Por uma prática política aberta

Fazer política com P maiúsculo pra mim é uma obrigação. Ocupar os espaços de poder e ali poder aplicar Paulo Freire na prática, com um processo político horizontal, aberto e transparente.

No meu gabinete, por exemplo, busco, desde o meu primeiro mandato, por em prática decisões coletivas. Votações, projetos e visitas nenhuma dessas questões são decididas apenas por mim, mas pelo grupo de minha assessoria e, muitas vezes, ouvindo coletivos, movimentos sociais e os grupos organizados que tem envolvimento com o assunto em questão.

Quem chegar ao meu gabinete, mesmo que eu não esteja, será prontamente atendido e recebido. O termo “gabinete aberto” é lei no terceiro andar da Câmara Municipal, salas 304 e 305. Recusei os privilégios que são concedidos aos vereadores, como carro e motorista, bem como votei contra o aumento de salário dos vereadores.

Uma oposição responsável

Desde o início da gestão Doria/Covas o fetiche liberal-privatista veio com força total. Nos Projetos de Lei que visavam vender o patrimônio da cidade, fui intransigente em minhas posições e convicções, votei não. Quando era líder da bancada, instrui voto não e obstrui a votação.

Doria/Covas pensam uma cidade para a elite, onde o gestor público – prefeito – só tem a função de repassar o dinheiro dos impostos para a iniciativa privada e esta administra os equipamentos e bens públicos. Defendo que é papel do Estado tornar a cidade um espaço para todos, equilibrar a balança da latente desigualdade criada pelo capital e pelos poderosos.

Nesse sentido, os projetos do executivo que buscavam atender aos trabalhadores do setor público, ou ter ações para diminuir as desigualdades sociais, votei favoravelmente, mesmo com o governo fazendo o debate de forma açodada e atropelada.

Dos mais de 60 projetos apresentados pelo executivo – já tramitados, sem contar com os retirados ou que ainda estão em tramitação –, votei contrário a 22 e favorável a 10.

Voto não:

PL 239/2017; LDO para 2018

PL 240/2017; Cria o Conselho Municipal de Desestatização e parcerias e o fundo municipal de desenvolvimento

PL 367/2017; Disciplina as concessões e permissões de serviços, obras e bens públicos que serão realizadas no âmbito do plano municipal de desestatização

PL 11/2018; Projeto de Intervenção Urbana para a Zona de Ocupação Especial do Anhembi,

PL 324/2019; Privatização de terminais de ônibus e do serviço funerário do município

Voto sim:

PL 513/2019; Fixa novos alinhamentos, nas Subprefeituras de Casa Verde/Cachoeirinha e Mooca

PL 171/2019; Regularização fundiária

PL 490/2018; Doação de área ao amparo maternal

PL 854/2017; Programa de parcelamento de multas de trânsito

PL 334/2017; Pagamento de indenização em caso de morte ou de incapacidade permanente para o trabalho total ou parcial, de integrante da guarda civil metropolitana

Faça parte da nossa rede

[mc4wp_form id="65"]