Abaixo-assinado: Zona Leste precisa de hospital de campanha

Não há vagas de UTI em quatro hospitais municipais da região

Não é no centro da capital paulista que mais morrem pela covid-19, mas nas franjas da cidade. De acordo com a Secretaria da Saúde Municipal, até o dia 17/04, quarenta por cento das vítimas moravam na zona leste de São Paulo, num total de quase dois mil óbitos suspeitos e confirmados da doença. O cenário se agrava com lotação dos leitos de UTI dos hospitais municipais da região.  O ranking da morte é liderado pelo distrito de Brasilândia, localizado na zona norte, com 54 óbitos. Sucedem-se bairros da região leste, Sapopemba, com 51 óbitos, São Mateus  e Cidade Tiradentes, com 41 e 37 óbitos, respectivamente.  (Veja o mapa abaixo).  Além disso, quatro hospitais da região leste estão sem vagas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) para casos graves. Os casos de coronavírus atingem os hospitais municipais Tide Setúbal, Cidade Tiradentes, Ermelino Matarazzo e Doutor Inácio Proença de Gouveia. 
Mapa dos óbitos por coronavírus em São Paulo por região, na semana de 09 a 16 de abril. Fonte: Secretaria da Saúde

Vidas não podem estar em jogo! 

Na data de ontem (21/04), uma imagem chocou as redes sociais. A prefeitura de Manaus fez valas comuns no maior cemitério da cidade para enterrar corpos de vítimas de covid-19. O estado do Amazonas passa por um colapso no sistema de saúde e de uma explosão no número de enterros. Já no Rio de Janeiro, as vagas criadas pela rede municipal de saúde para atender pacientes com a doença estão esgotadas. No estado de São Paulo, a taxa média de ocupação dos leitos de UTI é de 60%. Na região metropolitana, o índice sobe para 80%. Na capital está em 73%.

Hospital de campanha na zona leste, já!

No fim de março, a Prefeitura abriu dois hospitais de campanha, Anhembi e Pacaembu, para atender pacientes infectados pelo novo coronavírus em situação de baixa ou média complexidade. No dia 21/4, ambos registraram 240 dos leitos ocupados. Os comunicados oficiais não informam se estamos no pico das infecções da doença, mas a atenção pública deve ser voltada às periferias imediatamente, especialmente, na zona leste. Um doente internado no Hospital Sapopemba terá que percorrer quase 25 km para ser transferido até o Hospital de Campanha Anhembi, na zona norte, ou 30 km até o Hospital de Campanha Pacaembu, na zona oeste da cidade.
Covas abertas no Cemitério Parque de Manaus, na terça-feira (21), no bairro Tarumã, zona oeste de Manaus – Sandro Pereira/Fotoarena/Agência O Globo

Qual é a saída?

Se o sistema público paulistano de saúde entrar em colapso, um cenário apocalíptico irá recair sobre a periferia. Por esses motivos, nós queremos que a Prefeitura crie um hospital de campanha localizado na zona leste de São Paulo, região mais populosa da capital paulista e onde concentra o maior número de mortes pela covid-19.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para além de combater a Covid, vamos combater o neoliberalismo

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho