Covas desviará seu dinheiro para escolas privadas

 

 

Covas desviará seu dinheiro para escolas privadas.

Equipe redação

Por Vivian Alves Nunes

Covas desviará seu dinheiro para escolas privadas. Para isso enviou projeto de lei sobre vouchers na Educação Municipal de São Paulo. Tal projeto é absurdo na medida em que favorece o sucateamento e privatização da Educação. Quantas escolas foram construídas nos últimos anos? O que a Prefeitura tem feito para resolver os problemas de vagas nos CEIs além de injetar dinheiro público em Instituições que lucram com o atendimento das nossas crianças?

Por décadas, tanto na prefeitura quanto no governo estadual, políticas de privatização têm gerado estragos na Educação e estudantes são lesados no acesso à escolaridade em virtude de cortes orçamentários. Nos últimos 20 anos, quase toda Reforma na Educação foi pensada na questão de pagamento por mérito, aumento de avaliações externas, descentralização, vouchers e etc, mas quase nenhuma reforma educacional indicou mais investimentos.

terceirizar é sucatear o Ensino!

A Educação Infantil é um direito da criança e um dever do Estado garantir a partir de políticas públicas. O Currículo da Cidade aponta que a escola é um espaço social da esfera pública.Como garantir em espaços filantrópicos (que podem ser confessionais) a garantia do laico, por exemplo? Serviço ou direito?

Defender que escola privada é melhor que escola pública é uma falácia. Pesquisas apontaram que fazendo o recorte de condições de análise, os resultados de estudantes de escolas públicas e privadas se equiparam. No caso específico da Rede Municipal, os professores de Educação Infantil possuem jornada de 6 horas de trabalho e formação continuada diária, além de reuniões, jornadas pedagógicas e formação em horário de trabalho, é importante que esse avanço se estenda e que não se perda em outras redes.

No formato de voucher, a Educação deixa de ser um problema de Estado e passa a ser uma questão individual, o mercado passa a organizar muito intrinsecamente essa estrutura social que só fortalece a exclusão. Por essas razões, não deu certo nos Estados Unidos, não deu certo na Colômbia e não deu certo no Chile. É o modelo que se quer para o Brasil e para São Paulo?

O objetivo é acabar com o Estado de Direito!

Com o voucher, direito social passa a ser mercadoria. O espaço estatal passa a ficar reduzido a apenas setores que localizados em áreas em que ofertar creches seja mais lucrativo. Isto é, áreas menos povoadas, e áreas em que as crianças requeiram atenção especial (o que é bastante comum em áreas violentas) serão negligenciadas. O dinheiro público passaria a ser direcionado, basicamente, para algumas poucas empresas de ensino. Ou seja, se a proposta for aprovada, Covas desviará seu dinheiro para escolas privadas

A Educação pública é fruto de luta histórica. Ela pertence a todos. É financiada com o dinheiro de todos. O Estado, como representante do povo não pode simplesmente delegar um direito social à instituições!

É preciso melhorar as escolas públicas e não privatizá-las. Não existe solução sem custo para os problemas educacionais. É preciso investir na redução de alunos por sala de aula, recursos didáticos, melhorar a infraestrutura das salas de aula, e garantir melhores salários aos profissionais da Educação. Para isso, a vontade política precisa existir e a prática caminhar para alcançar esse objetivo. Propor, e pior aprovar esse tipo de proposta é uma afronta a um direito básico e que deve ser ofertado pelo município!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça parte da nossa rede