Mês: agosto 2021

A Pandemia, as redes sociais e os meios de comunicação de órgãos oficiais

A Pandemia, as redes sociais e os meios de comunicação de órgãos oficiais

Uma característica bem comum neste um ano e meio de pandemia tem sido a otimização da comunicação a partir de mídias sociais para atingir o máximo possível de pessoas da população em menos tempo.

Porém, num recorte específico de São Paulo, o que tem acontecido vai além de maior divulgação de informações para a população. É o desrespeito aos processos, à confiabilidade em pesquisas, ritos oficiais e informação inicial aos que servem ao público e que precisam orientar a população e organizar os encaminhamentos.

São muitos os exemplos que podem ser citados, como o pronunciamento de medidas a partir de coletivas de imprensa, pegando a todos de surpresa. De uma hora para a outra, o serviço público que precisa ser regido pela publicação oficial de Instruções Normativas e Decretos fica de mãos atadas para responder aos questionamentos do público atendido. Pois ao mesmo tempo todos ficam sabendo do pronunciamento da notícia, mas desconhecem as regras, os pormenores, o formato pois não há nada deliberado oficialmente sobre isso.

No cenário da Educação, tomemos como exemplo o anúncio de que viria uma “bolsa” como tentativa de diminuir a evasão de estudantes do ensino médio da rede estadual ou o retorno de 100% dos estudantes cujas famílias estivessem interessadas no retorno presencial. É instantânea a enxurrada de ligações, atendimentos nos guichês e questionamentos nas redes sociais das escolas. Mas até a publicação oficial, não se sabe mais do que o que foi dito no pronunciamento, o que causa situações de instabilidade, falta de confiança e animosidade.

Outro fator de alerta é que neste formato, não há a divulgação de minutas das propostas para que se possa construir coletivamente os caminhos e soluções para os problemas apontados. Assim, corre-se mais risco de tomada de decisões aleatórias como a mudança de rodízio de carros e em seguida a supressão da tomada de decisão.

São Paulo está parecendo “terra de ninguém”. É mais importante acompanhar as redes sociais dos governantes e Secretários do que as publicações oficiais. Na sanha de anunciar primeiro e de trazer protagonismo, o oficial está sendo deixado de lado de uma forma bem perigosa. Uma das maiores cidades do mundo não pode ser regida a partir do apalavrado, dos 140 caracteres, do líquido.

Especificamente sobre a pandemia, fazem o pronunciamento de entrada em uma fase (pacote de medidas restritivas para diminuir a circulação de pessoas durante a situação de emergência), mas já prevêem, não no sentido de estimativa, mas de certeza que dali há tantas semanas a flexibilização será maior. Tal postura faz parecer que as decisões são baseadas em instrumentos outros que não científicos.

Um caso palpável nessa situação foi o aumento de atendimento nas escolas de 100% dos estudantes em forma de rodízio no mês de agosto, e sem nenhum tipo de análise ou instrumento de observação, já avisarem o retorno diário de 100% diariamente com obrigatoriedade do presencial. Não há o que, cientificamente, mantenha esse anúncio, além do óbvio aumento de revolta e desinteligência entre a população que enxerga que a “normalidade” não chega logo por desorganização das escolas ou folga dos servidores.

É preciso que medidas neste sentido sejam tomadas para que a excepcionalidade não seja a regra e que a democracia seja garantida. O respeito à oficialidade não é preciosismo. É vida em sociedade organizada e com instituições consolidadas. Qualquer medida que vá além da preservação de vidas e que ainda pretenda a capitalização num contexto de pandemia não pode nem ser considerada como civilizada ou humana. Instituições não devem agir no instantâneo. Se dá tempo de organizar a imprensa aberta, tem que ter dado tempo de gerar minuta e informação a quem atende a população e publicação oficial.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

O apagamento da variante Delta e a volta às aulas

O apagamento da variante Delta e a volta às aulas

O último mês, concomitante ao aumento de contaminações e mortes em outros países pela variante Delta do vírus Covid-19, o Brasil tem anunciado o retorno presencial para 100% dos bebês e crianças nas escolas.

A chamada 3º onda tem sido anunciada por pesquisadores ainda no mês de setembro aqui no Brasil, o que pode aumentar de forma vertiginosa o número de internações e mortes, em especial entre a população não completamente vacinada. Mas afinal quem são os não-vacinados?

Justamente o público atendido nas escolas! Aliás, bebês e crianças de até 12 anos de idade não possuem nem sequer a expectativa de serem vacinados. Ou seja, mais uma vez, a experiência de outros países que poderia antecipar ações de combate ao vírus estão sendo ignoradas! E isso não tem partido, tem alinhamento político! Em São Paulo, por exemplo, apesar dos discursos um pouco distintos, as medidas negacionistas têm sido tomadas nas 3 esferas!

É fato recorrente a grande mídia e governo utilizarem argumentos de “especialistas” de que as perdas na aprendizagem escolar e isolamento são maiores para as crianças no contexto de pandemia. Isto é fato! Mas existe perda maior do que a vida? É proposital ignorar a ampla divulgação do número de internações, mortes e sequelas pós-Covid em cidadãos que, biologicamente e socialmente, ainda estão em fase de formação? A receita é simples: aumenta o risco pois aumenta a circulação, o contato e a transmissibilidade.

Uma analogia muito interessante feita pelo analista de dados Isaac Schrarstzhaupt é a de guerra: “se está havendo um bombardeio há um ano e meio, será que as pessoas vão perguntar se podem sair entre uma bomba e outra”?

Desde março de 2020 a maior cidade do país não conseguiu rever sequer o número de funcionários entre as equipes de limpeza, não conseguiu suprir as vagas de PAAIs e estagiários e nem oferecer máscaras adequadas em quantidade suficiente para funcionários e estudantes.

Além disso, pelo público atendido e número de estudantes por agrupamento, não há como esperar um “cenário perfeito” de cumprimento de protocolos. O distanciamento que vem sendo diminuído há cada novo documento norteador não é possível de ser realizado. Os profissionais ainda serão vacinados em segunda dose no mês de setembro e a imunização esperada será atingida somente após 28 dias da vacina (e com menor eficácia neste nova variante), lidando com um público não-vacinado e que todos podem continuar transmitindo… que tipo de resultado está sendo esperado com essa irresponsabilidade?

“Melhor” seria defender então tirar a decretação de situação de emergência e bancar as consequências do que estão fazendo mediante uma catástrofe anunciada com a população que deveria estar mais protegida e que carreguem o peso e assumam a carapuça do que realmente são: GENOCIDAS! Argumento chocante, não?

Plausível seria defender isso se não estivesse se falando em crianças e vidas e que existisse espaço para tentativa e erro. Assim sendo, enquanto não for controlada a pandemia e que a população em geral esteja vacinada, não há como defender com tranquilidade, amparado em qualquer argumento o retorno “normal” às aulas presenciais nas escolas sem que esteja em risco seja nosso bem mais precioso…

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Os “guardas da esquina” que podem melar a eleição

Violência Policial

Os ensaios de golpe do bolsonarismo ganham maior intensidade com as chances da reeleição diminuindo.

Na última segunda-feira (23), o Comando da Polícia Militar de São Paulo afastou das suas funções o coronel Aleksander Lacerda, do Comando de Policiamento do Interior (CPI) 7, por indisciplina, após uma reportagem do Estadão denunciar suas postagens com convocações para os atos bolsonaristas no dia 7 de setembro

Aleksander tinha sob suas ordens 7 batalhões da PM paulista, cuja tropa de cerca de 5 mil homens é desdobrada em 78 municípios da região de Sorocaba. O primeiro a se aproveitar da notícia do afastamento, e enfatizar a celeridade da punição foi o governador, João Doria, preocupado em estabelecer uma diferenciação com Bolsonaro para 2022.

O clima para um rompimento democrático parece mais presente do que nunca, com as pesquisas mostrando que Bolsonaro não é mais competitivo para a reeleição. Mas é preciso voltar mais no passado para prever os movimentos de um ator imprescindível no ensaio de um autogolpe: as Forças Armadas.

Em 2016, as análises mais otimistas já davam conta de que o verdadeiro rompimento institucional acontecera pelas mãos de Eduardo Cunha, quando deu procedimento ao impeachment de uma presidenta com base em uma lei orçamentária. A posse do vice de Dilma por si mesma já demonstrava quais forças compunham o golpe, e entre elas estavam os militares.

Ainda como interino, Michel Temer recriou o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), órgão de assessoramento da presidência para assuntos de segurança nacional. E colocou sob o comando da pasta o general Sergio Etchegoyen, velho crítico da Comissão da Verdade e protagonista da intervenção militar na segurança pública do Rio de Janeiro.

A demonstração incontestável da volta dos militares ao poder político foi a nomeação do general Joaquim Silva e Luna para o Ministério da Defesa. Essa pasta foi criada em 1999, justamente para submeter os militares às ordens de civis, e desde a redemocratização até o governo Temer, nenhum militar tinha assumido o comando geral de todas as forças. 

De Temer para Bolsonaro, é possível perceber que não foi preciso muitos incentivos para os militares despertarem um desejo para escreverem sua própria história. Apesar dos mais de 30 anos de militância corporativista nas polícias, para as altas patentes, Bolsonaro ainda significava algo inconveniente na escalada ao poder.

Segundo uma ficha de informações produzida em 1983, quando o atual presidente passava por um processo no exército, ele era visto como um mau militar. “Necessita ser colocado em funções que exijam esforço e dedicação, a fim de reorientar sua carreira. Deu demonstrações de excessiva ambição em realizar-se financeira e economicamente”.

Assim como a grande mídia, o setor produtivo, e pessoas desesperadas pelo poder como Paulo Guedes, as altas patentes das Forças Armadas embarcaram na campanha do Messias esperando sua domesticação quando fosse a hora de implementar grandes projetos dependentes de amplo consenso.

A primeira figura mais representativa dessa ilusão foi o general Santos Cruz, que desembarcou do governo após desentendimentos com o “vereador federal” Carlos Bolsonaro; e uma das últimas, o ministro da Defesa Fernando Azevedo, que deu lugar a Braga Netto, mais afeito ao golpismo bolsonarista — incluindo o desfile de tanques em Brasília no dia da votação do voto impresso.

De acordo com o professor de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e autor do livro “Os militares e a crise brasileira”, João Roberto Martins Filho, o alto escalão das Forças Armadas pensa mesmo em uma terceira via. Em entrevista ao El País, ele citou a manifestação de alguns generais contra o julgamento que atestou a suspeição de Sergio Moro como comprovação dessa posição.

Quem já tem tudo, no mínimo, quer se manter onde está. No campo econômico, por exemplo, grandes players do mercado financeiro já escreveram seu manifesto colocando-se contra o entusiasmo autoritário do presidente. Nas Forças Armadas, a exposição à política já incomodou o suficiente, e não há privilégio maior a ser preservado do que os privilégios dos militares. O Ministério da Defesa já gasta meio bilhão por ano com pensões.

O que preocupa estudiosos como o professor, é a ideologia bolsonarista no “guarda da esquina”. O afastamento alardeado por Doria é um pequena exceção dentro de um universo de soldados pressionados pelo trabalho, ressentidos com a esquerda, e replicando o discurso bolsonarista, enquanto esperam algum tipo de reconhecimento. 

Até mesmo colegas do “destemido” coronel Aleksander Lacerda esperavam uma punição mais severa do que o afastamento. “Para uma instituição que se diz militar, o afastamento é punição muito tênue, quase insubsistente”, afirmou o coronel da reserva Glauco Carvalho, em entrevista ao Estadão. “Precisamos coibir essas ações com muita firmeza sob pena de termos no Brasil uma tomada de poder por instituições policiais, como na Bolívia.” 

O caso de Eduardo Pazuello, militar da ativa que assumiu participação em ato político, sem sofrer qualquer punição, é a verdadeira regra. É preciso revisitar e aplicar nesse contexto, a célebre frase do 03, Eduardo Bolsonaro, que vazou durante a campanha de 2018: “basta um cabo e um soldado para fechar o STF”.

Outros militares também estão convocando seus colegas para o ato no dia 7. O atual diretor-presidente da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), coronel da reserva da PM de São Paulo, Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo, fez vídeo com o uniforme da Rota apelando para a defesa do Presidente e do país, contra o “comunismo”.

Para fazer um aceno à categoria, Bolsonaro até pensou em facilitar o acesso dos militares à casa própria. Não através das milícias fluminenses, que levantam casas prontas para cair no subúrbio do Rio de Janeiro; mas sim através de financiamento subsidiado, um Minha Casa, Minha Vida dos militares.     

Enquanto isso, o regimento da polícia militar funciona apenas quando é para coibir ideais democráticos de adentrar na corporação. Neste mês, o capitão da Polícia Militar do Espírito Santo, Vinícius Sousa, que faz parte do movimento Policiais Antifascistas, recebeu uma notificação de Processo Administrativo Disciplinar (PAD) pela Corregedoria da PM, acusando-o de manchar a imagem da corporação.

“Me causa espanto permitirem esse nível de ousadia. Há publicações de policiais em manifestação antidemocrática, exaltando a tortura, em favor de violações desrespeitosas a pessoas públicas, ou não públicas”, disse ele à Ponte. “Isso é de conhecimento público, policiais fazendo postagens pelo fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF). A instituição deveria responsabilizá-los por isso, eles sequer respondem por esses atos, não são impedidos e não são alvo de processo.”

SAMPAPREV 2 NÃO!

O Sampaprev é um dos mais nefastos projetos do governo contra os servidores municipais. Gerou greve, revolta e resistência da categoria e também muita violência e truculência por parte do governo. No fim, na calada da noite aprovaram a contribuição de 14% do salário dos servidores municipais de São Paulo. 

Pouquíssimo tempo depois já estão tentando introjetar uma versão mais agressiva de Reforma da Previdência Municipal com o “canto da sereia” de regime de previdência complementar para novos servidores e o que mais couber nesse “pacote”. 

O governo insiste em dizer que existe um rombo previdenciário, mas sinaliza como solução justamente a redução de servidores ingressantes no regime próprio de previdência. Como equilibrar essa conta e garantir os direitos adquiridos? 

Aproveitar o contexto de pandemia e de início de governo para aplicar mais um pacote de maldades contra os servidores não choca e é especialidade de governos tucanos e de Direita em São Paulo. 

Na audiência pública que ocorreu no ano passado sobre a LOA 2021 (Lei Orçamentária Anual) o secretário de fazenda, Philippe Duchateau, ao responder para servidores públicos sobre uma possível nova reforma da previdência já havia antecipado que ela ocorreria ainda nessa gestão, escondendo apenas o ano que tentariam essa manobra.

Para piorar, a categoria dos profissionais da Educação está saindo de uma greve de mais de 100 dias pela vida, afinal foram jogados pelo governo como linha de frente no enfrentamento da Covid e capilaridade do Estado diante da população, porém, sem vacinação e qualquer estrutura. A greve deverá ser paga até o final do ano de 2022, ou seja, a maior categoria do funcionalismo municipal está engessada e o governo sabe disso! 

Restará a organização das entidades representativas, dos servidores organizados e dos mandatos de oposição em tentar barrar essa, que ao que tudo indica, vai alinhar as perdas dos trabalhadores paulistanos como os da esfera nacional e estadual. 

O pior está por vir!

Ambulantes protestam pelo direito a trabalhar!

Ambulantes protestam pelo direito a trabalhar!

Hoje, trabalhadores ambulantes do Brás e do centro, caminharam até a prefeitura para exigir que Ricardo Nunes deixe eles trabalharem! A situação no Brasil é trágica. Enquanto as elites ficam em casa contando seu dinheiro, falando sobre o “novo normal”, o resto do povo tenta dar um jeito pra se manter. Muitos acabam encontrando um pouco de dignidade em vendas de rua. Formam feiras onde vendem toda a sorte de produtos para quem está um pouquinho melhor que eles. A duras custas se sustentam, sobrevivem. Como todo brasileiro, dão um jeito! Mas Ricardo Nunes não gosta disso. Não renova a licença dos ambulantes e coloca a polícia e os fiscais para cima dos caras. Por isso que hoje eles lutam. Os ambulantes protestam pelo direito de trabalhar!

De fato a prefeitura não ajuda. Era pra ter dado auxílio ao povo pobre durante a fase mais aguda da pandemia. Sem isso, o discurso do “fique em casa” vira apenas isso – discurso. A pandemia não foi fácil para o povo pobre. Muitos perderam seus empregos. Em um país em que quase 70% das ocupações estão no setor de serviços (restaurantes, teatros, consultórios, salões de beleza etc) milhares de empresas tiveram que fechar as portas. O resultado foi o desemprego em massa.

Os ambulantes foram um dos grupos que mais sofreram: dependem, quase que exclusivamente da circulação de pessoas nas ruas. E para complicar mais a situação, muitos dos que perderam seus empregos, buscaram na venda de rua forma de conseguir seu sustento. Isso, em um cenário em que o povo tem cada vez menos dinheiro e menos condições para comprar. Resultado: um aumento da competição, e uma diminuição na demanda. Ou em outras palavras, pobreza para quem vive de atividades nas ruas.

Mas como que para provocar, o povo insiste em sobreviver. A fome volta, o estômago aperta. Mas o coração não para. Contra mesmo a racionalidade, os ambulantes resistem. Mas para Ricardo Nunes, a sobrevivência dos mais pobres não é o mais importante. Mais de 400 ambulantes não conseguiram renovar suas licenças! Ou seja, foram forçados à ilegalidade! Fiscais da prefeitura, também trabalhadores assalariados, são obrigados à situação vil de confiscar os meios de sustento dos ambulantes, às vezes com lágrimas nos olhos. Por isso que os vendedores lutam. Os ambulantes protestam pelo direito a trabalhar!

A razão para toda essa hostilidade, feita a mando da gestão de Ricardo Nunes, chega a ser caricata de tão vil: segundo declaração do próprio prefeito trata-se de combater o que ele enxerga como “pirataria” entre os ambulantes. Pirataria nada mais é do que um fruto maduro da envenenada árvore da propriedade intelectual. Alguns acreditam que por terem pensado em algo, um logo ou uma estampa, possuem direito absoluto sobre esta ideia. Quando paramos para pensar, vemos ser algo muito absurdo: privatizaram ideias, coisas em abstrato, pensamentos reproduzíveis em massa na forma de bens de consumo! Quem ganha com isso são grandes marcas, gravadoras e outros detentores de patentes, quase sempre milionários ou bilionários. Entre estes e os ambulantes, Ricardo Nunes escolheu os mais ricos!

Dentro do nosso Estado burguês, é lógico (e infeliz) que qualquer legalização deva passar por regulações a fim de fiscalizar como a compra e venda dos produtos ocorre. E mesmo sendo uma postura que priorize o lucro dos que tem muito, sobre a sobrevivência dos que tem pouco, os próprios ambulantes estão dispostos a negociar. Mas em meio a confiscos e palavras vazias, são poucas as esperanças de que Ricardo Nunes irá beneficiar os ambulantes.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Resistam contra o golpe dia 7 de setembro

Os temores são reais. Alguns podem pensar que a última e frustrada tentativa de golpe de Bolsonaro é razão para alívio. Mas 7 de setembro será tentativa de golpe novamente. Dessa vez, Bolsonaro busca aliança com policiais militares e apoiadores milicianos. Estes setores apoiam radicalmente Bolsonaro, e arriscam um golpe contra a democracia. Neste cenário a resistência é fundamental. Grupos sociais e partidos políticos articulam manifestação contra o fascismo. Resistam contra o golpe dia 7 de setembro!

Realmente, (e felizmente) a última tentativa de golpe de Bolsonaro deu errado. O desfile de blindados promovido pelo presidente obteve baixa adesão, além de demonstrar o tosco efetivo de blindados do exército. Mas agora Bolsonaro mira seus esforços em outros grupos, mais fanáticos e mais violentos que o exército brasileiro: os policiais militares e as milícias.

Estes grupos, ao que tudo indica, apoiam Bolsonaro em massa, além de terem armas e estarem dispostos a matar pessoas em nome de ideais ultrapassados. Já sabemos que o próprio Bolsonaro convocou os atos do sia 7 de setembro, e ainda mais, que os objetivos dele são explicitamente golpistas.

Se Bolsonaro terá ou não sucesso é questão da resistência contra o golpe. Se as ruas estiverem lotadas de pessoas simpáticas à democracia, os fascistas entenderão que não será tão fácil assim realizar um golpe. Por outro lado, se as ruas estiverem vazias, Bolsonaro entenderá que o terreno está livre para um golpe!

Por isso mesmo, convocamos todas e todos para que resistam contra o golpe dia 7 de setembro! Aqui em São Paulo o ato terá início na praça Anhangabaú. Existe risco de enfrentamento. Neste caso, a instrução oficial é para não engajar em brigas e provocações. Vamos mostrar que somos capazes de ir às ruas com força e garra popular! Não é brincadeira. O golpe está aí.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

“Marco temporal” significa tirar terra dos indígenas!

"Marco temporal" significa tirar terra dos indígenas!

Após 521 anos de genocídio, ruralistas querem negar o pouco de terras conquistadas a duras penas pelos povos nativos. Fazem isso através da ficção jurídica do “marco temporal”, criada por juiz de Santa Catarina em julgamento favorável a agricultores invasores de terras indígenas. O “marco temporal”, que deve ser julgado esta semana pelo STF, propõe que as únicas terras indígenas válidas sejam as reconhecidas antes de 1988, ou seja, durante a ditadura. Além de um atentado contra povos tão injustiçados, é um claro apreço à ditadura militar, ao hierarquizar as regras do período como superior às atuais. “Marco temporal” significa tirar terra dos indígenas!

“O ‘marco temporal’ é uma tese perversa, pois legaliza e legitima as violências a que os povos foram submetidos até a promulgação da Constituição de 1988, em especial durante a Ditadura Militar” explica liderança indígena Terena e advogado Luiz Henrique Eloy Amado em entrevista de novembro de 2020, época em que o ‘marco temporal’ voltou a ser discutido no Supremo Tribunal Federal. De fato a proposta é perversa. Por que considerar como balizador das disputas de terra período tão marcado por perseguições e assassinatos a povos nativos? A resposta é óbvia e trágica: para reconhecer o mínimo de terras possível!

Durante a ditadura a perseguição a nativos foi brutal! Militares e ruralistas apoiadores do regime contratavam assassinos, os chamados “bugueiros”, para matar pessoa por pessoa nas aldeias. O próprio povo Xokleng, habitante da área de demarcação negada, em função da invenção do “marco temporal”, foi vítima de massacres. “As crianças foram jogadas para cima e espetadas com punhal. Naquele dia, 244 indígenas foram covardemente mortos pelo Estado” afirma Brasílio Pripra, uma das principais lideranças Xokleng. Os assassinatos e incursões nas aldeias ocorriam com o objetivo de abrir áreas para plantio em monoculturas. Ou seja, os nativos tentam proteger suas casas, as florestas, da devastação promovida pelo homem branco.

A origem do “marco temporal”

O caso dos Xoklengs está na raiz da invenção do “marco temporal”. Ocorre que a região de Raposo Terra do Sol, em Santa Catarina, havia sido reconhecida pela FUNAI (Fundação Nacional do Índio) como terra indígena. A região já era ocupada pelos povos Xokleng, Kaingang e Guarani. A Fundação do Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina (Farma), respondendo a interesses de ruralistas arrozeiros, ingressou com ação contra os povos originários. Infelizmente, em dois julgamentos distintos, houve ganho de causa para os ruralista. Por meio de Recurso Extraordinário, lideranças de povos originários agora lutam pela reversão do caso no STF. Na prática, então, o “marco temporal” significa tirar terra dos indígenas!

O caso não diz respeito apenas à região de Raposo Terra do Sol. Acontece que em 2017, a Advocacia Geral da União, durante a presidência ilegítima de Michel Temer, declarou repercussão geral do julgamento. Ou seja, que a tese do “marco temporal” pode valer para outras terras indígenas. “O tratamento que a Justiça Brasileira tem dispensado às comunidades indígenas, aplicando a chamada ‘tese do marco temporal’ para anular demarcações de terras, é sem dúvida um dos exemplos mais cristalinos de injustiça que se pode oferecer a alunos de um curso de teoria da justiça. Não há ângulo sob o qual se olhe e se encontre alguma sombra de justiça e legalidade”. Afirma documento redigido por lideranças indígenas, em protesto pela reversão do caso pelo STF.

As mentiras dos ruralistas

As ideias usadas para justificar a tese do “marco temporal” não encontram respaldo na realidade. Argumentam que no Brasil haveria “muita terra para pouco índio”, e que terras indígenas afetariam a produção agropecuária no Brasil. Nada disso é verdade, conforme explica a liderança Sônia Guajajara em publicação do Conselho Indigenista Missionário:

“Hoje, 13,8% do território brasileiro é ocupado por TIs, considerando os procedimentos demarcatórios já abertos e dados do Diário Oficial da União (DOU). Parece muito, mas a média mundial é maior: 15%, segundo estudo publicado por 20 pesquisadores de várias nacionalidades, na revista Nature Sustainability, em 2018.

As áreas privadas somam três vezes mais, ou 41% do Brasil, segundo o IBGE. Cerca de 22% do território nacional é ocupado com pastagem —no entanto, metade disso com algum grau de degradação— e 8% com agricultura, conforme o projeto MapBiomas. Ou seja, parte das terras pode ser priorizada para recuperação, reduzindo ainda mais a demanda por novas ocupações.”

Ou seja, ao invés de negar terras aos povos dizimados pela ocupação europeia, a União deveria gastar seu tempo e esforço recuperando terras degradadas pela exploração intensiva e predatória de terras agrícolas. O “marco temporal” significa tirar terra dos indígenas! Mas o que deveríamos era tirar terras de ruralistas que não sabem usa-las de maneira correta!

A luta continua!

Os povos nativos lutam e resistem! Hoje mesmo, em Brasília, cerca de 5,5 mil indígenas de 117 povos de todas as regiões do Brasil estão acampados em Brasília para pressionar o STF pela anulação do “marco temporal”. “Mobilizamos nossas bases para estarem presentes nesse momento, em Brasília, na luta pelos direitos dos povos indígenas, principalmente garantindo o nosso bem-viver e dos nossos territórios” explica Dinamam Tuxá, liderança do povo Tuxá.

Em resistência ao marco, as lideranças organizaram uma carta de repúdio ao marco, assinada por mais de 160 mil pessoas, entre elas atores, ativistas, cantores, filósofos, juristas e lideranças de povos originários. A carta, no caso, serve como instrumento legítimo de pressão, capaz de demonstrar apoio popular, jurídico e intelectual à luta dos povos da floresta!

Mas mesmo com os povos nativos se mobilizando, a vitória, infelizmente, não é certa. É difícil estimar como o STF irá votar, em meio a crises e jogos de poderes travados com um presidente golpista e genocida. Por isso que a mobilização popular é importante. Cada um deve buscar se informar e se mobilizar sobre o assunto. Fica a recomendação de seguir a página da APIB no Facebook, Twitter e Instagram. Está é uma boa forma de ficar por dentro sobre como apoiar a luta contra o “marco temporal”, e por terras aos defensores das florestas!

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Bolsonaro é um fascista e Doria é um hipócrita!

Bolsonaro é um fascista e Doria é um hipócrita!

Entenda porque Doria agora se fantasia de "democrata"

Bolsonaro está tentando dar um golpe! Isso não segredo. O desfile de blindados em Brasília foi sua última tentativa. Felizmente, dessa vez, o tiro saiu pela culatra. Bolsonaro esperava um apoio no exército sem respaldo na realidade. Mas Bolsonaro agora organiza mais uma tentativa de golpe no dia 7 de setembro. Para isso, busca apoio entre grupos armados mais perigosos e fanáticos que o próprio exército: as milícias carioca e os policiais militares. Sobre o último grupo, a coisa tem saído bastante do controle. Neste dia 22, o comandante geral Aleksander Lacerda da PM/SP convocou suas tropas para a tentativa de golpe do dia 7. O Doria deu de se fingir de democrata. Afastou o comandante fingindo não ter se grudado na imagem do Bozo pra se eleger. Por mais que, por conveniência, Doria tenha agido certo, a verdade é que Bolsonaro é um fascista e Doria é um hipócrita!

A ação do comandante Aleksander Lacerda foi muito grave. Em suas redes sociais publicou chamado para o “ato” dia 7 de setembro, convocado pelo Bolsonaro. Sabemos, já, que o próprio celular de Bolsonaro foi usado para a convocação. Mais ainda, sabemos que no chamado o presidente eleito anunciou explícitas intenções de organizar um golpe, nos moldes da tentativa de Donald Trump em janeiro de 2021 na invasão do capitólio nos Estados Unidos. Neste contexto, a postagem de Aleksander foi um claro estímulo para policiais militares participarem de um golpe. Principalmente quando consideramos que Lacerda comanda um efetivo de 5 mil policiais em São Paulo.

A reação de Doria seria exemplar, se não fosse hipócrita: afastou de imediato o comandante de suas funções. Agiu de forma certa, mas apenas por oportunismo. O mesmo Doria que agora se coloca em “defesa da democracia”, se elegeu com amplo apoio da polícia militar. Em fala de campanha, o atual governador chegou a afirmar que, a partir de quando fosse eleito, a polícia iria “atirar para matar”. Tão ruim quanto, promoveu, em sua campanha para prefeito, a dobradinha “Bolsodoria”, em claro apoio à presidência do genocida! na verdade, no fim, Bolsonaro é um fascista e Doria é um hipócrita!

O que mudou entre 2016 e os dias de hoje? O que faz o ex-apoiador do presidente, agora se colocar contra ele? Muito simples: a popularidade de Bolsonaro caiu! Doria é um marketeiro em eterna campanha política. Se apoiou em Bolsonaro, enquanto ele era popular em São Paulo. Agora, o presidente derrete, Doria pula o barco de ratos para pousar de “moderado”. E faz isso com apoio de amplos setores da mídia e da elite, que procuram uma alternativa para candidato à presidência que não esteja alinhado com algumas causas progressistas!

A verdade é que tanto Bolsonaro quanto Doria promovem a política das elites e da extrema direta. A diferença é que um faz isso no grito e na agressão, enquanto o outro o faz com a fala mansa. Um apela aos militares, o outro apela aos jornalistas da Globo. Um veste coturno o outro veste cachemire. Mas na hora do vamos ver, os dois servem às mesmas elites! Bolsonaro é um fascista e Doria é um hipócrita!

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

PEC 32: Último golpe contra o Estado de bem-estar social brasileiro

Paulo Guedes

Não fique achando que a reforma administrativa é ruim apenas para os servidores!

O ministro da economia, Paulo Guedes, aproveitou sua passagem pelo Chile, durante a implementação das reformas ultraliberais na ditadura Pinochet, para aprender como se desmancha um Estado de bem-estar social quando não há tempo para criar consentimento. Agora, com Bolsonaro escalando as ameaças para um fechamento de regime, ele aplica o que aprendeu.

Quem percebe de pronto a ameaça são os servidores públicos. Afinal, a PEC 32 da reforma administrativa, que já teve constitucionalidade aprovada e aguarda tramitação em Comissão Especial na Câmara, tem como principal destaque o fim da estabilidade. 

Há muito tempo circula entre a população o discurso de que o servidor público é um sujeito acomodado ou parasitário — como o próprio Guedes faz questão de reforçar. Surfando nesse discurso, tenta-se incluir princípios da iniciativa privada na administração pública, algo parecido ao que Fernando Henrique fez em 1998, incluindo o conceito de eficiência. 

Se já não fosse redundante o suficiente colocar em lei que o serviço público deve ser eficiente, a reforma de Guedes quer incluir princípios como imparcialidade, transparência, inovação, responsabilidade, unidade, coordenação, boa governança pública, e outras palavras vazias que executivos usam para convencer pequenos acionistas.

As verdadeiras intenções não são essas. Bem que Paulo Guedes gostaria que a proposta fosse puramente liberal, como ele parecia ser quando era fiador da campanha eleitoral de Bolsonaro. Com a ameaça do impeachment, os fiadores são outros. Por isso, a reforma não toca nos maiores salários e privilégios, massivamente concentrados no judiciário e nas forças armadas.  

A proposta do governo desmonta o Regime Jurídico Único (RJU), que regula as interações entre servidores e Poder Público, e retira os concursos como principal critério de contratação. Ao invés de nos livrar dos “parasitas”, podemos esperar mais cargos comissionados, e talvez até mais casos de rachadinha, esquema preferido dos Bolsonaro.

Para legitimidade, mais um apelo ideológico: a PEC propõe a militarização das escolas e postos de saúde, permitindo que militares da ativa acumulem funções no serviço público exercendo as atividades de professores, médicos, enfermeiros etc.

Os servidores, dos níveis municipal ao federal, têm todos os motivos para se revoltar contra a reforma, e com certeza têm força e mobilização para derrubá-la sozinhos. Mas farão melhor se conectarem sua luta à luta de todos os trabalhadores brasileiros.

A começar derrubando a falácia de que só a iniciativa privada tem competência para garantir bons serviços. A média de servidores públicos em relação à população empregada, calculada pela OCDE, é de 17.88%, enquanto no Brasil essa proporção é de 12,5%. Em países com forte Estado de bem-estar social, que garantem direitos fundamentais, como Noruega e Suécia, o índice chega a 30%.

Quando o colapso dos serviços públicos acontecer quem irá sentir mais falta serão as populações em vulnerabilidade, cuja renda não permite acesso a educação ou saúde sem que seja através da gratuidade desses serviços.

A condenação ao subdesenvolvimento é a longo prazo. Um dos dispositivos da reforma pode impedir inclusive políticas econômicas capazes de nos tirar da distopia ultraliberal. A alteração no artigo 173 da constituição federal estabelece que o Estado não pode mais fazer “reservas de mercado”.

No ideal liberal, impedir as reservas de mercado garante que o Estado não interfira no equilíbrio dado pela mão invisível. Na realidade, a alteração abre margem para questionar judicialmente empréstimos do BNDES, por exemplo, ou então subsídios do governo à agricultura.

No limite, com essa reforma não haverá possibilidade da sociedade brasileira, por meio do Estado, escolher os setores que pretende desenvolver economicamente. Logo, o que está em jogo não é apenas o lugar dos servidores públicos, mas também o futuro econômico de todos os brasileiros.     

Moção de APOIO e SOLIDARIEDADE

Moção de APOIO e SOLIDARIEDADE

O Movimento Caravana da Educação apoia e se solidariza com servidores e comunidade escolar da EMEI Monteiro Lobato que baseia seu trabalho na Educação pela equidade amparada na legislação, referenciais teóricos, indicadores de qualidade, currículo e projeto político pedagógico construído coletivamente. Trabalho este questionado por grupos ultraconservadores que desconhecem a Educação formal.

Atitudes inconsequentes como a que esta escola tem sofrido, baseadas em mentiras, recortes e descontextualização já causaram grandes problemas ao país, inclusive eleição vencida a partir de notícias falsas e mitos em torno de objetos fálicos e cartilhas que possuem o poder de modificar identidade de gênero!

Em tempos tão instáveis provocados por representantes que deveriam defender as instituições e o respeito ao povo, nós educadores não podemos deixar de lembrar que somos especialistas no que fazemos e que trabalhamos com base na legislação, pluralidade e baseados no conhecimento científico. Nenhum grupo fundamentalista e que baseie suas “opiniões” em argumentos que não cabem no contexto democrático fará isso tranquilamente.

Faremos enfrentamento e exigiremos providências das autoridades para que esse tipo de atitude seja suprimida. Num dos países com maior índice de desigualdade e violência de gênero do mundo, reconhecer a igualdade social entre os gêneros e o respeito são urgentes! Força à EMEI Monteiro Lobato!

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!
Para além de combater a Covid, vamos combater o neoliberalismo

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho