º- 2 anos sem aumentar investimento da Educação. Não estão fazendo consulta pública.

Por todos os argumentos levantados somos absolutamente contra esse projeto e utilizaremos todos os recursos que nos cabem como mandato para tentar barrar essa bandalheira, unidos a outras forças que possuem diferentes características e possibilidades de organização e luta.

Bruno Caetano e o conto da carochinha

“Queremos um esclarecimento mais preciso. O secretário falou de coisas genéricas aqui e eu saí como entrei”, foi assim que o professor Toninho Vespoli pontuou sua fala durante a audiência pública virtual da Comissão de Educação Cultura e Esporte, na terça-feira (07/07). (veja vídeo).

Toninho assim como os profissionais da educação, os pais, os representantes sindicais tinham acabado de ouvir mais de 30 minutos de blá blá blá por parte do secretário de educação da cidade de São Paulo, Bruno Caetano.

Caetano voltou a defender a volta das aulas presenciais e fez uma série de promessas, sem, no entanto, dizer como elas serão executadas, ou seja, tudo da boca pra fora. Listamos algumas:

Bruno Caetano e o conto da carochinha

Haveria lotação das salas de apenas 35%; seria feita a medição da temperatura das crianças no portão, e seriam dados a cada unidade escolar pelo menos 4 termômetros; seriam dados de 15 a 20 mil reais por unidade escolar para adquirirem equipamentos e insumos médicos; garantia do distanciamento de 1,5 metros entre as crianças durante todas as atividades escolares.

Distribuição de mais de 1 milhão de kits para as crianças com sabonetes, máscara e materiais de uso pessoal; chamamento de mais profissionais da educação para substituir aqueles do grupo de risco durante a pandemia (através do chamamento dos concursos e de contratações temporárias); revisão dos desastrosos contratos de limpeza terceirizados.
(veja o vídeo da fala do secretário a partir do momento 1:38:30)

Vamos ficar atentos

A fala de Bruno Caetano nos faz pensar: Ele é um dissimulado ou um canalha? Digo isso porque a proposta de revisão dos contratos de limpeza, por exemplo, foi uma das lutas que o vereador Vespoli travou na Comissão de Educação e falou isso para o secretário diversas vezes.

Agora, diante desse desastroso cenário, Caetano quer se apresentar como uma pessoa preocupada e rever uma medida, que ele não cita, mas foi decidida no governo do qual ele é secretário.

Além disso vale citar a luta pelo #HomologaJá ou #ConvocaJá. Bruno não levou dados. A prefeitura tem cargos vagos de ATEs e Coordenadores Pedagógicas, por exemplo, que estão aguardando homologação e não foi apresentado esses dados atualizado na reunião. Diretores e supervisores estão aguardando chamada e o número só cresce e nada de convocar. PEIs já fizeram ate o exame médico e a gestão dos Brunos não dá início ao exercício.

É inacreditável que o secretário não assuma o compromisso de chamar essas pessoas – muitas com o concurso para vencer – para aumentar o quadro dos servidores da educação no município?

A questão da redução dos alunos por sala é uma questão que transcende essa gestão. Vale lembrar que em outros governos decidiram trocar a luta pelas questões de igualdade de gênero do Plano Municipal de Educação, pela manutenção da quantidade de alunos por sala de aula. Ou até mesmo os projetos de lei apresentados nesse sentido, mas sempre ignorados pelos demais vereadores e pelo executivo.

Nova convocação do secretário

Logo após a audiência, o vereador Toninho gravou um vídeo para a Caravana da Educação resumindo alguns pontos da reunião. Toninho resumiu de forma genial: Não somos palhaços. (veja o vídeo)

Será que alguém acredita que a gestão do mesmo partido que aumentou o número de alunos por sala de aula, e sucateou a limpeza das escolas vai cumprir alguma dessas promessas? O povo não é bobo secretário!

Edcarlos Bispo

Edcarlos Bispo

Edcarlos Bispo é jornalista, ativista e hoje ocupa o Mandato Popular do Vereador Toninho Vespoli

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Comida para quem tem fome e repulsa para quem não enxerga o próximo

É com profunda indignação e repulsa que nosso mandato condena a fala da primeira- dama e Presidente do Fundo Social de São Paulo, Bia Doria pelas recentes declarações preconceituosas e desconectadas da situação de mazela social em que vivem os moradores em situação de rua de São Paulo.

A esposa do governador João Doria (PSDB) revela absoluto despreparo para estar a frente do Fundo Social de São Paulo e demonstra profunda e inadmissível falta de respeito aos Direitos Humanos ao pronunciar que “Não é correto você chegar lá na rua e dar marmita”. Bia Doria ainda relata que “A rua é um atrativo, a pessoa gosta de ficar na rua”.

Insensibilidade!

As falas demonstram a insensibilidade da elite econômica que governa São Paulo e revelam o quanto a família Doria é incapaz de enxergar o povo e a cidade profundamente desigual que vivemos. Em meio a maior crise sanitária do país e com o inverno rigoroso que castiga quem tem frio, Bia Doria diz dentro do conforto do Palácio dos Bandeirantes para não dar alimento ao próximo. Joga a própria sorte os que não tem casa e não tem comida e fere o sentimento de solidariedade que nos une como seres humanos em situações como a fome.

É assustador ver uma artista plástica ter uma interpretação de mundo sem sentimentos de fraternidade. Suas peças devem ser insensíveis ao flagelo humano gerado pelo capitalismo e sua visão deturpada da realidade deve se resumir apenas ao seu mundo.

Fala desumana

Como vereador da cidade e vicepresidente da Comissão de Direitos Humanos da CMSP, e em nome dos mais de 25 mil moradores em situação de rua da cidade, repudio veementemente a fala desumana, preconceituosa e criminosa de primeira-dama Bia Doria. Em conjunto com outros membros da comissão dessa Casa, pediremos esclarecimentos e protocolaremos convites oficiais para a primeira-dama visitar locais da cidade para aprimorar sua visão sobre a fome e a situação da população que vive nas ruas.

Toninho Vespoli

Toninho Vespoli

Toninho Vespoli é vereador de São Paulo pelo PSOL e vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de São PAulo

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

VOLTA ÀS AULAS?

VOLTA ÀS AULAS?

Saiba como os servidores públicos, especialmente os ATEs, estão lidando com a incompetência tucana em tempos de pandemia!

Boa tarde meu povo!

Trabalho próximo de casa e, nas poucas vezes que saia e andava pelo meu bairro, me perguntavam “quando voltarão às aulas?”. Minha resposta era sempre a mesma. E sincera: “não tem previsão de volta”. Agora tem. Desde o início da pandemia, nossas autoridades, em todas as esferas, federal, estadual e municipal, conduziram a situação de forma, no mínimo incompetente, acentuando ainda mais as nossas profundas desigualdades.

O Presidente da República desdenhou da doença, incitou a desobediência às regras de isolamento e portou-se como um genocida. Não agiu, em nenhum momento, pensando no bem estar e na saúde da população. Muito pelo contrário. Governador e Prefeito insistiram em manter os festejos do carnaval, mesmo sabendo das medidas que estavam sendo tomadas nos países mais atingidos. Não decretaram o lockdown quando tiveram a chance, nunca puseram em prática a testagem em massa, tão importante para mapear a ação do vírus. Anteciparam o período destinado ao recesso escolar, suspenderam aulas, porém, as escolas não estão totalmente fechadas. Nós, ATE’s, agentes escolares e gestores das escolas, continuamos a trabalhar nestes três meses. Para quê? A comunidade praticamente não vem à escola. Viramos simples atendentes de telefone, prestadores de serviço de assistencialismo, como entrega de cartões e cestas básicas. Sem contar que estamos expostos a contaminação da Covid 19. Há vários relatos de falecimento de colegas que contraíram o vírus. Não vejo nenhum sentido em manter funcionando o atendimento nas unidades escolares, sem alunos e professores.

A máscara de Covas e Doria caiu rapidamente

Em poucos momentos, Dória e Covas pareciam conduzir com mais seriedade o combate à pandemia. Perto da atuação do presidente, o mínimo de seriedade os fez parecerem verdadeiros estadistas. Sabemos que nunca foram. A máscara caiu rapidamente. Relaxar medidas de isolamento e reabrir o comércio no meio da curva ascendente dos casos é de uma insanidade sem tamanho. Há muitos motivos por trás dessa irresponsabilidade. Não sou analista político, mas parece óbvio que a pressão do poder econômico está no cerne dessa questão. Deveríamos estar em isolamento total. Lockdown, tranca rua, não importa o nome. E o Estado tinha a obrigação de socorrer os pequenos empresários, para que o impacto da paralisação fosse reduzido ao máximo. Contudo, foram largados a própria sorte. Em nome do seu neoliberalismo selvagem, o governo brasileiro fechou os olhos e o cofre em meio à maior crise deste século. “Ah, tem o auxílio emergencial!” De emergencial ele não tem nada. Entre a aprovação no Congresso (à revelia do governo, que queria pagar R$ 200,00) e a liberação do dinheiro foram muitos dias de espera. Sem contar as dificuldades no cadastro e as falhas no pagamento. Um escárnio total.

No momento, não tem como voltar às aulas!

Diante de tudo isso, São Paulo quer reabrir as escolas em setembro. Imaginem as crianças da pré-escola tentando praticar o distanciamento, a usar corretamente as máscaras. Sem contar que poderão contrair o vírus e, mesmo tendo menor propensão a desenvolver a doença, podem contaminar pais e avós. O cenário parece ser terrível. E realmente é. Dizem as autoridades que as aulas retornarão apenas se houver condições para tanto. Mesmo se não houver, dirão que há. Sabemos como trabalham os tucanos. Deviam admitir o fracasso de sua estratégia e decretar o fim do ano letivo, sem prejuízo para alunos e funcionários. Aprendizagem por EAD não contempla a totalidade dos alunos. É injusto. Isto só atesta ainda mais a falta de comprometimento de João Dória e Bruno Covas com a educação de qualidade e o bem estar social da população mais carente. Devemos dizer não a volta às aulas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!
João Luís Lopes Pinheiro

João Luís Lopes Pinheiro

João Luís Lopes Pinheiro é jornalista e A.T.E. na PMSP

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Os caminhos da fé em tempos de pandemia

Os caminhos da fé em tempos de pandemia

Entenda sobre como a fé pode ajudar durante a quarentena

Ola companheiros, pra quem não me conhece meu nome é Elias mais conhecido como Elias de Deus, minha missão era escrever esse artigo no começo da pandemia, porém aconteceram diversas coisas que me atrapalharam um pouco, e já vimos tantas coisas acontecerem nesse meio tento, ascensão do fascismo e ao mesmo tempo os antifascistas defensores da democracia se levantaram mesmo em meio a uma pandemia, isso é indignação, eu não fui as ruas por pessoas em casa que são do grupo de risco, mas admiro a coragem de quem foi defender nossa democracia, vimos o racismo sendo exposto de uma maneira tão brutal e triste, a desigualdade sendo desnuda, não temos ministro da saúde, dentre outros absurdos que aconteceram e ainda continuam acontecendo no nosso pais, eu moro na região da zona norte de SP, ( Brasilândia ) que é um dos lugares mais afetados pelo covid-19, mas nosso inimigo é mais antigo que esse a DESIGUALDADE, se nosso pais, nossa cidade, não fosse absurdamente desigual eu falo com certeza e convicção que muitas vidas seriam poupadas, aqui é um bairro chamado de periférico, em sua maioria negros, autônomos, donas de casa, trabalhadores informais, que ganham menos de um salário mínimo pra sobreviver , sem direitos trabalhistas e sem o privilegio do home oficce, muitos criticam a periferia por não estarem cumprindo rigorosamente a quarentena, mas de que jeito ? , e o feirante que tem que montar sua barraca pra ter o que comer? E a empregada que se não forem aos trabalhos os patrões não pagam? , e os trabalhadores de aplicativo? Os que não têm renda? São mais de 70 milhões de brasileiros na informalidade, esse mês são mais de 11 milhões de pessoas na fila do auxilio emergencial, o governo atual quer acabar com a pobreza SIM,  sabe como ? Exterminando, matando, e promovendo o genocídio nas comunidades mais carentes, se não houvesse tanta desigualdade que é nosso inimigo mais antigo o novo inimigo ( covid-19) não estaria avançando nessa guerra.

enfrentamos um dos piores momentos em nosso pais

Gostaria que nos encontrassemos em melhores situações, mas infelizmente enfrentamos um dos piores momentos em nosso pais, covid-19 e o desgoverno do atual presidente da republica, porém não quero mais trazer nessa mensagem o desespero e nem mais preocupações, e sim quero nessas poucas palavras trazer uma certa esperança a todos que estão lendo esse artigo, eu li uma carta de um homem chamado Tiago no que ele dizia: “ Feliz é a pessoa que um dia enfrenta uma crise e dentro dessa crise essa pessoa permanece forte e persevera, porque quando ela passar, todos que perseveraram terão em suas mãos a sua conquista e triunfante.”, e essa frase que Tiago escreveu se encaixa perfeitamente no cenário atual, e não é de hoje que enfrentamos momentos tão difíceis como disse anteriormente, o covid-19 é mais um problema que veio somar com os outros que já enfrentamos, problemas econômicos, sociais, retirada de direitos,  hegemonia fascista, racista, misoginia e entre outros, e sempre resistimos e enfrentamos todos esses problemas que vem ao nosso encontro, através da democracia conseguimos eleger pessoas em âmbito municipal,estadual e federal que nos ajudam nessa luta, esses problemas todos infelizmente  foram dados por aqueles que deveriam resolve-los, mas tudo me leva a frase que citei anteriormente é hiper necessário enfrentarmos juntos e sermos forte para conseguirmos vencer essa onda de problemas que esta sobre o nosso pais, se realmente queremos um resultado satisfatório, precisamos enfrentar com garra e com coragem, nem que isso signifique contrariar o presidente da republica que é contra o nosso sistema de saúde e a OMS 9 organização mundial da saúde ) colocando em risco nosso pais.

A maior conquista de um lutador não é o resultado final da luta, mas todo engajamento e esforço para enfrentar a guerra

Quero lhes trazer uma reflexão vejamos uma tempestade em alto mar, os animais marinhos passam por baixo dela, as aves passam por cima dela, o vento passa por dentro dela, o que todos têm em comum?  É que eles a enfrentam e JUNTOS, e quando a tempestade acaba e o sol bate nas águas e reflete no céu um arco-íris como sinal que a tempestade acabou, e vemos o quanto difícil e delicado foi o momento, mas enfrentamos, Caio Prado em seu livro A Revolução Brasileira disse e escreverei com minhas palavras para você entender melhor: A maior conquista de um lutador não é o resultado final da luta, mas todo engajamento e esforço para enfrentar a guerra.  Eu sei que todos estão sensíveis porque muitos de nos temos que abrir mão do trabalho, escola, família, convívio social e etc. Mas temos que visualizar o futuro, temos que olhar lá na frente, abrir mão de algo não é fácil, independente de como nós enfrentamos essa tempestade o importante é, permanecer firme, perseverar, significa ter esperança por mais mínima que seja, essa esperança vai ser a ponte que nos levara até o nosso arco-íris que simboliza muitas coisas como, por exemplo, por exemplo: pandemia estabilizada, economia firme, um pais menos desigual ,não importa a bandeira de luta que cada um levante, é essa esperança viva e ativa que vai nos fazer viver esses momentos que sonhamos e planejamos pro futuro do pais e pra nossa cidade.

Cristo ensinou e pregou a linguagem do amor

Eu como missionário cristão repudio com vigor, certos tipos de pastores que vão contra tudo que Cristo ensinou e pregou: a linguagem do amor, um grande mestre e muito inteligente disse uma vez: ‘’ama teu próximo como a si mesmo’’, só que ele não disse isso de uma forma narcisista, pois o amor é uma linguagem plural, diversificada, repleta de sinceridade e empatia, a forma de me amar pode ser diferente da forma que o meu próximo quer ser amado, é menos a forma e mais a intensidade, é proteger, é cuidar, é estender a mão por mais que essa forma em mim mesmo seja diferente da forma que amo o meu próximo, pois isso é uma das vertentes da forma do amor, mesmo que eu ache que ele não mereça ou que eu não mereça, eu assim o faço, porque o amor exige isso e se existem  lideres religiosos pregando o contrario: condenando, julgando, fazendo sinal de arma dentro de seus templos, apoiando atitudes fascistas, recebendo mais 30 milhões do governo pra suas emissoras com suas igrejas devendo mais de 100 milhões a união, como foi noticiado ontem 18/06 pra apoiar o governo em seus canais e seus templos , no meio de uma pandemia onde esse valor poderia ser revertido em saúde para salvar vidas, mas esta indo para o bolso de mercenários da fé, eles não possuem essa linguagem de amar que um dia nos foi ensinada na pele por Cristo que é puro amor e se eles estão fazendo o contrario do que cristo é eu afirmo, eles são seguidores do ANTI-CRISTO que é a aversão do que Cristo é/pregou/ensinou.

Ele foi humano, ele foi gente, andou, cuidou, protegeu e estendeu a mão para todo tipo de gente independente de qualquer coisa e hoje tentam deturpar essa atitude linda que andou entre nós um dia, que não tem nada de conservadora, pois ela não é restrita, não é guardada, não é contida e menos ainda privatizada, ela é sim compartilhada, aberta, oferecida mesmo com nossas limitações a oferece – lá, é repartida, é doada se chama GRAÇA, ele é gratuito essa linguagem de amar, ajudar/amar/cuidar/proteger mesmo que aos meus olhos seja imerecido, isso é o puro amor plural e imensurável deve ser retomada e anunciada em nossos dias, e agora com mais intensidade porque ela esta sendo esquecida, deturpada, diluída, depois de tanto esforço e suor pra faze – lá prevalecer, pessoas desumanas, governos desumanos, pessoas auto-intituladas seguidores de cristo se levantam dizendo portar essa linguagem, mas infelizmente são os que mais conseguem machucar e afastar a maioria das pessoas em que eles têm o contato, ainda mais no meio de uma crise como essa que o nosso dever é proteger e cuidar de nossos irmãos.

O que nos resta é termos a atitude de ‘’segurar a bronca’

É muito preocupante quando pessoa que tem certo tipo de influencia em nosso meio contraria uma crise mundial e põe em risco a vida das pessoas a qual eles dizem amar, isso é genocida, quando vemos essas pessoas convocarem outras para manifestações contra a democracia , cultos, reuniões, se aproveitando de uma pandemia dessas para acabar com nosso povo, eu faço um questionamento onde isso é amar? , dizem: Deus acima de tudo, acima de que? De todos mortos? Deus não compactua com isso NUNCA, querem culpar emissora de TV, querem culpar escolas de samba, querem culpar antigos governos, querem culpar lideres de outros países, e usam o nome de Deus pra isso, é inadmissível e inaceitável tal postura e nem preciso comentar que eles não possuem 1% do amor que falamos anteriormente, então o que nos resta,  a cada um de nós o qual sobrou a sanidade mental que falta neles,  termos a atitude de ‘’segurar a bronca’’, essa atitude de enfrentarmos juntos e firmes essa tempestade  e crer que vai  dar tudo certo e venceremos, enquanto eles  só pensam no dinheiro  que suas reuniões podem proporcionar e que é um dos motivos no qual eles repudiam o isolamento no meio dessa crise, nos temos que pensar no futuro e no presente de nossos filhos, netos, pais, avós, tios, isso sim é uma atitude de quem pensa verdadeiramente na família, que ao contrario do que eles pregam é bem diversificada e linda e merece ser protegida e cuidada, e isso não é conservador pois os conservadores sim querem destroçá-las em nome do seu deus que é o dinheiro.

Não podemos aceitar que esses governantes interrompam nosso progresso

O que eu quero, e imagino que a maioria de nós espera é o progresso, sempre ir pra frente e nunca retroceder, mesmo que os poderosos mecham seus pauzinhos pra ver o nosso retrocesso,  é esse o foco da nossa conversa desde o inicio, ficarmos sempre firmes pra resistir a essa opressão, permanecer  forte e em pé e esperançoso, mostrando a eles que não recuaremos e não aceitaremos nenhum direito a menos, e que esse período de pandemia também é resistência, somos resistência contra o genocídio em massa e a necro-politica de Bolsonaro e seus ministros, uma vez uma vereadora no rio de janeiro foi interrompida no meio do seu discurso por um seguidor desses governos fascista e ela bravamente rebateu e deu o recado: NÃO SEREI INTERROMPIDA, seu nome é Marielle Franco que deixou o seu legado e sua semente, é um ensinamento que vai prevalecer para todo sempre, não podemos aceitar que esses governantes interrompam nosso progresso menos ainda nossa esperança, a esperança de que teremos um pais menos desigual e uma ascensão dos direitos humanos e sociais,ela nos ensinou com a sua luta e devemos continuar lutando, não podemos tolerar a intolerância e sim combate-lá, e a combatemos permanecendo firmes, resistir a essa batalha invisível como temos resistido, vamos sim prevalecer e vencer essa guerra, por mais que uns ou outros dizem ao contrario, por mais que o desanimo venha, apenas um foco de esperança ira nos fazer vencer então não a perca, não pare de lutar.

Nós precisamos nos unir e nos fortalecer

Eu quero encerrar a nossa conversa propondo um desafio, pare e olhe o que tem agora ao seu redor, o que você sentiu?  Vazio? Solidão, Medo, insegurança? É realmente cada um de nós temos sentimentos diferentes em cada momento de nossas vidas, mas nesse momento eu quero  fazer você refletir mais uma vez, eu aprendi uma coisa estudando enfermagem que todo o alimento que consumimos bom ou ruim o nosso organismo vai separar coisas boas e ruins desse alimento, é como Yin-yang, duas energias opostas lado a lado, o que vai nos trazer uma certa diferença é qual vai prevalecer, é o que vamos aprender no meio dessa crise, qual vai ser nossa atitude no meio dela, é por isso que tenho falado de perseverança, luta, resistência, esperança, essa é a diferença, de um lado temos pessoas que decidiram colocar sua humanidade de lado e fazer as piores escolhas e seguir as piores linhas da vida, enquanto nos precisamos nos unir e se fortalecer escolhendo seguir a linha oposta deles, e seguir a esperança, o amor, a solidariedade, a empatia.

POVO BRASILEIRO TENHA FÉ, CONQUISTAMOS MAIS DE UMA VEZ A LIBERDADE E INDEPENDÊNCIA E NUNCA FOI FÁCIL, E ACREDITO QUE NUNCA VAI SER, SOMO UM POVO UNIDO MAIS DE 70%, SEMPRE TIVEMOS PESSOAS AMEAÇANDO NOSSO POVO, NOSSAS TERRAS, NOSSA CULTURA, NOSSA DIVERSIDADE, NOSSOS JOVENS, NOSSA SOBERANIA, TUDO, EU FAÇO UM APELO CONTINUEM ACREDITANDO EM UM FUTURO MELHOR, CONTINUEM CRENDO QUE O MELHOR ESTE POR VIR, MESMO QUE AS CIRCUNSTANCIAS SEJAM DESFAVORÁVEIS, SOMOS UM POVO FORTE DE SANGUE GUERREIRO EM NOSSAS VEIAS CORREM LUTA, SOMOS DESCENDENTES DE UM POVO SOBREVIVENTE, QUE NÃO NEGAMOS NOSSAS RAÍZES, SOFREMOS EM UM PASSADO DE ESCRAVIDÃO, DEPENDÊNCIA, TORTURA, MEDO, DOR  E ASSIM COMO FOI NO PASSADO, A HISTORIA NÃO ABSORVERA OS MAL FEITORES QUE TENTAM NOS DESTRUIR, CONTINUEM CRENDO NÓS TRIUNFAREMOS SOBRE O MAL NOVAMENTE. EU TENHO UM SONHO, E NESSE SONHO VENCEREMOS. RESISTA!!!

Elias de Deus

Elias de Deus

Elias de Deus é estudante de teologia bíblica e youtuber

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Faça parte da nossa rede