5 pontos para entender a segunda onda da covid

6 pontos para entender a segunda onda da covid

Entenda o que mudou da primeira para a segunda onda da covid:

Estamos no meio de uma segunda onda da covid. MAs o que isso significa na prática? Veja aqui 5 pontos para entender a segunda onda da covid:

1. A vacina é esperança, mas a batalha ainda não está ganha!

Apesar da ingerência política dos mandantes de São Paulo e do Brasil, existe uma chance boa de que a vacinação em massa ocorra logo mais. Mas até lá, é importante não baixarmos a guarda! Inclusive porque as novas cepas da Covid-19 ainda não são bem compreendidas. Existe chance da vacina não ser eficaz para as novas cepas! Por isso mesmo, é especialmente importante que o menor número possível de pessoas esteja contaminado com a nova variante. Nós não podemos morrer na praia!

2. O que é bom ter em casa na luta contra o vírus?

Hoje nós temos mais clareza de que qualquer um sentindo os sintomas da covid (febre, tosse seca, cansaço, dificuldade de respirar ou falta de ar, dor ou pressão no peito, perda de fala ou movimento) deve procurar atendimento médico. Mas sabemos que em muitos lugares as unidades de saúde estão super lotadas, tornando lento e pouco realista o atendimento médico instantâneo, especialmente para quem vive em regiões pobres da cidade. É bom manter em casa dipirona, paracetamol e xarope para tosse. Pode ser interessante, também, manter uma suplementação de vitamina D (mais informações no item 6 da lista). Nenhum desses medicamentos curam a covid, mas são capazes de aliviar os sintomas e dificultar a transmissão da doença. Ainda assim é importante frisar: se possível, prefira sempre ir ao hospital, UPA ou UBS!

3. Qual máscara usar?

Todo mundo já está cansado de saber que deve sempre usar máscara quando precisar sair. Mas há ainda muita dúvida sobre qual máscara é a melhor. Em um primeiro momento, no começo da pandemia, a instrução era para usar máscaras apenas se estivesse com sintomas. A instrução diferente se deu porque haviam poucas máscaras disponíveis no mercado brasileiro. Hoje a situação mudou: há máscaras para todos. Além disso quem não pode comprar máscaras pode fazer sua própria máscara com panos de prato não tóxicos. Apesar da população hoje saber disso, há ainda muita dúvida sobre qual o melhor tipo de máscara. Segundo especialistas, as máscaras N95 e PFF2 parecem ser as mais eficientes no combate À transmissão da covid. São um pouco mais caras, mas oferecem proteção e conforto mais completos. Veja aqui como identificar cada uma dessas máscaras, e não ser enganado na hora da compra.

4. Álcool em gel ou álcool em spray?

Mais barato do que o álcool em gel, e mais rápido de aplicar, o álcool 70% em garrafas com borrifador é uma opção interessante para quem quer se manter protegido. É importante saber, apenas, que o álcool sem ser em gel evapora mais rápido, o que significa que ele tem menos tempo para matar os patógenos em sua mão. Isso pode ser resolvido aplicando uma dose maior de álcool em spray do que seria aplicado de álcool em gel. Além disso, se você possuí uma pele sensível, algumas marcas de álcool em gel podem ser mais interessantes por conterem hidratantes em sua composição. Por outro lado, o álcool em spray pode ser mais conveniente, especialmente se usado em pequenos frascos de spray (50 ou 100 mililitros), fáceis de serem transportados, e de rápida aplicação.

5. Posso pegar transporte coletivo?

Como todo mundo sabe, se possível , o ideal é ficar em casa. Mas para muitos isso não é uma opção. Há, no entanto, pesquisas animadoras mostrando que o uso de máscaras é mais eficiente do que se pensava no combate à covid. Um estudo recente do renomado Instituto MITRE, mostra que se todos no ônibus estiverem de máscara, e as janelas do ônibus forem mantidas abertas, o número de patógenos inalados pode diminuir em até 93%. Isso não significa que já dá para sair em rolezinhos. Mas se precisar sair de ônibus, saiba que usar máscaras e manter as janelas abertas é um caminho para se manter protegido (na medida do possível).

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para além de combater a Covid, vamos combater o neoliberalismo

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho