E essa recuperação, hein?

Entenda porque Bruno Covas deveria rever suas prioridades na educação pública!

Como num quebra-cabeças, a virada da folha do calendário de certos setores da sociedade trouxe junto aos votos de um ano novo melhor e mais próspero um proposital cinismo acompanhado de perda de memória.

Desde 2019 temos denunciado o número insuficiente de trabalhadores nas equipes de limpeza dos CEUs e demais unidades escolares da nossa rede. Resolveram? Não! Os equipamentos continuam com equipe reduzida, mas parece que isso não é mais um problema.

Passamos praticamente 170 dias letivos em aulas remotas sob as mesmas condições e contexto atual de alto número de contágio e mortes (mas agora insistem no presencial como única forma de recuperação paralela), parecem tão anestesiados e esperançosos pelo ano que se inicia que esqueceram inclusive que professores e estudantes não estão sequer na lista de prioridades na vacinação que se anuncia.

Vidas inocentes valem essa pressa?

Mas é pelo pedagógico! A criança precisa do vínculo! Claro que sim. Não há o que substitua a relação e as trocas que se dão na escola. Mas que escola? Polos com professores que não conhecem os estudantes, crianças sem relação entre si, nem com o espaço, nem com os adultos, em baixíssima adesão. Esse ganho pedagógico é maior do que o risco empregado a todos que estão envolvidos nesse plano de recuperação no mês de janeiro?

Qual a pressa em se dizer que está tudo bem e que a rotina precisa voltar? As escolas ficaram maiores e mais arejadas? Os corredores dos prédios antigos agora estão ventilados? Os itens de higiene estão em quantidade suficientes?

O discurso era pela vida, porém, sem absolutamente nenhuma mudança real, passa a ser pela imediata aula presencial, inclusive com a tal recuperação que está sendo oferecida nos CEUs. Coincidentemente subiu o tom do discurso de escolas particulares e políticos bem NOVOS bancados por grupos privatistas.

A aula nunca parou!

A aula nunca parou. E sabe por quê? Porque os professores pagaram internet do próprio bolso, compraram equipamentos tecnológicos com mais memória, mais recursos; disponibilizaram os números pessoais e se dispuseram a atender famílias independente do dia ou horário de trabalho; de uma hora pra outra aprenderam a manusear parafernálias com as quais não estavam habituados. Tudo para manter o vínculo e a aprendizagem daqueles alunos que também precisaram dispor de recursos próprios por não terem sido adequadamente assistidos pelo poder público.

Além dos professores, o quadro de apoio e a equipe gestora estiveram na linha de frente desde março, atendendo a todos os “cumpra-se” que ficavam sabendo pela mídia, afinal, diálogo com a categoria que estava na linha de frente durante o ano de 2020 não existiu.

Fizemos inúmeras tentativas de diálogo com a Secretaria, apresentamos projeto de lei pela entrega de chips aos trabalhadores e estudantes, brigamos por alimentação para todos, fizemos manifestação, denunciamos no Comitê Emergencial, Comissão de Educação, Ministério Público, Tribunal de Contas e tudo mais que pudemos, mas a voz que parece soar mais alto em mais um ano, é a voz de conglomerados financistas, a voz da irresponsabilidade e a voz do faz-de-conta.

Utilizar a rede pública como teste para atender à pressão de reabertura das escolas (em especial particulares) sem vacinação dos agentes envolvidos no processo educacional é mais que irresponsável, é sujo e tem caráter desumano!

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Vivian Alves Nunes

Vivian Alves Nunes

Vivian Alves é diretora de escola na Rede Municipal de Educação, historiadora, pedagoga e ativista. Atualmente faz parte da caravana da educação do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho