Autor: Equipe Toninho Vespoli

Os Bastidores do Próximo Golpe

Os Bastidores do Próximo Golpe

Entenda os riscos de se diminuir o controle sobre a polícia militar

O Congresso arrisca dar ainda mais impunidade a fardados que cometerem crimes. Esta seria uma consequência provável (e trágica) de dois projetos de lei sendo negociados nos anais do congresso. As medidas diminuiriam o controle civil da polícia militar, dificultariam (ainda mais) investigações de abusos de oficiais, e criariam conselhos nacionais com pouco controle cidadão local para controlar as polícias civis. Em um país em que a polícia já é extremamente criminosa, e em que o presidente é declaradamente favorável a um golpe militar, essas mudanças na lei são muito preocupantes. Anunciam os bastidores do próximo golpe.

Cada mudança proposta cria uma preocupação. Existe uma razão para a Constituição Federal prever que as polícias sejam controladas por chefes civis de poderes locais. “Art. 144, § 6º As polícias militares e corpos de bombeiros militares, forças auxiliares e reserva do Exército, subordinam-se, juntamente com as polícias civis, aos Governadores dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios.” A ideia é simples: os militares não podem ter licença para fazerem o que bem entenderem. Devem ser controlados por um poder civil, eleito pelo povo. Dessa maneira há, ao menos em teoria, a capacidade de controle civil e social sobre aquilo que deveria ser o “monopólio do uso da força”.

Ao mesmo tempo, a Constituição proíbe controle centralizado da polícia militar e civil em autoridades federais. A ideia é que Brasília não mande, sozinha, no uso da força do país inteiro. Os constituintes entenderam que o poder de prender deve ser compartilhado, decentralizado e sob controle civil. Verdadeiro marco frente ao regime militar, anterior, em que os militares decidiam tudo a portas fechadas a partir do centro do país. Nada disso é o suficiente para garantir, sozinho, uma polícia verdadeiramente íntegra, e comprometida em proteger (e não em matar) o povo brasileiro. Mas voltar atrás nesses pontos agravaria, ainda mais, os problemas ligados às nossas polícias.

É, portanto, um grande retrocesso o que se discute hoje em Brasília. Uma das medidas propostas permitiria que os próprios oficiais da polícia militar indicassem o comandante da polícia em cada estado. O Governador poderia, apenas, indicar um nome de uma lista tríplice, enviada pelos próprios milicos. Uma tremenda trava ao controle civil da polícia. Além disso, os projetos debatidos dificultariam, bastante, a exoneração de comandantes da polícia militar. Por fim, quanto a investigações da polícia civil, debate-se proibir que os governos divulguem dados frutos de quebra de sigilo, facilitando, assim, casos de corrupção no interior da corporação.

Isoladas, as medidas podem parecer pouco relevantes. Mas é importante pensar, mais do que nunca, no valor simbólico das propostas: O Bolsonaro está polemizando, cada vez mais, com governadores do Brasil inteiro, mirando as reeleições de 2022. O Bolsonaro é bem capaz de perder no voto popular. Mas se ele seguir os passos de um de seus ídolos, o Donald Trump, que perdeu o pleito para as eleições Estadunidenses, ele é bem capaz de tentar liderar algo parecido com o que ocorreu recentemente no Capitólio dos Estados Unidos: um golpe movido por seus apoiadores mais fanáticos. Assim fica claro o que pode ser os bastidores do próximo golpe.

Se nos Estados Unidos a tentativa foi, ao que tudo indica frustrada, no Brasil o Bolsonaro conta com apoio expressivo de militares na maioria dos estados. Ou seja, se ele tentar um golpe, é bem capaz que os militares apoiem. A medida debatida no Congresso seria quase que uma luz verde para a polícia. Algo como “vocês não precisam obedecer aos governadores e ao poder civil”. A campanha para presidência já começou no Brasil faz tempo. Mas pelo menos um candidato não parece comprometido em seguir a voz das urnas.

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

E quando invadirem Brasília?!

E quando invadirem Brasília?!

Entenda porque a invasão do Congresso estadunidense pode por a democracia brasileira em jogo

Como todos sabem, esse dia 6 de janeiro terroristas armados invadiram o Congresso dos Estados Unidos. O objetivo era dar um golpe no país, e tornar Donald Trump, derrotado nas urnas, um ditador. Os terroristas – até agora – não tiveram sucesso. É provável que as instituições do país sejam, ao menos, suficientes para impedir algum desastre dessa magnitude. Mas preocupa bastante pensar que o Bolsonaro se espelha no Trump. Em 2022, quando Bolsonaro perder as eleições presidenciais, há risco real de ele tentar fazer o mesmo. Mas aqui ele contaria com apoio de milícias ligadas ao tráfico de drogas, além de grandes partes das polícias militares. E quando invadirem Brasília?! O risco de um golpe é real! não podemos abaixar a guarda e deixar para agir só em 2022! Bolsonaro precisa ser afastado. E isso precisa ser feito rápido!

Os terroristas dos Estados Unidos estavam armados, e preparados para a guerra. Foi um milagre terem morrido apenas 4 pessoas. Os manifestantes chegaram a tentar ameaçar e agredir deputados da oposição (além do próprio vice presidente de Trump, o Mike Pence). De dentro do salão em que ocorrem as votações do Congresso, seguranças chegaram a usar mesa para barrar a entrada na porta, enquanto se preparavam para reagir em caso dos terroristas armados a arrombarem. A intenção do protesto era clara: negar os resultados das últimas eleições e tornar Trump um ditador. Grande é o contraste com as manifestações pacíficas e organizadas da esquerda. No caso da direita, vários manifestantes estavam armados. O objetivo não era pressionar os políticos, mas ameaça-los de morte. Apenas porque não gostaram dos resultados das eleições, que revelaram Trump como o perdedor.

Trump incitou os terroristas!

Minutos antes da invasão acontecer, Trump fez discursos incitando os manifestantes. “Vocês têm que mostrar força e têm que ser fortes. Viemos exigir que o Congresso faça a coisa certa e conte apenas os eleitores que ‘votaram legalmente. Que votaram legalmente’ (sic.) Eu sei que todos aqui logo estarão marchando para o edifício do Capitólio” Para além do tom agressivo, é importante atenção ao contexto: Trump passou as semanas anteriores negando os resultados das eleições presidenciais, dizendo que ele teria ganho e que, na verdade, deveria ser o presidente. Obviamente é tudo mentira. E no contexto as mentiras escalaram para uma marcha violenta com o objetivo de fazer de Trump um ditador!

Tradução do tweet: "é isso que acontece quando eleições sagradas, ganhas de lavada, são arrancadas de grandes patriotas que foram tão mal e injustamente tratados por tanto tempo. vão para casa com amor e paz. Lembrem-se desse dia para sempre!"

Mesmo sem superestimar o valor da “democracia” liberal-burguesa que reina nos Estados Unidos, o evento é preocupante por si só. Há, ao menos em teoria (mesmo que na prática de forma bastante limitada) um pressuposto de que as instituições do país devam ser controladas pelo povo. Um ditador assumir seria o fim dos poucos aspectos democráticos no país, e teria consequências políticas e econômicas globais.

No Brasil o caso é ainda mais grave!

Mas o Brasil tem algo mais a temer: a saúde de suas próprias instituições democráticas. E quando invadirem Brasília?! Não é segredo algum que Bolsonaro gostaria de dar um golpe e assumir como ditador. Já afirmou, em mais de uma ocasião, ser favorável a um golpe e admirador da ditadora militar brasileira. Também não há dúvidas de que Bolsonaro se espelhe nas ações de Donald Trump (o seu ídolo). Bolsonaro chegou a bater continência à bandeira dos Estados Unidos, em forma, na verdade, de homenagem a Trump.

Mas aqui a situação seria ainda mais grave que nos EUA. E quando invadirem Brasília?! Não apenas nossas instituições democráticas são ainda mais frágeis que as de lá, como aqui o Bolsonaro já conta com apoio expresso de milícias armadas, muitas delas ligadas ao tráfico de drogas armas e pessoas. Mais que isso, Bolsonaro conta com o apoio do exército e das polícias militares do Brasil. Mobilizações recentes de sua base no Congresso para diminuir o controle civil das polícias militares podem ser vistas como preparo dele para um golpe em 2022.

Nós não podemos nos dar ao luxo de esperar até lá! Não podemos ficar quietos enquanto um fascista conspira um golpe contra o povo, a república, a democracia e a justiça! É importante agirmos agora! O caminho que devemos tomar é prosseguir com o impeachment de Bolsonaro o quanto antes, e cortar logo a cabeça da cobra do fascismo! Se não agirmos rápido, 2022 pode se tornar 1964!

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

A “roleta russa” da volta às aulas presenciais

O anúncio da volta às aulas presenciais feita a pouco pelo prefeito e o novo Secretário de Educação de São Paulo, mostram a toada do que se deve esperar deste governo tucano pelos próximos quatro anos na nossa cidade.

Há poucos dias foi anunciado por representantes de entidades sindicais que o Secretário teria dito que o retorno aconteceria apenas após a autorização da Secretaria de Saúde.

Com um número de mortes perto de 50 mil pessoas, o Estado de São Paulo erra em anunciar a volta e, como tem sido desde que assumiu a prefeitura, Covas segue a vontade de seu padrinho político e brinca com a vida dos estudantes, trabalhadores da Educação e seus familiares.

É ridículo que esse público não esteja como prioritário na campanha de vacinação contra o Covid-19. É absurdo que a pressão de grupos privados seja maior que a preservação da vida. E absolutamente ninguém duvida que se o número de casos é enorme com as aulas presenciais suspensas e que disparará com essa retomada de atendimento presencial aos estudantes sem a imunização. Uma verdadeira roleta russa!

Por outro lado fica cada vez mais evidente o papel fundamental das escolas e da Educação. Não há tecnologia que substitua o afeto, não há apostila que substitua o professor; Isso foi constatado a duras penas e de forma inesperada a todos, inclusive aos defensores de homeschooling; Infelizmente dezenas de milhares de famílias em São Paulo também aprenderam que a vida não tem preço.

Durante praticamente todo o ano de 2020 temos debatido e ouvido diferentes especialistas afirmando o risco desse retorno sob as atuais circunstâncias. O prédio continua o mesmo, as equipes de limpeza continuam reduzidas, o módulo de servidores continua o mesmo, a vivacidade e características próprias das crianças continuam as mesmas. Infelizmente o prefeito continua o mesmo…

Não existe preciosismo quando o que está é jogo é o nosso bem maior, não existe excesso de zelo com a vida. O detrimento do direito à vida, proteção e saúde é uma triste constatação que falhamos enquanto cidade educadora e como sociedade.

tem dinheiro pra propaganda mas não tem para servidor!

tem dinheiro pra propaganda mas não tem para servidor!

Entenda como o Doria está priorizando publicidade ao invés de trabalhos!

O Doria está aproveitando a pandemia para sucatear o Estado na surdina! A última sacanagem do Governador foi adiar, por meio de decreto (ou seja, de forma autoritária), os concursos e contratações públicos. Faz isso sem indicar momento de retomada dos concursos, ou seja, por prazo indeterminado, e ainda por cima deixa um tom de ameaça às universidades no final do decreto, falando de “iminente redução de suas receitas” (cenas do próximo episódio). Ao mesmo tempo, o governador aumentou em quase 70% (aumento em 62,5 mi) as verbas de publicidade do governo estadual. Ou seja, tem dinheiro pra propaganda mas não tem para servidor!

É de notório saber para qualquer servidor público que o Doria é inimigo do serviço público de qualidade! A sua sanha privatista (sem fundamentações econômicas e sociais) afetou setores importantíssimos para São Paulo, como a SPTuris e os Mercados Municipais! Agora também se articula para privatizar o Parque Ibirapuera (obra, ironicamente, projetada pelo comunista Oscar Niemayer com o objetivo de ser um espaço de descanso ao povo trabalhador paulistano).

Passou dos limites!

Mas esse decreto passa de todos os limites! faltam funcionários em todos os setores do serviço público! Além disso, justamente por causa da crise econômica, é importante manter as pessoas com dinheiro para que o consumo continue acontecendo. Emprego público é, historicamente, uma das formas de garantir concorrência com os empregos formais da iniciativa privada quanto a direitos e garantias dos trabalhadores. Em outras palavreas, com menos empregos públicos a iniciativa privada inteira possui um estímulo para diminuir os salários, por diminuir a concorrência com condições (minimamente) decentes de emprego oferecidas no setor público. Menos empregos significam menos pessoas com dinheiro para consumir, para girar a economia. Ou seja, todo mundo perde com a medida de Doria (inclusive a economia).

Ao mesmo tempo Doria acha de bom tom aumentar as verbas para publicidade! O aumento foi em 70% (de 153,2 milhões em 2021 ante aos R$ 90,7 milhões projetados em 2020) Oras, quer dizer que tem dinheiro pra propaganda mas não tem para servidor! É muita cara de pau!

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

F0#@-$& a Ford!

F0#@-$& a Ford!

Entenda porque a Ford está traindo e explorando o Brasil

A mídia tradicional não se cansa de chorar as mágoas pela saída da Ford no Brasil. Na verdade a empresa empregava pouca gente perto dos subsídios e empréstimos entregues pela federação. O setor automobilístico, como um todo, saqueou as contas públicas em troca de benefícios que não vieram até agora. É bem possível, ainda que, mesmo sem os auxílios, as montadoras teriam ficado no Brasil do mesmo jeito. Essas empresas fazem lobby no Congresso enquanto financiam o marketing de grandes grupos como a Rede Globo. Tudo para conseguir dar o mínimo ao povo brasileiro, enquanto retiram o máximo possível. Se aproxima, em verdade, bastante das ações coloniais de grupos ocidentais na África e nas Américas. Agora, em um momento em que milhares de micro e pequenas empresas fecham as portas, com aumentos recordes no desemprego no país, querem fazer parecer que é tudo sobre a Ford. F0#@-$& a Ford! Quem sustenta o país são os micro e pequenos, e não os grande e mega empresários!

Nem empregos e nem PIB! A Ford não cumpre o seu lado do acordo!

Alguns talvez tenham ouvido que o setor automobilístico é um dos que mais empregam no Brasil. Isso é tecnicamente verdade, mas apenas porque os empregos no Brasil estão muito pulverizados, principalmente entre micro e pequenas empresas. As montadoras e concessionárias empregavam, todas juntas, menos de 150 mil pessoas em 2015 (o número diminuiu desde então). Enquanto isso, em 2019, 75% dos empregos formais vinham de micro e pequenas empresas. Ou seja, os empregos do setor automobilístico são uma gota no oceano.

Outros talvez se impressionem ao ouvir que as montadoras são responsáveis por 22% do PIB industrial do país. De novo, a informação é incompleta: acontece que o PIB industrial representa apenas 22% do PIB total. Ou seja, se você fizer os cálculos, o setor inteiro é responsável por, ao todo, 4,84% do PIB (0,22 X 0,22). Para efeitos de comparação, o setor de serviços, que é composto principalmente pelas micro e pequenas empresas, corresponde a mais de 70% do PIB nacional! É desproporcional essa preocupação com a Ford em contraste com quase que um silenciamento da mídia e das autoridades sobre os empregos vindos das empresas menores.

A conta não fecha! Ford recebe muito e entrega pouco!

Isso tudo sem nem entrar nos subsídios e empréstimos que o país deu ao setor automobilístico nos últimos anos. Ao todo essas cifras giram em torno de 50 bilhões de reais, de acordo com a própria Globo. Segundo análise feita por bacharel do curso de Graduação em Ciências Econômicas da Universidade Federal do Paraná, a conta não fecha. O Brasil cedeu mais do que recebeu da indústria automobilística. Além disso, segundo o mesmo estudo, não há indícios de que as políticas de incentivo tenham feito alguma empresa realmente se instalar no Brasil. São empregos e imposto que o Brasil poderia ter de qualquer jeito.

Por fim, não foi por falta de submissão do Brasil que a Ford decidiu fechar as portas das fábricas brasileiras. A medida, provavelmente, está muito mais relacionada com a decisão da montadora de focar, praticamente, apenas na produção de SUVs e picapes; produção, esta, já bem instalada em outros países latino-americanos, como a Argentina. Basicamente, a Ford está recebendo em subsídios e empréstimos do Governo e se eximindo da contrapartida: ajudar com a economia  e com os empregos no Brasil.

Fica muito pouco para o Brasil

Sobre aqueles que acreditam que a Ford, e outras montadoras, ajudariam na inovação e produção tecnológica no Brasil, trata-se, também, de definitivo engano. Os grandes conhecimentos técnicos foram desenvolvidos em outros países (como os Estados Unidos), além de serem, em grande medida, patenteados. Além disso, fica tudo sobre controle direto das fábricas e montadoras. É muito pouco que, realmente, “sobra” para o Brasil.

Apesar de bem menos relevante que as microempresas que fecham as portas, não por liberalidade ou opção de negócios, mas pela grave crise econômica que passamos, a Ford, ainda assim, sai do Brasil deixando 5 mil desempregados, após ter recebido fortunas do governo em forma de subsídios e empréstimos. Mas a Ford é, também, uma grande e importante anunciante da Globo e de outros grandes veículos de imprensa (junto com outras montadoras). Talvez isso, mais do que verdadeira relevância econômica e social, explique o alarde feito pela mídia. Querem mostrar serviço a seus financiadores.

“Custo Brasil” subsidiado!

É triste ter que assistir a Andreia Sadi (suposta progressista, e jornalista da Globo) anunciando, em tom emotivo, como a Ford seria mais uma vítima do “custo Brasil”. A verdade é que a Ford obteve pesados descontos no tal do “custo Brasil”, enquanto micro e pequenos empreendimentos foram colocados em segundo plano nas políticas econômicas do país. Apenas a título de exemplo a Ford recebeu sozinha, entre 2004 e 2019, cerca de 5,5 bilhões de reais a título de empréstimos do BNDES, fora dezenas de bilhões de reais em subsídios fiscais. As micro e pequenas empresas, por outro lado, são as que menos recebem verbas do BNDES. Ou seja, os pequenos negócios, efetivamente, subsidiam o custo Brasil dos grandes empreendimentos!

A verdade é que não precisamos da Ford! F0#@-$& a Ford! O que gera tecnologia, conhecimento e economia é investir em universidades e em micro, pequenas e médias empresas em ramos tecnológicos, como produção de eletrônicos ou de máquinas utilizadas na produção industrial. Lógico que esses são setores da economia que o Bolsonaro negligencia. Mas se o Brasil quiser crescer de verdade, não vai ser graças a empresas gringas explorando o nosso capital!

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

E essa recuperação, hein?

E essa recuperação, hein?

Entenda porque Bruno Covas deveria rever suas prioridades na educação pública!

Como num quebra-cabeças, a virada da folha do calendário de certos setores da sociedade trouxe junto aos votos de um ano novo melhor e mais próspero um proposital cinismo acompanhado de perda de memória.

Desde 2019 temos denunciado o número insuficiente de trabalhadores nas equipes de limpeza dos CEUs e demais unidades escolares da nossa rede. Resolveram? Não! Os equipamentos continuam com equipe reduzida, mas parece que isso não é mais um problema.

Passamos praticamente 170 dias letivos em aulas remotas sob as mesmas condições e contexto atual de alto número de contágio e mortes (mas agora insistem no presencial como única forma de recuperação paralela), parecem tão anestesiados e esperançosos pelo ano que se inicia que esqueceram inclusive que professores e estudantes não estão sequer na lista de prioridades na vacinação que se anuncia.

Vidas inocentes valem essa pressa?

Mas é pelo pedagógico! A criança precisa do vínculo! Claro que sim. Não há o que substitua a relação e as trocas que se dão na escola. Mas que escola? Polos com professores que não conhecem os estudantes, crianças sem relação entre si, nem com o espaço, nem com os adultos, em baixíssima adesão. Esse ganho pedagógico é maior do que o risco empregado a todos que estão envolvidos nesse plano de recuperação no mês de janeiro?

Qual a pressa em se dizer que está tudo bem e que a rotina precisa voltar? As escolas ficaram maiores e mais arejadas? Os corredores dos prédios antigos agora estão ventilados? Os itens de higiene estão em quantidade suficientes?

O discurso era pela vida, porém, sem absolutamente nenhuma mudança real, passa a ser pela imediata aula presencial, inclusive com a tal recuperação que está sendo oferecida nos CEUs. Coincidentemente subiu o tom do discurso de escolas particulares e políticos bem NOVOS bancados por grupos privatistas.

A aula nunca parou!

A aula nunca parou. E sabe por quê? Porque os professores pagaram internet do próprio bolso, compraram equipamentos tecnológicos com mais memória, mais recursos; disponibilizaram os números pessoais e se dispuseram a atender famílias independente do dia ou horário de trabalho; de uma hora pra outra aprenderam a manusear parafernálias com as quais não estavam habituados. Tudo para manter o vínculo e a aprendizagem daqueles alunos que também precisaram dispor de recursos próprios por não terem sido adequadamente assistidos pelo poder público.

Além dos professores, o quadro de apoio e a equipe gestora estiveram na linha de frente desde março, atendendo a todos os “cumpra-se” que ficavam sabendo pela mídia, afinal, diálogo com a categoria que estava na linha de frente durante o ano de 2020 não existiu.

Fizemos inúmeras tentativas de diálogo com a Secretaria, apresentamos projeto de lei pela entrega de chips aos trabalhadores e estudantes, brigamos por alimentação para todos, fizemos manifestação, denunciamos no Comitê Emergencial, Comissão de Educação, Ministério Público, Tribunal de Contas e tudo mais que pudemos, mas a voz que parece soar mais alto em mais um ano, é a voz de conglomerados financistas, a voz da irresponsabilidade e a voz do faz-de-conta.

Utilizar a rede pública como teste para atender à pressão de reabertura das escolas (em especial particulares) sem vacinação dos agentes envolvidos no processo educacional é mais que irresponsável, é sujo e tem caráter desumano!

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Vivian Alves Nunes

Vivian Alves Nunes

Vivian Alves é diretora de escola na Rede Municipal de Educação, historiadora, pedagoga e ativista. Atualmente faz parte da caravana da educação do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Apoio a Baleia ou candidatura própria, uma falsa polêmica

Apoio a Baleia ou candidatura própria, uma falsa polêmica

Entenda porque nem Baleia nem Lira estão do lado do povo

Desde a eleição de Bolsonaro, a principal discussão dos progressistas no país é a composição de frentes amplas para derrotar o bolsonarismo. Essa discussão, tem se tornado um tema tão central no debate que é comum vermos os ditos analistas levantarem a bola de Doria, Moro, Huck, Mandetta e Maia como nomes ilibados para unirem o país contra o bolsonarismo.

Essa conversa vem crescendo como uma bola de neve e levado muita gente a acreditar que esse é o único caminho para 2022. O fim das eleições municipais de 2020 e o quadro de crescimento ou queda dos partidos colocou mais lenha nessa fogueira, mas nada se compara com a eleição para presidente da Câmara Federal que acontecerá em 1º de fevereiro.

A eleição pra presidência da Câmara dos deputados se tornou um ensaio para a eleição da presidência da república em 2022, e o que fica nítido é que querem empurrar uma escolha entre a direita fascista e a direita liberal e relegar a esquerda ou centro esquerda um papel de coadjuvante de todo esse processo.

Maia, uma falsa oposição a Bolsonaro

A afirmação desse intertítulo deve ser o que nos norteia. De fato, que oposição Rodrigo Maia fez a Bolsonaro? E podemos ir além, Doria, Moro, Huck e Mandetta, que estiveram no palanque bolsonarista até um dia desses que oposição fizeram, efetivamente, a esse governo?

Maia votou e aprovou todos os projetos de desmonte do Estado propostos por Bolsonaro, sem vergonha ou constrangimento tocou o projeto bolsonarista com orgulho. Agora, no apagar das luzes de seu mandato de presidente, banca o opositor fazendo críticas no twitter e xingando o presidente. Maia e Bolsonaro são dois lados de uma mesma moeda. A moeda do neoliberalismo entreguista, que ataca direitos sociais e os mais pobres para beneficiar os poderosos empresários.

Lira e Baleia, farinhas do mesmo saco

O deputado Arthur Lira é o candidato de Bolsonaro, porém, é Baleia Rossi, candidato de Maia quem mais votou favoravelmente aos projetos encaminhados por Bolsonaro a Câmara dos Deputados. Querem impor as esquerdas um candidato que sequer defendeu os interesses do povo contra as medidas do presidente nesses últimos dois anos de mandato.

De acordo com um levantamento feito pela consultoria ArkoAdvice, em 2019 Baleia votou a favor do governo em 90,24% das votações e contra em 9,75%. No mesmo ano, Lira votou a favor em 86,29% das vezes e contra em 13,70% das ocasiões. Portanto podemos cravar categoricamente: não há distinção entre Lira e Baleia. Maia sabe disso e apresenta Baleia como seu sucessor numa tentativa de constranger as esquerdas e dar o tom da eleição de 2022.

O que a esquerda deveria fazer? 

Essa é a pergunta do século, e não vale apenas para esse momento, mas diante do cenário nacional e internacional, essa é a pergunta que deve virar o mantra da esquerda: O que devemos fazer?

Antes de mais nada admitir que há uma tentativa de silenciamento e escanteamento do nosso campo por parte da grande mídia e dos liberais e neoliberais. Esses tentam fazer parecer que a culpa do estado bizarro de coisas que vivemos no país é da esquerda e, portanto, apenas eles ou uma aliança ampla e global pode salvar o país.

Não assumem que Bolsonaro e essa política de desmonte do Estado é fruto das ações de todos esses que agora bancam de salvadores da pátria. Temos que denunciar o genocídio de Bolsonaro, mas temos que igualmente denunciar Doria, Moro, Huck, Mandetta e Maia. Temos que denunciar o Estadão e seus colunistas que dias antes da eleição apregoavam o editorial: Uma escolha difícil.

É nosso papel enquanto esquerda permanecer aglutinando militantes e movimentos sociais na defesa da construção de um outro projeto político. Que caminhe ao lado da luta parlamentar, mas que entenda que o jogo de cena do Congresso Nacional é uma falsa dicotomia. Nem Lira e nem Baleia defenderão os interesses do povo quando isso for posto em pauta. Ambos defenderão o grande capital e seu representante.

A esquerda deveria defender outro projeto!

Por isso é necessário que a esquerda ocupe o espaço da candidatura a presidência da mesa diretora da Câmara dos Deputados e dialogue com a população para dizer o que ela defende. Sabemos que o voto para presidente das Casas Legislativas não é direto, são os parlamentares eleitos que elegem, entre seus pares, quem conduzirá o trabalho daquela instituição. Porém, ao ocupar um espaço entre as candidaturas postas, a esquerda conseguirá mais uma vez mostrar que defende um outro projeto.

A despeito disso, é necessário ressaltar que a eleição para a Câmara dos Deputados acontece em dois turnos, portanto ainda que, por hora, não tenhamos uma candidatura competitiva e com possibilidade de vitória, a eleição será decidida apenas no segundo turno, momento sim que podemos apoiar ou dar o voto crítico ao candidato que representa uma oposição maior ao bolsonarismo.

A esquerda deve apresentar o seu candidato, mostrar a sua cara o seu programa. Debater pra dentro e pra fora do parlamento a importância de frearmos o bolsonarismo, mas não para cair no canto da sereia do liberal moderado e sim, para caminharmos para um outro projeto social de país.

Toninho Vespoli

Toninho Vespoli

Toninho Vespoli é Professor e Vereador pelo PSOL em São Paulo.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Lucro acima da vida

Após passar a campanha eleitoral inteira negando a segunda onda da pandemia de Covid-19, o prefeito Bruno Covas, junto ao governador João Doria, agem em nome dos interesses de escolas privadas para retomar as aulas antes que seja seguro. Conforme denunciado pelo Vereador Toninho Vespoli, a gestão de Covas se aproxima de empresários da educação privada, debatendo um retorno às aulas antecipado. Ele faz isso, na verdade, só para permitir que grupos de educação privados continuem lucrando com as vendas de aulas. O prefeito segue os passos da administração bolsonarista na educação: na última sexta, dia 8, o INEP (grupo que realiza as provas do ENEM) voltou a afirmar que, mesmo com a pandemia, as provas para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) devem seguir o calendário normal. A medida beneficia universidades privadas e arrisca vida de jovens alunos. Para a direita é lucro acima da vida.

 

Moderadamente cretino

O Bruno Covas passou a sua campanha de reeleição para prefeito pregando ser um defensor da ciência e da saúde. Um desavisado poderia até confundi-lo com um cara decente (chegou a afirmar que o foco de sua gestão seria “a redução das desigualdades sociais” (sic.)). Mas as luzes eleitorais não persistiram. Se apagaram rapidamente. Embora insistisse que não havia risco de segunda onda da pandemia, o Governador João Doria do PSDB (mesmo partido de Covas) deixou para reavaliar os estragos da covid no dia seguinte às eleições.

Ou seja, os caras sabiam da segunda onda, mas deixaram para falar depois que o Covas fosse eleito. Mesmo essa “preocupação” cretina, que engana o povo, está limitada aos lucros de grupos privados. Apesar de, agora, reconhecer piora da Covid, tanto Covas quanto Doria se aproximam de escolas privadas para antecipar a volta às aulas. Isso para permitir que grupos lucrem enquanto crianças correm risco de vida!

Na verdade é até um pouco irônico: Covas se vendeu em sua campanha como um “moderado” frente aos extremismos de Jair Bolsonaro. Mas “na hora H” ambos arriscam vidas em nome dos lucros dos mais ricos. Este dia 8 o INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) afirmou ser “perfeitamente possível” realizar Enem no calendário previsto. O Instituto é responsável por administrar as provas do Exame Nacional do Ensino Médio. O pronunciamento foi provocado por um pedido da Defensoria Pública da União e do Ministério Público Federal (MPF) à Justiça Federal de São Paulo, pelo adiamento do ENEM para o mês de maio.

A “razão do lucro”

Considerando a pandemia, o pedido é mais do que razoável. É curiosa tamanha intransigência do poder público. Talvez a teimosia tenha menos haver com uma “defesa apaixonada” da educação, e mais haver com o fato do ENEM servir para a aprovação de repasses para programas de financiamento público de universidades privadas. Acontece que, no Brasil, grande parte das verbas de universidades privadas vêm de projetos como o FIES e o PROUNI. Ambos possuem o mesmo princípio básico: o Governo Federal dá ou empresta dinheiro para que universidades privadas atendam a população de baixa renda.

Não é o objetivo do presente texto entrar nos prós e contras desse tipo de programa, mas não deixa de ser curioso que a irmã do Ministro da Economia, Paulo Guedes, seja vice-presidente da Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup). Além disso, o próprio Paulo Guedes investe em grupos e empresas de educação particulares. São justamente grupos como os que poderiam perder dinheiro se o ENEM fosse remarcado para maio. Pode ser apenas coincidência, mas, assim como Covas, a gestão Bolsonarista arrisca vidas na educação pública ao flertar com decisões que beneficiariam aqueles quem lucram com a educação privada. é o lucro acima da vida.

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

QUEM CANCELA QUEM? JONES MANOEL E EDUARDO SUPLICY ESTÃO SOPRANDO NO VENTO

QUEM CANCELA QUEM? JONES MANOEL E EDUARDO SUPLICY ESTÃO SOPRANDO NO VENTO

Adicione o texto do seu título aqui

Durante o ano de 2020 tivemos super bate-papos com pessoas inspiradoras que nos tocaram com ensinamentos e reflexões sobre cultura, politica, esportes e sociedade em geral. Depois de cada conversa sempre foi muito difícil segurar a pena e registrar um tanto daquilo que nos entregaram de tão bom grado, por culpa da rotina que consome o tempo e impede um texto possível transmitir a altura o recado.

Esse artigo se inspira dentre tantas trocas de ideias em duas que vieram mais ao final do ano; uma com o Ver. Eduardo Suplicy e outra com Jones Manoel. Duas personalidades que à primeira vista cheios de diferenças e até antagônicos – quando mal compreendidos nas distorções que se produzem ao olhar menos atento – Mas, mentes e corações que se tocam no ideal de uma sociedade mais justa e solidaria e na radicalidade de fazê-la real, já, agora, sem subterfúgios, sem rodeios e sem tramas de bastidores. E eles estão soprando esperança nos ouvidos de quem queira ouvir e escutar de verdade, sem medo do tão cancelado contraditório, essencial ao bom debate.

Faz parte de qualquer processo político a luta pela hegemonia de uma corrente, de um partido ou de um conjunto de ideias. Mente ou se equivoca grosseiramente quem nega isso. Ou é profundamente ignorante sobre as lutas políticas que são travadas no interior de movimentos sociais, partidos, sindicatos, ou seja, lá o que for. E, é claro, há diversas estratégias parra atingir tais finalidades. Com as quais podemos ou não concordar.

Não acho nada demais que a um ano e meio da eleição de 2022 partidos, candidatos e movimentos façam seus jogos, coloquem suas cartas na mesa e façam suas apostas. Isso é da democracia e do jogo democrático.

O que me preocupa, não obstante, é a luta feroz pelo protagonismo no interior do movimento progressista, onde partidos, grupos e indivíduos parecem não fazer distinção entre adversários e inimigos de classe. Entre as diferentes estratégias dentro desse campo, não percebendo ou não querendo perceber as diferenças entre os socialistas que divergem das suas estratégias e dos agentes parasitas e venais da classe dominante. Pior. Às vezes, para destruir – ou “cancelar” – o outro lado, aliam-se até mesmo aos inimigos de classe. Lembremos que Lula, às vésperas de ser injustamente encarcerado, abraçou Renan Calheiros e criticou publicamente o PSOL. Ou de algumas figuras do PSOL, que acreditaram nas “jornadas de 2013” ou saudaram o lavajatismo.

Quem duvida e quiser vivenciar a estupidez política no seu estado mais primitivo, proponho consultar as páginas nas redes sociais daquelas seitas minúsculas que acusam todo mundo, a não ser eles próprios, os iluminados da revolução, de alimentarem tendências pequenos burgueses a serviço da direita. Ou pior, equiparar todos à direita mais retrógrada. Mas esse mal não assola apenas grupúsculos sem importância. Infelizmente.

Num jogo mais alto, ou seja, na primeira divisão da política eleitoral, temos os partidários de Ciro Gomes, que tentam impor a todos o seu candidato, proclamado como “a melhor opção progressista”. Para quem, cara pálida? Ou a guerrilha surda (e cega!) entre o PT e o PSOL, que parecia ter sido abandonada ou abrandada nas eleições de 2020. E vamos falar sério: em todos os campos há gente demais alimentando essas disputas. Inclusive – principalmente! – na tal centro-direita, que adoraria lançar um candidato “de centro”, de união nacional, apoiado pelos progressistas de estimação. E que estilhaçasse a esquerda socialista

Aí entramos na conhecida seara do vale-tudo. Jogo perigoso no qual o grão tucanato mergulhou desde 2014 e o resultado foi, não um governo formado pelas aves de rica plumagem, mas o triunfo da confraria dos abutres milicianos e fascistas. Que a direita faça isso não é surpresa. Mesmo a direita gourmet que agora faz ligeira mea culpa por “não perceber” – Ingênua essa gente! – o perigo que o milico fascista e sua corja representavam para o país. Como já disse antes, não espero nada daqueles que sempre foram privilegiados e não fazem nada além de preservar seus privilégios ancestrais. Mas sempre se espera mais daqueles que almejam por mudanças.

É engraçado como ativistas que discutem ideias, das quais se pode obviamente discordar, como Jones Manoel, da noite para o dia, passaram a ser atacados, tanto pelas seitas de extrema esquerda quanto pela “esquerda institucional”, aquela que se empolgou com a Operação Lava a Jato e a imolação do PT e de Lula. Ou seja, a credulidade num cafajeste midiático como Moro é perdoável, mas não a discussão franca de ideias e conceitos acerca das estratégias socialistas!

Não sou nenhum ingênuo e tenho certeza de que nem “todas as ideias” possuem o mesmo valor! Racismo, homofobia, machismo e ideais fascistas devem ser mesmo combatidos. Até mesmo com uso da força, sempre que necessário. Ou alguém acha que fascistas estão abertos ao diálogo? Mas não deveríamos dialogar mais no campo da esquerda? Não deveríamos debater nossas táticas e estratégias para derrotar o fascismo ao invés da imposição pela fo0rça da ofensa, da infâmia, da calúnia e do cancelamento burro daqueles que divergem de nós dentro do mesmo campo? A resposta, meu amigo, como diria Bob Dylan – e Eduardo Suplicy – está soprando no vento.

E o mais duro saber é que ela está soprando, assim, com aquele hálito fétido da corja miliciana, bem distante do suplicyano aviso sincero e corajoso de quem nunca fugiu a luta.

Texto publicado originalmente em https://sbpconection.blogspot.com/2021/01/o-que-sopra-no-vento-ou-quem-cancela.html 

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Benedito Carlos dos Santos

Benedito Carlos dos Santos

Benê Santos (Benedito Carlos dos Santos), paulistano do Imirim, professor de História, corintiano e socialista. Da equipe do programa Super Bate-papo da rádio Comunitária Cantareira e membro do Coletivo Caminho Luminoso.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Vacinar no SUS é um direito de todas e todos e um dever do Estado

Neste momento de crise sanitária internacional e nacional devido à pandemia de
Covid-19 – somos o segundo país do mundo em número de mortos por essa
doença –, é fundamental nos concentrarmos na luta pela vacinação já, com
equidade. A equidade é importante como a garantia de justiça social, mas
também como requisito para o tão esperado controle da pandemia. Que seja,
portanto, garantida igualdade de acesso às cidadãs e cidadãos brasileiros na
vacinação contra a Covid-19.

O Programa Nacional de Imunização (PNI) do Sistema Único de Saúde (SUS) tem
um histórico de grande sucesso, com experiência bem-sucedida em campanhas
de âmbito nacional e com reconhecimento internacional. Somente o pleno apoio e
adequado incentivo financeiro e operacional ao PNI pode garantir equidade no
acesso efetivo e seguro da população à vacina.

Devido à magnitude desta campanha de vacinação que tem como meta cobrir
toda a população e a limitação da oferta de vacinas no mercado internacional,
países como o Brasil têm definido um modelo de prioridades para sua
implementação com base em critérios epidemiológicos e de vulnerabilidade social.
Somente o SUS, por intermédio do PNI, poderá garantir a vacinação de toda a
população brasileira com base nesses critérios. Seringas, agulhas, insumos de
biossegurança e adequada logística e competência são necessárias para
atingirmos este objetivo. As vacinas objetos dos acordos de compra e
transferência de tecnologia já estabelecidos com as empresas Sinovac e
AstraZeneca devem formar a espinha dorsal da campanha de vacinação no País
sob a coordenação do PNI.

Numa sociedade como a nossa, marcada por grotescas desigualdades sociais, é
moralmente inaceitável que a capacidade de pagar seja critério para acesso
preferencial à vacinação contra a Covid-19. Caso isso ocorra, uma fila com base
em riscos de se infectar, adoecer e morrer será desmontada. É inadmissível,
portanto, permitir que pessoas com dinheiro pulem a fila de vacinação por meio
da compra de vacinas em clínicas privadas.

Assim, causa preocupação o anúncio feito no dia 3 de janeiro que clínicas
privadas negociam a importação de 5 milhões de doses de vacinas em
desenvolvimento na Índia pelo laboratório Bharat Biotech.
No Reino Unido, para evitar a ocorrência de desigualdade social no acesso à
vacina contra a Covid-19, governo e empresas elaboram acordos para não
permitir que vacinas sejam compradas por clínicas privadas, pelo menos
enquanto uma grande parte da população não tiver sido vacinada pelo Sistema
Nacional de Saúde (NHS). Este é o exemplo que podemos seguir.

Consequências nefastas da venda de vacinas contra a Covid-19 por clínicas
privadas, como as destacadas abaixo, vão além do aprofundamento do abismo
social brasileiro:

 Num momento de imensa necessidade de fortalecimento do SUS, renunciase ao seu potencial para vacinar a população brasileira com equidade,
efetividade, eficiência e segurança, em prol do fortalecimento do mercado
setor privado de saúde.

 O detalhado acompanhamento da cobertura vacinal e a farmacovigilância
para o monitoramento de eventos adversos, de grande importância
principalmente no caso das vacinas contra a Covid-19 com aprovação pelas
agências reguladoras em prazos recordes, tornam-se mais difíceis ou
mesmo se inviabilizam.

 O aumento do número de pessoas com doses incompletas de vacina (sem
tomar as duas doses) tem maior probabilidade de ocorrer entre as pessoas
vacinadas no setor privado, diminuindo a eficácia e a efetividade da
vacinação.

A sociedade brasileira e suas instituições democráticas estão alertas. A
abertura da vacinação para clínicas privadas pode impactar negativamente o
controle da pandemia, aumentar as desigualdades sociais na saúde e os riscos
inerentes ao prolongamento da circulação do vírus na população. A
mercantilização da vacina não será tolerada por um Brasil que luta pela vida,
por um país mais justo e solidário.

#VacinaçãoJÁ #VacinaparaTodaseTodos #VacinaçãoSomentenoSUS
#ObrasilprecisadoSUS

05 de janeiro de 2021

Entidades signatárias:
Associação Brasileira de Economia de Saúde – Abres
Associação Brasileira de Educação Médica – Abem
Associação Brasileira de Saúde Coletiva – Abrasco
Associação Brasileira dos Terapeutas Ocupacionais – Abrato
Associação Brasileira Rede Unida – Rede Unida
Centro Brasileiro de Estudos de Saúde – Cebes
Conselho Nacional de Saúde – CNS
Federação Nacional dos Farmacêuticos – Fenafar
Instituto de Direito Sanitário Aplicado – Idisa
Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares – RNMP
Sociedade Brasileira de Bioética – SBB
Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade – SBMFC

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho