MBL inimigo da democracia

Os grandes defensores da “liberdade de expressão” buscam ganho político censurando manifestações de artistas.

Tem jeito de bolsonarista, anda como bolsonarista, fala como bolsonarista, faz política como bolsonarista, mas jura de pé junto que desembarcou do bolsonarismo. Quem aí acredita?

Acho que ninguém, né?!

É assim que os membros do MBL e seus satélites se comportam. O Movimento Boquinha Livre adora bancar de defensor da liberdade de expressão e do direito de as pessoas defenderem o que quiserem, mas são os mesmos que agora começam a atentar contra a liberdade de expressão de artistas.

O ex-MBL, Fernando Holiday, resolveu perseguir a cantora Ludmilla por ela ter feito um L em seu show da virada cultural. Fernando está meio alucinado com essa questão eleitoral e esqueceu que LUDMILLA, também começa com L, assim como LULA, mas isso são as coincidências da vida.

Outro que resolveu cavar mídia, é o vereador Rubinho Nunes, na sua sanha de “vamos processar tudo”, entrou com uma denuncia no Ministério Público Eleitoral por conta de um show que a cantora Juliette fez em Pernambuco, onde a plateia cantava “olê olê olá, Lula Lula” e a artista pediu para que o público cantasse mais alto, pois ela não estava escutando.

A turma do MBL é assim, querem parecer jovens e descolados, desligados do bolsonarismo antidemocrático, mas agem da mesma forma. Uma turba de canalhas que querem mídia para aparecer.

Em ano eleitoral o vale tudo está a todo vapor. Fernando Holiday, por exemplo, fica bancando a vítima nas redes sociais dizendo que foi expulso na UNICAMP. De fato, o vereador foi hostilizado na universidade, mas quem aceitaria alguém entrar na sua casa para falar mal de sua família?

Além disso, Holiday sempre plantou e semeou esse tipo de comportamento, junto com sua trupe de lunáticos. Sempre agiu de forma agressiva e violenta com opiniões contrárias. É só assistir os seus discursos na Câmara e seu comportamento em audiências públicas ou em entrevistas com pessoas da esquerda.

Holiday colhe o que planta.

O ano eleitoral vai passar, mas essa prática bolsonarista do MBL e de seus ex-apoiadores permanecerá, pois é o caminho que eles descobriram para permanecer na mídia.

Cabe aos eleitores, diante desses comportamentos, decidir se esse tipo de gente merece, de fato, ser alçado a mais um cargo público. No fundo, no fundo, no fundo, fazem isso para aparecer e ganhar votos. Canalhas!

Edcarlos Bispo

Edcarlos Bispo

Edcarlos Bispo é ativista, jornalista e assessor do mandato do Vereador Toninho Vespoli.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para além de combater a Covid, vamos combater o neoliberalismo

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho