Regina Duarte Reginou

A Regina parece ter mais medo de fantasmas do que de um presidente fascista

Já ouviram falar que alguém “reginou”? O termo se refere à própria secretária da cultura, Regina Duarte. A ex-atriz ficou famosa ao fazer declarações defendendo líderes de extrema direita, dizendo ter medo do bicho papão do socialismo. Mais recentemente ela manchou completamente o seu legado de atriz ao virar secretária da cultura do presidente Bolsonaro. Durante a sua gestão tem tentado passar pano para os absurdos da ditadura militar, enquanto defende os desmandos da gestão Bolsonaro. Não surpreende tanto: a Regina Duarte Reginou.

Ontem mesmo, em entrevista a importante telejornal a Regina quis relativizar a ditadura dizendo que não “carrega um cemitério nas costas” (sic.). Além disso a Regina, ainda cantou música em homenagem ao regime de exceção. Infelizmente a postura lembra demais as ações de Bolsonaro em reação às buscas de mortos na ditadura. Em 2009 o então deputado federal pendurou na sua porta um cartaz maldoso com a frase “quem corre atrás de ossos é cachorro”. Tanto o presidente quanto a secretária parecem acreditar na impunidade.

Fingem não entender que se práticas absurdas não forem recordadas e punidas, outros se sentirão no direito de repeti-las. Talvez porque, na realidade, eles gostariam de estar vivendo em uma ditadura, e prefeririam que o caminho até uma fosse tido como impune.

Legado manchado

Não deixa de ser triste. A atriz teve um dos papéis principais na novela Roque Santeiro. O plot de uma das maiores tramas da TV nacional é justamente sobre um documentarista que visita uma pequena cidade, a fim de fazer um filme sobre a história do local. Regina Duarte, de certa forma a vilã da novela, é autoritária e censura o documentarista, a fim de sair, junto ao seu finado marido, bem na fita. A novela, escrita para ser lançada na década de 70, foi censurada pela ditadura militar, sendo gravava logo após a redemocratização. O grande Dias Gomes, autor da novela, era mestre de uma sutil ironia. Talvez a Regina não tenha entendido o autor, e levou das telas as práticas de sua personagem: quem brincava de princesa, acostumou na fantasia.

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho