saúde

Escolas fechadas, vacina e lockdown!

Escolas fechadas, vacina e lockdown!

Entenda o que seria necessário para São Paulo vencer a Covid!

Graças à incompetência dos nossos mandantes, a pandemia voltou a um novo pico! Se nada for feito os hospitais irão entrar em colapso. A gestão durante a pandemia tem sido uma comédia de erros: o Doria não fechou as ruas em um lockdown sério, o Covas não abriu os cofres para garantir renda para o povo, e o Bolsonaro nem se fala. Ficou brincando de gato e rato com o Doria, enquanto os corpos empilharam… talvez se tivessem escutado Toninho Vespoli, não estaríamos tão mal. As escolas permaneceriam fechadas até que o retorno fosse seguro, haveria uma renda emergencial decente para quem perdeu o emprego, hospitais de campanha eficientes teriam sido construídos, e quem vive da cultura teria algum auxílio, apenas para mencionar algumas medidas. O que precisamos, na verdade, é de Escolas fechadas, vacina e lockdown Mas infelizmente a direita preferiu uma rota genocida. 

Não foi por falta de aviso!

Não foi por falta de aviso. Ainda no começo da pandemia, Toninho Vespoli protocolou o projeto de lei 186/2020 que determinaria um lockdown mais rígido, além que garantir um auxílio emergencial capaz de garantir renda para quem mais precisa. Em um momento em que profissionais da saúde precisam de reforços, Toninho também ativou o Ministério Público para exigir que os profissionais aprovados em concurso fossem chamados para atender o público.

De distribuição de kits de EPIs, à luta pelo atendimento em hotéis à população em situação de rua, não faltaram ações de Toninho para combater a pandemia. Mas a direita de Doria e Bruno Covas não quiseram dar ouvidos. Em uma retórica suicida, supostamente em apoio à economia, não levaram a pandemia a sério. Na verdade usaram (e ainda usam) a tragédia como mero palanque para campanhas eleitorais. Foi assim na campanha pra prefeito de Bruno Covas, e está sendo assim, novamente, na campanha para presidente de Doria.

Quem planta Bruno colhe covas!

Apesar de às vezes fazerem discursos bonitos, tanto Doria quanto Bruno Covas fizeram questão de retomar as aulas presenciais, muito antes de ser seguro. Isso mesmo depois de saírem pesquisas mostrando grave risco de problemas neurológicos em crianças que pegaram Covid. Precisaríamos, em um combate sério à covid, de Escolas fechadas, vacina e lockdown!

Agora, após passarem as eleições de 2020 negando haver segunda onda da pandemia, Doria e Covas voltam a engrossar o discurso contra o vírus – mas apenas o discurso: o secretário de Saúde do estado de São Paulo, Jean  Gorinchteyn, já afirmou ser contrário ao lockdown. Talvez, pelo menos, a tragédia à luz clara seja o bastante para cancelarem a retomada das aulas presenciais. Mas as esperanças de uma gestão séria é pouca. São Paulo sofre o peso das urnas das últimas eleições: quem planta Bruno colhe covas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

10 razões para apoiar a greve dos profissionais da educação.

Entenda porque você deve apoiar a greve dos profissionais da educação!

Apesar do apelo de mães, pais, profissionais da educação, e especialistas em saúde pública, Bruno Covas e Doria insistem em retomar as aulas presenciais, antes que seja seguro. Em resposta a tamanha irresponsabilidade a APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) e o SINPEEM (Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo) decretaram greve contra a retomada. Entenda aqui 10 razões para apoiar a greve dos profissionais da educação.

1) Não é seguro voltar!

O Brasil acabou de registrar a maior media móvel de mortes por covid desde o começo da pandemia! Estamos passando por uma segunda onda da covid, que parece ser pior do que a primeira

2) O trabalho continua!

Profissionais da educação não são preguiçosos! Em votação na APEOESP 81,8% da categoria concordou em continuar com as aulas remotas durante a pandemia. Ou seja, não se trata de não querer trabalhar, trata-se de não colocar vidas em risco à toa!

3) A greve possui apoio da ampla maioria da categoria.

91,7% da categoria da APEOESP decidiu pela greve. Se uma proposta encontra tanto apelo entre a categoria, nada mais justo que respeitá-la!

4) A retomada coloca todos em risco!

Em um momento como o que vivemos, a retomada das aulas seria ruim para toda a São Paulo. Os profissionais da educação correm risco de ser infectados. Assim como também as crianças. Isso é terrível, mas a tragédia vai além: as crianças e profissionais infectados podem infectar familiares próximos, assim amplificando a onda de infecções e dando prosseguimento à pandemia na cidade inteira.

5) Risco de danos cerebrais em crianças!

Segundo a OMS, as crianças parecem ser particularmente suscetíveis a sequelas cerebrais por conta da covid-19! A prefeitura diz que é sobre garantir o futuro da cidade, mas que tipo de futuro São Paulo terá se suas crianças estiverem com problemas cerebrais devido à Covid? Não podemos ser tão irresponsáveis!

6) O povo sabe que é errado!

Covas, Doria e até a própria mídia tem falado pouco sobre a segunda onda que vivemos. Mas mesmo com este silêncio, e de um presidente negacionista, pelo menos 58% dos brasileiros permanecem contrários à volta às aulas.

7) Dá para recuperar!

Aula é algo que a gente recupera. Vidas de quem a gente ama não! Não é hora de voltar!

8) Falta equipe de limpeza!

Essa é outra tragédia que Toninho Vespoli já vem denunciando faz tempo: o sucateamento da limpeza das escolas. Isso já vinha desde antes da pandemia de covid. Mas agora, em um momento em que a limpeza se tornou mais crítica do que nunca, como a prefeitura pretende garantir a desinfecção das escolas? Isso ela ainda não explicou!

9) Lentidão e falta de clareza no plano de vacinação!

Alguém sabe quando será vacinado? É irresponsável voltar com as aulas presenciais sem que as crianças e profissionais da educação estejam todos vacinados!

10) Covas e Doria sabem que é perigoso!

A decisão de voltar com aulas presenciais é negligente! Os líderes do executivo sabem muito bem dos perigos. Eles fazem um discurso de “ouvir os especialista”, mas em questões importantes como esta ignoram o que diz a ciência. Não podemos deixá-los se safarem dessa!

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Vacina, esperança para todos

Vacina, esperança para todos

Entenda porque a vacina é fundamental para a vitória contra a covid

Vacinas são as conquistas mais profundas da pesquisa biomédica. Elas são um recurso incrivelmente econômico de proteger as pessoas contra doenças e salvar vidas¨ Peter S.Kim – biomédico, universidade Stanford, EUA

Indiscutivelmente a vacina é a concretização da ciência, é a esperança sendo materializada. Num tempo recorde foram criadas, testadas e aprovadas a tal esperada vacina contra o novo coronavírus. Cientistas de todo mundo se empenharam em criar uma vacina eficaz e segura a fim de conter a pandemia de covid-19

Vejo com muita alegria colegas sendo vacinados, mas outro sentimento também surge, o de pesar. Imaginar quantas vidas poderia ser poupada e não serão, tendo em vista a falta de um plano de imunização eficiente e a morosidade que isso acarreta.

Desde a primeira dose aplicada no Brasil, até o momento menos de dois porcento da população foi imunizada

O acesso á imunização é um direito universal, assim como o SUS (sistema único de saúde), e para isso se faz necessário e com urgência investimento politico e econômico. Numa gestão onde a vida não parece ser prioridade, as medidas de prevenção e cura ficam cada vez mais distantes, sobretudo aos menos favorecidos. Considerar profissionais da saúde heróis é muito bonito, mas insuficiente. É preciso criar condições para desenvolver esse heroísmo, é preciso garantir imunização à todos.

Precisamos com urgência defender o SUS, seja pelos que são cuidados, seja pelos que cuidam.

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Ana Prince

Ana Prince

Ana Prince é enfermeira formada pela USP, especialidade em ESF pela UNIFESP, terapeuta comunitária pela UFC.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Respirar virou privilégio

Respirar virou privilégio

Saiba porque o ministro Pazuello é culpado pela crise de oxigênio em Manaus e no Pará!

A crise de falta de oxigênio que assola Manaus, agora chega no Estado do Pará. Pelo menos 6 pessoas já morreram asfixiadas no município de Faro, PA É necessário pensar nas razões que causaram essa tragédia (aumento nos casos de covid devido às festas de fim de ano, nova cepa da covid, ineficiência nas políticas de isolamento social etc) mas mais do que tudo, é fundamental fornecer oxigênio a estes Estados, o mais rápido possível! O ministro da Saúde, Pazuello, já sabia, pelo menos desde o dia 8 de janeiro, da gravidade da situação. A sua reação foi próxima de nula! Com ele no comando, respirar virou privilégio. Agora, neste momento trágico, centenas de pessoas correm o risco de morrer asfixiadas! Quantas vidas custarão a incompetência da gestão Bolsonaro?!

Ele já sabia!

Não foi falta de aviso. “Existe um problema na rede de gás do município que prejudica a pressurização de oxigênio nos hospitais estaduais […] dificuldade crítica nos respiradores [de oxigênio]”. A citação é do dia 8 de janeiro, de um relatório da Força Nacional do SUS. A iniciativa é criada pelo Ministério da Saúde para averiguar situações específicas ligadas à saúde pública. A resposta de Pazuello foi insuficiente: transportou, junto à aeronáutica, cilindros de oxigênio, mas em quantidades bastante abaixo do necessário. Segundo Pazuello, outra iniciativa teria sido a transferência de pacientes necessitados para hospitais de outros estados. Mas essa prática já é relativamente comum no SUS. O que ele fez, efetivamente, foi quase nada.

A principal reação do Pazuello foi entrar em um jogo de apontar dedos. Quis fazer parecer se tratar de uma conspiração perpetrada pela principal fornecedora de oxigênio no estado, a White Martins. Para ele, seria a empresa que não estaria produzindo e vendendo o oxigênio nas quantidades e velocidade necessárias. Por mais que grupos privados sejam, em muitas situações, capazes de arriscar vidas em nome de lucros ou redução de gastos, tudo indica não ter sido este o caso. A própria White Martins, havia informado ainda dia 11, do problema, e sugerido, como parte da solução, que o estado ou a federação comprassem oxigênio de sua principal concorrente, a Air Liquide.

Ministério foi irresponsável!

Mas mesmo que o delírio de Pazuello fosse verdade, e a White Martins culpada, isso não eximiria a responsabilidade do Ministério da Saúde em resolver o problema. Trata-se de uma grave crise de saúde pública! Soluções existem, e foram sugeridas pelo próprio relatório da Força Nacional do SUS: o transporte de oxigênio por balsas (visto que apenas pela Forças Aérea não resolveria), além da instalação de usinas geradoras de oxigênio em Manaus, pelo SUS. A tecnologia é simples, e o SUS a domina. Mas faltou vontade e competência. Pazuello tinha desde o dia 8 para agir, mas preferiu ficar em um jogo ineficiente de apontar dedos!

Ainda hoje, dia 19 de janeiro, o ministro Pazuello continua sem agir. A crise, agora, atinge também o estado do Pará, com força na cidade de Faro. “Nossa reserva de oxigênio está zerada. Temos 37 pacientes internados dividindo 11 balas de oxigênio para que nenhuma vida seja perdida. Estamos pedindo remédios emprestados, oxigênio, não temos recursos. Hoje dependemos de doações, estamos entrando em desespero” afirmou o secretário de governo da prefeitura de Faro, Thiago Azevedo. Respirar virou privilégio.

Pazuello não corrige rumo!

Mesmo enquanto a tragédia se instala, Pazuello prefere usar seu tempo para se defender de acusações, ao invés de fazer alguma coisa. A princípio quis negar que sabia da gravidade da situação, apesar do relatório da própria Força Nacional do SUS, que prova que ele sabia do caso, pelo menos, desde o dia 8 de janeiro. Em resposta a tamanha inépcia, os partidos PSOL, PT, PCB, entre outros que compõem a oposição ao na Câmara dos Deputados, entraram com um pedido de Tutela Provisória ao STF. O pedido foi atendido pelo ministro Ricardo Lewandowski, que ordenou este dia 15 de Janeiro, que o ministério da Saúde tomasse medidas para resolver a crise em até 48 horas. Até agora a situação continua trágica.

Saiba como doar!

É triste pensar que o Estado não está cumprindo com suas responsabilidades básicas. Quem deveria resolver isso é o SUS, os poderes públicos. Mas na carência total de ações pelos meios oficiais, alguns ativistas e artistas estão se mobilizando para angariar doações para comprar oxigênio para os hospitais em Manaus. Uma dessas iniciativas é o Projeto Somar. É um absurdo que o povo tenha que tomar atitudes para fazer o serviço do governo. Mas é esta a nossa triste realidade. Respirar virou privilégio. Quem puder deve ajudar a reparar a injustiça! Doações podem ser feitas através das chaves PIX, conforme a imagem:

Torcemos para que a sociedade civil seja capaz de pressionar a gestão Bolsonaro, para que ela faça, ao menos agora, o seu trabalho.

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

O Fiasco do ENEM

O Fiasco do ENEM

Entenda porque essa edição do ENEM pode ser um triste presságio sobre outros fiascos a se desdobrarem na educação pública

O fiasco do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), em sua última edição, talvez tenha sido a maior tragédia promovida pelo ministério da educação de Bolsonaro (e olha que a competição é grande!). Mais da metade dos inscritos no ENEM não compareceram à prova. A principal razão foi um medo justificado dos inscritos de se contaminarem com a Covid-19. Alunos que realizaram os testes relataram salas de exames lotadas, com pouca circulação de ar. Ambiente perigosíssimo em tempos de pandemia. O Ministério da Educação teve a oportunidade de adiar as provas. Inclusive, ação do Ministério Público de abril do ano passado pedia ao INEP (Instituto que organiza as provas do ENEM) exatamente isso, isto é, que as provas fossem adiadas. Não podemos deixar esse tipo de fundamentalismo continuar arriscando vidas inocentes. Que sirva de lição: a retomada presencial de atividades educacionais só deve ocorrer depois da vacina chegar a todos!

Não foi por falta de aviso!

Não foi por falta de aviso que ocorreu o fiasco do ENEM. O Ministério Público já havia pedido ao INEP que adiasse as provas para março. Na época o INEP respondeu com um comunicado dizendo que “a realização do exame na data marcada é perfeitamente possível e segura para todos os envolvidos, não havendo riscos de ordem sanitária”. Apesar das garantias do Instituto, no dia de aplicação da primeira fase da prova do ENEM alunos registraram em vídeos aglomerações nas entradas, e mesmo no interior das salas dos locais em que as provas foram realizadas.

Não é como se adiar as provas não fosse uma opção. É difícil entender o que deve ter passado na cabeça da gestão bolsonarista para aplicar uma prova dessa importância em tempos de pandemia. Uma das razões pode ser possível lobby das universidades privadas no Ministério da Educação. Acontece que o ENEM é prova necessária para a aprovação de financiamento e empréstimos públicos em universidades particulares (por exemplo, através do FIES e do PROUNI). Com a prova adiada para data posterior, as faculdades poderiam perder parte de seus recursos. É triste pensar que nossa gestão parece arriscar vidas para garantir os lucros de grupos privados.

Covas e Doria, como sempre, seguem os passos de Bolsonaro

É também bastante preocupante pensar que não se trata de projeto apenas de Bolsonaro. A ideia de adiantar a retomada de atividades presenciais ligadas à educação antes que seja seguro, parece iniciativa almejada pelo prefeito Bruno Covas e pelo Governador João Doria. Ambos já liberaram planos de retomada das aulas, enquanto passamos por uma segunda onda da Covid-19. A decisão é trágica, e deve custar muitas vidas!

É grave, também, pensar que aqueles que acreditam na ciência, e não querem correr riscos desnecessários podem acabar sendo prejudicados. Na aplicação da prova do ENEM, por exemplo, aqueles que não fizeram a prova tiveram que arcar com a taxa de inscrição. Aqui em São Paulo a situação será semelhantes: os jovens, mães, pais e profissionais da educação que prezarem pelas suas saúdes, correrão riscos de ficarem em desvantagem acadêmica frente aos outros jovens, ou mesmo de perder os seus empregos.

Não é razoável arriscar dessa forma a vida de nossas crianças e servidores da educação. A retomada só deve ocorrer quando a vacina chegar para todas e todos!

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Tem que vacinar, povo!

Tem que vacinar, povo!

Saiba porque a vacina é importante, e porque não é hora de politizar a saúde pública!

Apesar dos piores desejos de Bolsonaro, é bem provável que a vacina do coronavírus sairá em algum momento do ano que vem. Quando essa hora chegar, TODO MUNDO terá que se vacinar. Obviamente a ordem em que as pessoas tomam a vacina tenderá a priorizar os grupos de risco (idosos, pessoas com problemas respiratórios, profissionais da saúde etc). Mas o que não pode acontecer é gente achando que pode ficar sem tomar a vacina. Não apenas isso seria contra uma decisão do STF, como também seria um tremendo egoísmo! Pessoas que contraem o vírus, mesmo que assintomáticas, podem transmiti-lo. Não tomar a vacina é arriscar transmiti-la para outras pessoas que ainda não tomaram! Não falta gente querendo politizar a vacina de olho nas eleições de 2022. Mas para além do marketing, é fundamental que os melhores infectologistas do Brasil seriam ouvidos, e que a vacina chegue a TODAS E TODOS! Tem que vacinar, povo!

O Bolsonaro não liga para as vidas dos brasileiros. Falar isso, a essa altura, é apenas constatar o óbvio: o cara incentivou as pessoas a saírem de casa no momento mais crítico da pandemia; não quis usar máscara, mesmo quando em lugares movimentados; atrasou a liberação de testes para a população, deixando eles estragarem enquanto os barganhava por apoio político; e agora está desestimulando as pessoas a tomarem a vacina, que deve sair em algum momento do ano que vem. Chega disso! Vacina é questão de saúde, e saúde pública e comunitária! Uma pessoa vacinada não apenas deixa de ficar doente, como não corre risco de transmitir a doença para outros! Não tomar a vacina não é apenas sobre uma “liberdade individual”. É sobre o direito a vida de todos ao redor! E é assim que o supremo tribunal federal entendeu a questão: dia…/… o supremo decidiu que estados e municípios possuem o poder de obrigar a população a tomar a vacina. Decidiu isso por entender que liberdades individuais não podem implicar risco de vida às pessoas ao redor.

Obviamente, o ideal é que a vacina ocorra da maneira mais tranquila possível. Campanhas pedagógicas e de conscientização devem ter espaço para explicar ao povo a segurança e necessidade de se vacinar. Mas é importante que não haja confusão: vacina é questão de saúde pública e não de liberdade individual.

Também não podemos cair na ladainha de marketeiros. O governador João Doria, por exemplo, gasta tempo e recursos públicos para ficar trocando farpas com o presidente. Já anunciou (para “provocar” o Bozo) vacinação no primeiro mês de 2021. Mas não apresentou nenhuma espécie de plano de vacinação. É lógico que quanto mais cedo sair a vacina, melhor. Mas entre hoje e o último dia de janeiro são apenas 59 dias. Não é realista achar que isso seja tempo o suficiente para fabricar, estocar, distribuir e vacinar a população! Como quase tudo que o Doria faz, trata-se de mero marketing político, de olho em 2022!

Em uma situação assim, quem deveria ser ouvido são os profissionais de saúde, como os infectologistas e bioquímicos. Se ao invés de ficar brincando de gato e rato com o planalto, o Doria ouvisse o que os especialistas têm a dizer, teria garantido à população meios para fazer uma quarentena bem feita, com renda básica, garantia de acesso a internet e tudo o necessário para o povo conseguir ficar em casa. Talvez estivéssemos bem melhor a essa altura. Ao invés disso Doria prefere deixar para um dia depois da eleição a reavaliação da situação da Covid em São Paulo, enquanto tenta lucrar politicamente em cima da vacina! Esse não é o tipo de político que o povo merece!

A triste verdade é que estamos passando por uma segunda onda da Covid. A vacina virá, mas não será tão cedo. Até lá, quem puder, tente ficar em casa. E quando a vacina estiver disponível, será dever de cada cidadão toma-la! Tem que vacinar, povo!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Bolsonaro é Contra Cura da Covid!

Bolsonaro é Contra Cura da Covid!

Entenda como Bolsonaro atrasar a cura da covid 19!

A vacina para o coronavírus pode estar próxima. E isso é uma ótima notícia! A vacina desenvolvida pela China está mostrando resultados promissores na fase de testes! Mas Bolsonaro é contra cura da covid! A estupidez do presidente pode dificultar as coisas! Bolsonaro se recusa a tornar a vacinação contra a covid obrigatória. A aversão do presidente à ciência pode, ainda, custar muitas vidas!

Não é a primeira vez que Bolsonaro menospreza a vacina. Já em agosto, quando os primeiros protótipos da vacina estavam sendo anunciados, Bolsonaro começou com a retórica contra a vacinação. Pode parecer até besteira, mas para parte do eleitorado Bolsonarista, uma afirmação como a “de que ninguém é obrigado a se vacinar” é capaz de ser entendida como conselho contra a vacina. E Bolsonaro sabe disso. Bolsonaro é contra cura da covid! Suas intenções são “cloroquinizar” a vacina, transformar, mais uma vez, questões puramente médicas em questões políticas, dando continuada à sua Guerra Híbrida de notícias falsas!

A retórica assassina de Bolsonaro tem surtido efeito: Pesquisa de 5 de setembro do IBOPE mostra que 25% da população brasileira resiste a tomar a vacina para a covid! Este fato é particularmente preocupante pois uma pessoa que não está vacinada pode transmitir a doenças para outras. Quem toma a vacina, então, está também protegendo as pessoas ao seu redor. Mas se um número muito grande de pessoas não tomarem a vacina, a doença pode continuar existindo em uma população, entre os não vacinados, por períodos indefinidos!

Além disso, é um problema pensar nas crianças, que, geralmente, não podem escolher se tomam ou não tomam a vacina. Esta decisão fica a critério dos pais. Mas quando têm-se pais fanáticos bolsonaristas, é possível que essa “escolha” ponha em risco a vida de crianças inocentes!

A única coisa decente a se fazer em uma situação dessas é tornar a vacina obrigatória! Evidente que deveria-se tomar os devidos cuidados de comunicação e educação à população sobre a importância de se tomar a vacina. Até mesmo para que não sejam repetidos desastres como na Revolta da Vacina. Mas é importante termos a seriedade de garantir que TODOS tomem a vacina, de uma forma ou de outra!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

saúde pública é desviada por grupos privado!

saúde pública é desviada por grupos privado!

Entenda como grupos privados podem ser corruptos!

Saiu até no Fantástico! Empresas terceirizadas desviaram 500 milhões de reais da saúde pública! Na prática a saúde pública é desviada por grupos privado! Em esquema de desvios, grupos privados manipularam as contratações de hospitais para se favorecerem. Em São Paulo coisas parecidas acontecem, porém nem sempre são cobertas pela mídia. Toninho Vespoli é um dos poucos vereadores que fiscalizam esses esquemas. Investigando de pertinho, nem Bruno Covas sai ileso.

O esquema padrão de desvio funciona assim: um grupo de pilantras cria uma OS (Organização Social) para oferecer um serviço essencial à população, digamos saúde. OSs são organizações privadas, em teoria sem fins lucrativos, que “vendem” a prestação de serviços essenciais para o setor público. Então, por exemplo, uma UBS pode ser administrada por uma OS de um grupo privado contratado pelo setor público. Mas o problema é que, muitas vezes, essas OSs desviam o dinheiro do povo. Emitem nota fiscal fria, lavam dinheiro, falsificam prestação de serviços… E tudo isso, quase sempre, com a ajuda de parte dos políticos, que pegam uma comissão!

Em São Paulo também!

Na matéria que deu até no Fantástico, o esquema foi feito no estado do Pará, principalmente na cidade de Agulhos. Foram cerca de 500 milhões de reais desviados! Mas existem esquemas assim acontecendo em São Paulo também! Por exemplo, em caso investigado pelo Vereador Toninho Vespoli, OSs que administram creches parecem se envolver em esquemas no desvio de dinheiro de merendas! Assim como no caso no Pará, o serviço essencial (no caso a educação das creches) é oferecido por OSs (ou seja, grupos privados), no atendimento do público. Só que as creches estavam desviando dinheiro destinado à compra de merendas! Dinheiro para comprar comida para crianças acaba indo para as mãos de OSs corruptas!

Toninho Vespoli denunciou esse caso, e liderou esforços na Câmara Municipal para a criação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) das merendas. A Comissão busca investigar as creches, aparentemente envolvidas no escândalo de corrupção. Não se sabe, por enquanto, até que ponto esse escândalo vai, mas um dado choca de cara: o valor empenhado em OSs e outros grupos privados na educação variou de 1,75 bilhões, para 2,7 bilhões entre 2016 (ano antes de Bruno Covas assumir) e 2019! Ou seja, aumentou em quase 1 bilhão o valor direcionado para OSs desde que Bruno Covas assumiu a prefeitura!

Importante ressaltar que nem todas as OSs são corruptas. Mas em São Paulo, assim como em todo o Brasil, grupos privados em parceira com o governo são porcamente fiscalizados. Inclusive, mais mal fiscalizados do que os grupos da rede direta! Ou seja, é uma área perfeita para a atuação de grupos corruptos. Assim foi no Pará. Provável que assim seja em São Paulo.

Saúde paulistana ameaçada!

Na saúde paulistana, também, grupos privados podem estar desviando dinheiro público. Por exemplo, em compra contestada pelo Vereador Toninho Vespoli, a prefeitura de São Paulo comprou 5,4 mi de máscaras por um valor de compra quase 10 vezes maior do que o valor de mercado! A compra que era para ter custado 2 milhões, saiu por 20 milhões! Por hora, é muito cedo para afirmar qualquer coisa de concreto. Mas o padrão do esquema no Pará pode estar se repetindo: uma empresa privada é contratada para oferecer um produto comprado por acima do razoável, para suprir um serviço essencial. No caso o serviço seria máscaras para médicos durante a pandemia de coronavírus. E tudo isso com a assinatura e aval do Bruno Covas! Ou seja, a saúde pública é desviada por grupos privado!

Muitas OSs são uma tremenda de uma cilada! Os grupos prometem eficiência, mas muitas vezes entregam desvios e corrupção! O povo não merece essa robalheira! E Toninho Vespoli segue na luta contra a corrupção, seja pública ou privada!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

SAÚDE PÚBLICA COMO PRIORIDADE

SAÚDE PÚBLICA COMO PRIORIDADE

Vereador Toninho Vespoli garante R$ 2,7 milhões em investimento para equipamentos de saúde da região

O distrito de Sapopemba registra o maior número de óbitos confirmados ou suspeitos por covid-19 na cidade. Até o dia 4 de agosto, eram 437 mortes pela doença. Sem dúvidas, se não houvesse o trabalho das UBSs e dos hospitais públicos da região, a situação poderia ser bem pior. 

Do ano passado pra cá, o vereador Toninho Vespoli apresentou dezenas de emendas parlamentares, totalizando R$ 2,7 milhões, para compra de equipamentos, reformas e ampliações de unidades básicas de saúde e hospitais das periferias da zona leste. 

Destacamos:  R$ 180 mil para compra de equipamentos para o Complexo Sapopemba; R$ 100 mil para a construção de farmácia para a UBS Teotônio Vilela;  R$ 60 mil para compra de equipamentos e R$ 200 mil para construção de anexo da UBS Hélio Moreira Sales – Jardim Eucaliptos; R$ 500 mil para reforma da Casa de Parto e da UBS Reunidas I; R$ 200 mil para compra de equipamentos da UBS Reunidas I;  R$ 595 mil para adequação da UBS Pastoral; R$ 100 mil para equipamentos para a sala de odontologia da UBS Jardim Sinhá; R$ 100 mil para compra de equipamentos para a UBS São Mateus; R$ 130 mil para reforma da UBS Reunidas II; R$ 150 mil para reforma da UBS Juta 1;  R$ 100 mil para UBS Iaçapé; R$ 200 mil para reforma e compra de equipamentos para a UBS Vila Heloísa. 

Mas afinal, o que são essas emendas?

O orçamento municipal estabelece onde será gasto o dinheiro público e, todos os anos, os vereadores podem sugerir à Prefeitura que use esses valores para projetos específicos de melhorias em diversas regiões da cidade. Essas emendas apresentadas pelo professor Toninho Vespoli foram aprovadas e algumas já estão sendo feitas pela Secretaria Municipal de Saúde.

Juliana Ghizzi

Juliana Ghizzi

Juliana Ghizzi é Jornalista pela PUC-SP. Atualmente, trabalha como assessora de comunicação do Mandato Popular do Vereador Toninho Vespoli

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

As mentiras de Bolsonaro na ONU!

As mentiras de Bolsonaro na ONU!

Entenda porque Bolsonaro é MENTIROSO e ecocida

Hoje, dia 22 de setembro, começou mais uma Assembleia Geral da ONU. Como é tradição no evento, o presidente do Brasil fez o discurso de abertura. O que em outras presidências se mostrou um grande trunfo para o Brasil poder influenciar o mundo com suas perspectivas sobre diversos problemas, este ano foi, infelizmente, um desastre anunciado! 

O discurso de Bolsonaro fez, mais uma vez, o Brasil virar motivo de chacota. Além das já habituais manias de perseguição contra as “instituições internacionais […] que se unem a associações brasileiras, aproveitadoras e impatrióticas, com o objetivo de prejudicar o governo e o próprio Brasil” (sic.), Bolsonaro não economizou mentiras e falácias em seu discurso de abertura. Confira aqui as mentiras de Bolsonaro na ONU!

“Por decisão judicial, todas as medidas de isolamento e restrições de liberdade foram delegadas a cada um dos 27 governadores das unidades da Federação. Ao Presidente, coube o envio de recursos e meios a todo o País.”

 

MENTIRA! Bolsonaro já começa o discurso mentindo sobre a pandemia de Covid! Este Blog possui textos de sobra falando sobre os absurdos do governo Bolsonaro em lidar com a pandemia. Mas aqui vale comentar sobre a decisão da justiça contrária ao ego de Bolsonaro. Na verdade o que o STF decidiu (a contragosto do Bozo) é que os governadores teriam autonomia para declarar lockdown e regras de isolamento. A decisão se deu em um momento em que Bolsonaro tentava vetar decisão de governadores que criavam normas de isolamento social em alguns estados. Mas em momento algum foi dito pelo Supremo que estaria tudo nas mãos dos governadores. Pelo contrário: afirmou que o dever de combater a pandemia deveria ser compartilhado e coordenado entre todas as esferas de poder e gestão brasileiras!

“Somos líderes em conservação de florestas tropicais.”

MENTIRA! Na verdade, segundo estudo feito em 2019 pela Universidade de Maryland o Brasil foi o país que mais perdeu área de florestas! foram 1,3 milhão de hectares de floresta perdidos! O equivalente a 1,8 milhões de campos de futebol! Afirmar que o Brasil é líder de conservação ambiental é uma tremenda cara de pau! Principalmente vindo da boca do Bolsonaro. O presidente retirou verbas do IBAMA e do ICMBio, principais órgãos de fiscalização de desmatamento na Amazônia! Mais que isso, loteou esses órgãos com militares, rompeu acordos e parcerias com lideranças indígenas para o combate a desmatamento e flexibilizou as normas de licenciamento ambiental!

“Nossa floresta é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente, nos mesmos lugares.”

MENTIRA! De fato, a Floresta Amazônica é super úmida. Mas isso não significa que ela não esteja sendo destruída. Os principais destruidores da Floresta Amazônica são ruralistas querendo expandir suas áreas de plantio. Para tacar fogo na floresta o que eles fazem é primeiro arrancar as árvores (com motosserras, tratores etc), depois deixar as árvores secarem ao sol, para enfim tacar fogo em tudo! Ou seja são crimes premeditados, que faz com que o caminho de destruição invada cada vez mais a Floresta Amazônica!

“O caboclo e o índio queimam seus roçados [as florestas] em busca de sua sobrevivência.” (sic.)

ABSURDO! Não têm limites as mentiras de Bolsonaro na ONU! Não é a primeira vez que Bolsonaro tenta responsabilizar os povos nativos pelos incêndios na Amazônia! Esse tipo de mentira ultrapassa os limites da razão. Não apenas os povos nativos não desmatam os biomas brasileiros, como são seus principais protetores! Cerca de 30% das florestas brasileiras são protegidas por povos nativos! A proteção que eles oferecem é barata para a federação, e garante que ruralistas e desmatadores avancem seus rastros de destruição! Ao invés de tentar jogar a culpa neles, uma gestão minimamente decente iria trabalhar junto aos indígenas para proteger cada vez mais áreas de florestas. Mas Bolsonaro já deu o tom de sua gestão poucos meses depois de assumir. Disse em agosto de 2019 que “Enquanto eu for presidente, não tem demarcação de terra indígena”. Tremenda ignorância de um presidente inimigo da conservação ambiental!

“Os focos criminosos são combatidos com rigor e determinação. Mantenho minha política de tolerância zero com o crime ambiental.”

MENTIRA! Desde que foi eleito, Bolsonaro diminuiu o número de autuações ambientais em 34% (menor número em 24 anos)! Ex-funcionários do Ministério do Meio Ambiente, demitidos pelo ministro Ricardo Salles, afirmam que o tom nos órgãos de fiscalização ambiental é de medo constante. Os funcionários são impedidos de fazer os seus trabalhos com medo de serem demitidos! E como se o descaso de Bolsonaro com o meio ambiente não fosse óbvio o bastante, em vídeo vazado de reunião ministerial, o Ricardo Salles admitiu em um show de horrores querer aproveitar a pandemia de Covid-19 para “ir passando a boiada” na Floresta Amazônica! Só dá para falar de “rigor e determinação” do Governo Bolsonaro nos esforços para destruir a Amazônia!

“Juntamente com o Congresso Nacional, buscamos a regularização fundiária, visando identificar os autores desses crimes.”

MENTIRA! Bolsonaro provavelmente se refere a uma medida provisória de sua autoria que regularizou a situação fundiária de latifúndios. Mas o efeito da Medida foi exatamente o oposto ao comentado por Bolsonaro: a medida aumentou o tamanho de propriedades que poderiam ser regularizadas sem vistoria prévia por órgãos governamentais. Ou seja, acabou com a necessidade de muitas propriedades comprovarem que estão seguindo as normas ambientais! Se qualquer coisa essa Medida FACILITOU que ruralistas criminosos desmatassem florestas impunimente! Percebe o absurdo que são as mentiras de Bolsonaro na ONU!

“As grandes queimadas [no Pantanal] são consequências inevitáveis da alta temperatura local, somada ao acúmulo de massa orgânica em decomposição.”

MENTIRA! A principal hipótese da origem dos incêndios no Pantanal é que eles tenham sido causados por ruralistas criminosos donos de latifúndios no Pantanal, como explicado pelo pré-candidato a prefeitura de São Paulo pelo PSOL Guilherme Boulos em suas redes sociais. Na verdade o que temos é o maior número de focos de incêndios no Pantanal na história do Brasil, sendo praticados, provavelmente, por ruralistas com um tácito aval do Governo Federal, demonstrado por sua inação e incompetência em cuidar dos biomas brasileiros!

“E, no primeiro semestre de 2020, apesar da pandemia, verificamos um aumento do ingresso de investimentos, em comparação com o mesmo período do ano passado. Isso comprova a confiança do mundo em nosso governo.”

MENTIRA! Além de mentir sobre o meio ambiente, Bolsonaro aproveita para também mentir sobre a economia! Na verdade os investimentos no Brasil DIMINUÍRAM 7,3% se comparados ao mesmo período do ano anterior.

Pois é, como podem ver foram muitas as mentiras de Bolsonaro na ONU! E isso foram apenas algumas das mais gritantes! Bolsonaro mentiu, e mentiu muito! Dele não dá pra cofiar em uma só palavra! Fora Bolsonaro!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho