por uma cultura periférica

Saiba por que a cultura em São Paulo só tem servido aos ricos

Pré-pandemia, São Paulo figurava entre as 6 cidades com maior atividade cultural do planeta e grande parte gratuita e de baixo custo. Mas mesmo diante de um número tão grande de atividades, jamais isto significou a cultura estava sendo acessível para população de forma igual! Grande parte da produção cultural ficava concentrada no quadrilátero central da cidade, com poucas inserções para acesso de mais de 65% da população que vive na periferia ou entornos. Devemos lutar por uma cultura periférica.

Nesta outra realidade das regiões periféricas da cidade de SP, encontramos  pouquíssimos equipamentos culturais em relação à sua população local. Cada equipamento é ainda pouco valorizado, utilizado e mesmo conhecido pela própria comunidade. Ou seja, a prefeitura não investe em cultura para os mais pobres, e ainda não cuida dos poucos equipamentos culturais que já existem!

Essa tendência não é exclusiva dessa prefeitura. Há décadas que os prefeitos priorizam a cultura só no centro da cidade. Por trás disso está, também, uma supervalorização da cultura nos moldes “europeus”, e uma desvalorização de outras vertentes culturais ligadas, por exemplo, às raízes afro-brasileiras. Não faltam recursos para teatros e exposições nos moldes europeus, verdadeiras reproduções de uma cultura elitista. Já apresentações de RAP, Slams e Saraus são completamente negligenciadas.

por uma cultura periférica e para todos!

O povo, sem lazer, se vê obrigado a construir a cultura com suas próprias mãos! Saem à noite em festas e bailes funks onde conseguem ressonância para seus próprios estilos, suas próprias artes independentes e irreverentes! A resposta dos governos, muitas vezes, é a repressão, como no massacre do baile funk em Paraisópolis!

Apesar do descaso do Estado a periferia teima em se reiventar. Há bastante cultura: são saraus, slams, bailes funks e tantas outras expressões culturais periféricas. Uma prefeitura decente deveria, ao invés de reprimir essas iniciativas, fomenta-las! De maneira coletiva, com pé no barro a fim de fomentar aquilo que o povo já construiu. É essa a proposta do pré-candidato a prefeito, Guilherme Boulos. Junto com o Vereador Toninho Vespoli, ele irá transformar a cultura em nossa cidade!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho