Entenda porque o preço do combustível aumenta

Entenda porque o preço do combustível varia

Entenda 5 motivos porque o preço do combustível aumenta

Agora, durante o que pode ser o auge da segunda onda do coronavírus, o preço da gasolina e diesel nos postos volta a aumentar. Este aumento já causou mobilizações e protestos no passado, por exemplo a paralisação dos caminhoneiros. Na realidade, a estrutura de preços da Petrobrás, atualmente praticada, traz uma situação de preço variável e pouco controlável. Entenda porque o preço do combustível só aumenta:

1) Apesar do Brasil ser autossuficiente em petróleo, parte considerável do nosso combustível é importada

O Brasil possui petróleo o suficiente para, em teoria, suprir todas as necessidades de sua população. Apesar disso, o Brasil escolhe não refinar todo o seu petróleo, e importar os subprodutos do refinamento por preços maiores. O Brasil poderia construir mais refinarias e diminuir a necessidade de comprar combustíveis mais caros do exterior. Isto poderia contribuir para uma diminuição dos preços nas bombas.

2) O preço do petróleo brasileiro varia de acordo com os preços internacionais

O Brasil escolheu vincular o preço do petróleo nacional a flutuações do câmbio estrangeiro. Isso significa que se por razões, pouco relacionadas com a política nacional (crises em outros países, guerras, decisões dos carteis do petróleo etc) o preço do petróleo comercializado mudar, a mudança ocorre também no preço do petróleo dentro do Brasil. Esta vinculação, em essência, prioriza mais a exportação do petróleo do que o seu uso para consumo interno.

3) Não temos infraestrutura de distribuição eficiente

Combustíveis, por serem em regra líquidos ou gasosos, podem ser distribuídos a preços baixos através de óleodutos e gasodutos. São basicamente sistemas de canulação parecido com os que distribuem água nas casas, mas usados para transportar combustíveis. O Brasil, no entanto, não investe nesta infraestrutura, utilizando, ao invés, estradas e caminhões. O transporte em estradas é mais caro, pois além de necessitar da contratação de mão de obra e equipamento, gasta combustível no próprio transporte.

4) Os tributos, de fato, são altos. Principalmente os estaduais

Existem impostos sobre combustíveis em todas as esferas de governo (federal, estadual e municipal). Mas a maior alíquota é a estadual. Segundo a Petrobrás o ICMS (imposto de natureza estadual) corresponde a cerca de 29% do preço final da gasolina, e 15% do preço final do óleo diesel.

5) A Petrobrás não controla os preços sozinha.

É importante compreender que, apesar das decisões da empresa Petrobrás impactarem diretamente os preços dos combustíveis, ela não é responsável exclusiva pelas variações. impostos (federais e locais), além de políticas de preços entre postos também contribuem para variações de preço. Por fim, a Petrobrás é uma empresa de capital aberto na qual investidores, inclusive internacionais, possuem grande poder de decisão. Do ponto de vista dos investidores, é mais interessante um modelo de extração voltado mais para a exportação do que para o uso interno, pois os lucros acabam sendo maiores.

Esperamos que com estas informações quem leia entenda porque o preço do combustível varia tanto no Brasil.

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho