Doria quer desmontar o Estado!

Equipe redação

Por Vivian Alves Nunes

Doria quer desmontar o Estado! O grande calcanhar de Aquiles do gestor Doria na Educação são os professores efetivos.  É urgente a organização dos movimentos de luta e resistência contra um sucateamento de décadas que o PSDB executa no Estado  e na Prefeitura de São Paulo. Um dos entraves para a categoria são os professores que possuem jornadas menores e são efetivos.

Então o governo decidiu fazer uma reestruturação na carreira docente.  Já vimos uma proposta absurda antes: oferecia pontuação maior para professores com jornada J40 ao invés do tempo trabalhado, como sempre foi. Isso prejudicaria diretamente todos os professores com outras composições de jornada e os que acumulam cargos com outras redes.

Não conseguiram emplacar!

Agora oferecem um tal plano de carreira em que as “evoluções funcionais” são a partir de provas e pagos por subsídios. De acordo com o SINDILEX, são desvantagens do subsídio

1- A absorção de vantagens pessoais, tais como quinquênios, sexta-parte e gratificação de função, e as advindas de decisões judiciais. Neste caso, os servidores que acumularam tais vantagens terão seus salários congelados até que a parcela complementar seja completamente absorvida.

2. A impossibilidade de implantação de adicionais de localidade inóspita, de periculosidade, insalubridade, de risco, ou qualquer outra remuneração na forma de adicional.

3. As carreiras que recebem por subsídios, em geral, possuem limitações de quantidade de vagas em cada faixa salarial, condicionando a promoção à existência de vaga, o que certamente emperrará as progressões, pois para atingir o teto da carreira o servidor terá que esperar a aposentadoria de outro, e assim sucessivamente”.

Muitos professores fazem:

carga menor, como 24 aulas, 20 aulas semanais, e não terão aumento. Até mesmo aqueles que têm jornada
completa se não aderirem essa nova carreira (40 aulas semanais) não receberão nada de aumento. Será que a reestruturação será no formato de escola em tempo integral (PEI) em que designados ou em caso de falta (inclusive greve) perdem a designação? E os aposentados? Em se tratando dessa gestão sabemos que é mais fácil um golpe contra a estabilidade e os professores. É assim que Doria quer desmontar o Estado! Nosso Mandato vai lutar e resistir assim como fizemos contra o Sampaprev na Câmara Municipal em 2018.

De luta contra a Reforma da Previdência o PROFESSOR vereador Toninho Vespoli entende!

No ano de 2018, junto aos servidores da Rede Municipal e em plenário conseguimos barrar parcialmente a SAMPAPREV, que previa o aumento da alíquota de contribuição dos funcionários municipais para 19%. A Câmara Municipal de São Paulo foi palco de episódios dignos de vergonha, com o governo ordenando forças ostensivas para atacarem profissionais da Educação (em sua maioria mulheres) com bombas e tonfas. Mas a cada ato de truculência a categoria ficava mais unida e fortalecia a gente que trabalhava lá dentro com estratégias de obstrução e de convencimento a outros vereadores a não votarem a favor desse confisco absurdo da base de sustentação.  Após muita luta conseguimos suspender as discussões. O projeto voltou à pauta em dezembro, como estratégia do governo que encontraria a categoria cansada, fragilizada, após um ano letivo e seus desgastes naturais somados aos muitos sábados de reposição.

Após muitas manobras, conseguiram passar a Reforma no Município parcialmente, não como o governo queria. Além disso, com o então prefeito da cidade João Doria desgastado e desmoralizado. Não é à toa que o atual governador perdeu as eleições na região do Município de São Paulo. Agora é a vez de atacar os servidores estaduais importando a Reforma Nacional da Previdência para São Paulo, que após mais de 20 anos de gestão PSDB está com a Educação sucateada. Não foi fácil no município e não será fácil no Estado! Sou professor (inclusive fui categoria O) e estou como vereador, cada ação dessas, calculada por quem conhece a rede por dentro, é estratégia de derrubar direitos dos trabalhadores e enfraquecer a oposição que defende a Educação Pública. Nosso mandato estará mobilizado para ajudar os servidores estaduais nessa luta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça parte da nossa rede

[mc4wp_form id="65"]