Mês: novembro 2020

Caminhada da Virada com Boulos e Toninho!

Caminhada da Virada com Boulos e Toninho!

Venha com Boulos e Toninho na Caminhada da Virada em Sapopemba!

Amanhã, dia 5, participe da Caminhada da Virada com Boulos e Toninho Vespoli 50650! Venha em Sapopemba espalhar o amor e a esperança! Será às 13h30, e o ponto de encontro será no Largo do Jardim Grimaldi na Avenida Sapopemba, 8700 (em frente ao Nagumo). Conheça de perto essas duas lideranças periféricas, e saiba porque os dois juntos vão fazer a periferia virar centro!

É hora da virada! Boulos é o candidato do povo, e o candidato que mais cresce! É a chance do povo virar o jogo em São Paulo! Toninho Vespoli 50650 tem muito orgulho em contemplar as ideias por trás das maiores propostas de Boulos em sua luta e atuação na Câmara Municipal de São Paulo!

Boulos, assim como Toninho Vespoli 50650, vive hoje na periferia. Ele é gente da gente, capaz de transformar as demandas do povo em realidade! Toninho 50650 é o primeiro vereador eleito pelo PSOL em São Paulo! Esteve muito feliz em acolher Boulos no partido, e ajuda-lo a se tornar a liderança em que ele hoje se tornou!

Tanto Boulos como Toninho 50650 tem como proposta fazer a periferia virar centro! Os dois são moradores de periferia, e agem há anos em defesa da descentralização do orçamento para valorizar o povo na tomada de decisões! Toninho 50650 já adiantou as propostas de Boulos sobre uma renda aos mais necessitados, empreendedorismo periférico, entre várias outras!

Toninho 50650 também está a todo o vapor na luta por uma educação transformadora! Em homenagem a Paulo Freire, Secretário da Educação da prefeitura de Luiza Erundina (atual vice de Boulos), Toninho Vespoli 50650 transformou Paulo Freire em Patrono da Educação Paulistana!

Venha amanhã conhecer mais sobre essas grandes lideranças na caminhada da Virada com Boulos e Toninho! Descubra porque é possível e necessário virar o jogo em São Paulo! Vem com a gente!

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Porque irei votar em Guilherme Boulos

Por que irei votar em Guilherme Boulos

Entenda porque Guilherme Boulos é o candidato certo para virar o jogo em São Paulo

Estas eleições municipais são as mais importantes da história de São Paulo. Muito está em risco. E a escolha certa nunca foi tão clara. Nas eleições dia 15 de novembro, entenda porque irei votar em Guilherme Boulos e Luiza Erundina para prefeitura de São Paulo:

  1. Porque a vice de Boulos, Luiza Erundina, teve como secretário da educação o professor Paulo Freire!
  2. Porque Boulos é da periferia, e vai fazer a periferia virar centro!
  3. Porque vai expandir para 3% o orçamento da cultura, sendo metade para a cultura popular periférica!
  4. Porque vai investir nos Servidores Públicos Municipais!
  5. Porque vai criar o orçamento participativo, em que o povo periférico decidirá como o dinheiro público é gasto!
  6. Porque acredita em ajudar quem realmente cria empregos: micro e pequenas empresas! E não bancos e megacorporações!
  7. Porque vai criar a Renda Solidária para a população mais pobre!
  8. Porque vai resolver o problema de moradia em São Paulo, reformando prédios abandonados no centro!
  9. Porque vai criar Secretaria de Direitos dos Animais!
  10. Porque Boulos é meu amigo e tem minha total confiança!
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Carta aberta aos homens. Justiça para Mariana Ferrer

Se falar que nós homens somos machistas te incomoda mais do que o caso de uma mulher estuprada, você precisa entender o que é a cultura do estupro.

O ato brutal do qual Mariana Ferrer foi vítima, segue a expondo às outras inúmeras violências. Mariana foi dopada, estuprada e pediu ajuda, mas ninguém a ajudou. Quando ela chega em casa toda ensanguentada, percebeu o que ocorreu. No dia seguinte, entraram com o B.O. na delegacia e foi comprovado que houve o rompimento de hímen e que havia sangue e esperma em suas roupas. As consequências? Foi demitida do trabalho. A casa de show, onde ocorria a  balada, passou pano pra toda a situação e se eximiu de suas responsabilidades. Mariana seguiu pedindo ajuda nas redes sociais e ficou taxada de oportunista que queria fama. Ela teve consequências graves para sua saúde mental, como depressão e síndrome do pânico. E o estuprador, André Aranha segue surfando em meio aos seus privilégios de ser homem, rico e branco, e foi absolvido mesmo com provas.

É sempre assim: quando uma mulher denuncia uma violência, a primeira coisa que nós homens falamos é “o que ela fez pra acontecer isso?”.

Quando nós ficamos sabendo do assassinato de um homem, perguntamos “mas o que aconteceu para matar ele?”. Percebem? A gente naturaliza qualquer violência porque a mulher já nasce culpada na sociedade que nós homens ajudamos a criar. Quantas vezes lá na Câmara, eu recebo denúncias e ligações de mulheres pedindo ajuda e quando orientamos, elas falam: “fui na delegacia e me ignoraram”; “fui falar com o delegado e ele disse que eu provoquei, que eu não estava cumprindo meu papel”. É sempre assim! 

Precisamos entender o seguinte: a mulher pode andar nua na rua e em hipótese alguma é motivo de violentá-la; a mulher pode estar drogada porque quis e em hipótese alguma é motivo de estuprá-la; Não existe qualquer justificativa para um ato de violência. Estupro não se explica, se faz justiça. É crime e deve ser julgado e o autor condenado. Todas as mulheres são estupradas diariamente: “olha lá, lá vai ela com essa roupa…”, “olha lá, tá bebendo, pedindo pra ser estuprada…”, “não vai na igreja e acaba assim mesmo…”, “não faz o serviço de casa, dá nisso…”, e isso não tem fim. A cultura do estupro é assim, naturalizada em nosso cotidiano.

Se ainda assim, você acha que a Mariana é a culpada, estamos do lado oposto dessa história.

Pra você que como eu, segue na desconstrução do machismo de cada dia, tem a obrigação de não apenas twittar uma hasgtag, mas de defender publicamente Mariana, conversar com os seus amigos sobre a cultura do estupro. Você precisa conversar com seus filhos, seus irmãos, seu pai, seu vizinho e falar sobre machismo, sobre a cultura do estupro e denunciar isso. Somos responsáveis e precisamos defender e lutar junto das mulheres, porque essa cultura, essa violência toda que a Mariana e tantas outras mulheres estão passando fomos nós criamos. De que lado você está?

Há muito para ser feito

Na minha atuação parlamentar tento criar mecanismos para acabarmos com a cultura do estupro. Apresentei o projeto de lei (PL) 310/2016 que promove ações contínuas de formação da comunidade escolar sobre a violência contra a mulher, a Lei Maria da Penha (Lei Federal nº 11340/2006) e o combate à cultura do estupro. A proposta inclui no Plano Municipal de Educação (PME) uma diretriz para que os profissionais da Educação municipal de São Paulo sejam instruídos para formarem os alunos sobre o combate às diversas formas de violência contra a mulher, visando superar preconceitos e discriminações no ambiente escolar.
Toninho Vespoli

Toninho Vespoli

Toninho Vespoli é Professor e Vereador pelo PSOL em São Paulo.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho