Bruno Covas

Covas e Doria querem acabar com SP!

Covas e Doria querem acabar com SP!

Entenda porque Covas e Doria são as piores coisas que já aconteceram para São Paulo!

Doria e Covas são os piores líderes do executivo que São Paulo já teve! Os dois vieram com a onda “hipster” de sair privatizando tudo. Em termos de saúde e educação foram desastrosos, e sempre contra os mais pobres. Não cumpriram promessas de campanha, não fizeram hospitais como prometido, tentaram dar ração humana para o povo de rua, apagaram grafites, estão aliados a corruptos e gente que bate em mulher, se metem com quem está desviando dinheiro de merendas e creches, e agora parecem quererem fingir que São Paulo é São Francisco para enganar o povo na hora dos votos! Covas e Doria querem acabar com SP! O vereador Toninho Vespoli 50650 está desde que eles chegaram na prefeitura denunciando os abusos, e lutando por uma cidade mais democrática, popular e a serviço do povo!

Doria foi eleito com o discurso de ser um “bom gestor”. O filhinho de papai criado em Paris, foi gestor meia boca de revista para ricos, a “Revista Caviar” (não é piada!). Além disso foi lobista em São Paulo. Ou seja, organizava eventos em que chamava banqueiros e bilionários para se encontrarem com políticos de direita! quando virou prefeito, legislou para os mega ricos! Foi logo vendendo equipamento público para amigos do setor privado. O vereador Toninho Vespoli 50650, foi uma das pessoas mais importantes para barrar essas vendas! Enquanto Doria brincava de Monopoly com os bens públicos, foi deixando de cumprir promessas de campanha. Nada de zerar as filas de hospitais, nem de zerar as filas nas creches. Como se não bastasse abandonar o povo pobre, abandonou de vez a prefeitura. Foi concorrer a governador de São Paulo, deixando seu afilhado, o Bruno Covas, no comando da cidade.

Bruno Covas continua legado podre de Doria!

Bruno Covas não foi melhor. Continuou na retórica da privatização acima de tudo. Recentemente conseguiu, apesar de esforços do vereador Toninho 50650, vender a SPTuris, mesmo com ela sendo empresa superavitária! Quando começou a pandemia, então, a prioridade foi beneficiar os bairros ricos. Os dois, o Covas e o Doria, ficaram só na retórica de isolamento social. Porque do jeito que eles fizeram, só quem é rico conseguiu ficar em casa.

Não teve complementação da renda emergencial para informais, não teve política efetiva contra as demissões, e pasmem: durante a pandemia mantiveram hospitais e UBSs nas quebradas fechados! O resultado: Os bairros em que mais morreu gente pela covid são de periferia! É na verdade o projeto tucano de extermínio dos mais pobres o que se revela! Agora Covas se alia com um candidato a vice suspeito de desviar grana de merenda de creche, e acusado de bater em mulher! A verdade é que Covas e Doria querem acabar com SP! A gente consegue melhor que os dois!

O vereador Toninho Vespoli 50650 sempre lutou contra esses absurdos! destinou 2,7 milhões em emendas parlamentares para UBSs na periferia, lutou pela renda emergencial de um salário mínimo para informais, além de ter sido um defensor de um lockdown mais sério e completo durante a fase aguda da pandemia. Conseguu fazer muito, mas muito foi barrado pelo tucanato em São Paulo. Boulos 50 prefeito é a chance que São Paulo tem para virar o jogo, e se ver livre de vez das garras de Doria e Covas. Junto com Toninho Vespoli 50650, Boulos vai colocar a periferia no centro, e garantir que a cidade que nunca dorme seja governada por quem faz ela funcionar: o povo!

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Periferia Precisa de Toninho!

Periferia Precisa de Toninho!

Entenda porque sem Toninho a periferia vai passar mais perrengue

Quem é da quebrada sabe como ela está largada. Em plena pandemia, tem UBS e hospital fechado. Quem tá da ponte pra cá não pode fazer quarentena. Tem que ir trabalhar, por comida na mesa. O auxílio que era pouco, nem chegou em todo mundo que precisa. A prefeitura nada de complementar o auxílio. Quem mais morreu na pandemia em São Paulo é da perifa. Sapopemba, por exemplo, na Zona Leste, foi o distrito em que mais morreu gente! Toninho Vespoli 50650 tá segurando a maior barra. Aprovou 2,7 milhões em emendas parlamentares só em hospitais e UBSs de periferia! Também luta por renda emergencial de 1 salário mínimo para informais, além de ter desmascarado a máfia dos transportes. Mas todo esse trabalho só pode continuar se Toninho Vespoli 50650 e Guilherme Boulos 50 forem eleitos. Periferia precisa de Toninho! Do contrário a periferia vai continuar à deriva!

Toninho Vespoli 50650 nasceu e vive na periferia. Mora em Sapopemba, na Zona Leste. Não só mora na quebrada, como ouve a quebrada. Uma de suas iniciativas, por exemplo, é o Gabinete na Rua, em que o povo é convidado a conversar com Toninho 50650 sobre como tornar a cidade melhor para quem é da periferia! É por estar sempre em contato com o povo, que Toninho 50650 entende o que é que tem que ser prioridade. Ele sabe que na periferia os hospitais e UBSs contam conm estrutura precária e estão abandonados! Por isso que ele destinou 2,7 milhões de reais em emendas parlamentares para a saúde periférica! Dentre as emendas, foram R$ 180 mil para compra de equipamentos para o Complexo Sapopemba; R$ 500 mil para reforma da Casa de Parto e da UBS Reunidas I; R$ 560 mil para adequação da UBS Pastoral; entre várias outras emendas!

Com o Boulos e Toninho a periferia vai virar centro!

Toninho 50650 é, também, um dos mais ferrenhos defensores da renda básica. Vice Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara de São Paulo, Toninho 50650 é autor de vários projetos de lei em favor da renda de 1 salário mínimo para os mais necessitados, ao menos durante a pandemia. A direita genocida não quer deixar essas propostas passarem. Ainda assim, Toninho 50650 conseguiu levar cesta básica para milhares de famílias. Periferia precisa de Toninho!

Toninho 50650 fez muito pela periferia. E conseguiria ter feito muito mais se não tivéssemos o coxinha do Bruno Covas como prefeito da cidade! O cara se articula junto com a direita para barrar emendas de Toninho 50650; não aprovam projetos populares escritos em conjunto com as comunidades; e age ativamente para impedir que cuidados médicos cheguem a quem precisa em um momento como o da pandemia! Celso Russomano é outro que odeia a periferia e quem é pobre! O cara faz há anos programas de TV em que humilha funcionários, a maioria negros e pobres, enquanto toma café e fala fino com os poderosos.

O triste é pensar que, no meio disso tudo, a prefeitura acumula 17 bilhões de reais em caixa! Prefeitura não é pra dar lucro! É pra servir as necessidades do povo! Mas com Guilherme Boulos 50 prefeito a coisa vai se diferente. Boulos, assim como Toninho 50650, mora na periferia. Ele é ativista, está sempre em luta ouvindo o povo. E por isso, junto com o vereador Toninho Vespoli 50650, vai virar o jogo em São Paulo, colocando a periferia no centro!

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Dória e Covas Desmontaram O SUAS Em São Paulo

Dória e Covas Desmontaram O SUAS Em São Paulo

Saiba como a direita desmonta a Assistência Social em São Paulo!

O balanço de 42 meses da gestão de Dória e Covas na Prefeitura de São Paulo é inequívoco quanto ao desmonte intencional do SUAS na cidade de São Paulo.

Trata-se de uma evidência que vai além dos cortes de recursos decretados e da tentativa de retirar, do âmbito da Assistência, serviços que são típicos desta área.

O desmonte é facilmente demonstrado nos números.

Mesmo sob forte crise econômica e, depois, a emergência pandêmica, que aumentaram enormemente as situações de vulnerabilidade e risco, o Governo que está em vias de se encerrar cortou recursos, ofertas de serviços e vagas, justamente dos segmentos da população que mais dele necessitam.

E não por falta de recursos. Ao contrário. Como se pode observar, em que pese a crise econômica, o erário municipal não foi afetado, registrando, no período, significativo aumento real de arrecadação.

O desmonte, não obstante, não foi efetivado somente quanto aos serviços parceirizados. Os serviços diretos foram estrangulados pela ausência de reposição de servidores que ingressaram na inatividade ou foram exonerados. Os trabalhos sistemáticos de levantamentos e pesquisas da vigilância foram praticamente abandonados, também porque se mostrou conveniente deixar de mensurar as demandas a serem atendidas, frente à opção de corte de recursos e ofertas.

Os Gastos com a Assistência e as Receitas da PMSP

Pagamentos a Parceria. Janeiro/2017 a Junho/2020

Mês

Ano

Gasto Total MensalGasto Proteção BásicaGasto Proteção Especial
Janeiro 201778.894.271,7341.536.238,2937.358.033,44
Junho 201779.594.791,2941.367.782,0438.227.009,25
Junho 201880.650.027,2040.036.119,0540.613.908,15
Junho 201983.432.288,8741.309.445,8742.122.843,00
Junho 202084.096.013,3441.320.302,9342.775.710,41

Variação

 

5.201.741,61 (6,7%)

 

-215.935,36

 

5.417.676,97

Receita Corrente Líquida. 1º Quadrimestre/2017 a 2º Quadrimestre 2020

 

Período

 

Montante

1º Quadrimestre 2017

 

43.450.719.024,16
2º Quadrimestre 2020

57.523.541.134,49

 

Variação

 

 

14.072.822.110 (32,4%)

 

 

O aumento nominal do gasto mensal com o total de parcerias, entre Janeiro de 2017 e Junho de 2020, foi de R$ 5.201.741,61. Este valor representa um aumento percentual 6,7 % do gasto. O que significa uma diminuição do valor REAL desembolsado, já que a inflação oficial, medida pelo IPCA, variou, no mesmo período, 11,22 %.

Esta variação deve ser creditada, quase totalmente, aos valores nominais aumentados na Proteção Especial de Alta complexidade, como se verifica da tabela acima, e num único tipo de serviço. Ao mesmo tempo, a Proteção Básica teve REDUÇÃO REAL e NOMINAL dos recursos empregados, desde o início de 2017, gastando-se MENOS, mensalmente, em Junho/2020, R$ 215.935,36.

O desinvestimento é ainda mais gritante quando se constata que, em período próximo, que abrange o primeiro quadrimestre de 2017 até o segundo quadrimestre de 2020, houve aumento da Receita Corrente Líquida da Prefeitura, da ordem de 14.072.822.110, ou 32,4%, em termos percentuais, quase três vezes a variação inflacionária do período analisado.

Mesmo com a disponibilidade de recursos para expandir significativamente a oferta na Assistência, área prioritária de atendimento social, o saldo negativo de 12.747vagasrepresentou, em Junho/2020, o percentual de 5,6% a MENOS, em relação a Janeiro/2017.

Esta política de corte de gastos, em prejuízo da abrangência e qualidade dos atendimentos, estende-se à Administração direta. Segundo informações prestadas pela própria Municipalidade, havia, em Janeiro/2017, 1087 servidores em atividade, em SMADS. Em Junho/2018, este número foi reduzido para 964, resultando numa diminuição de 123 profissionais, com uma economia mensal aferida de cerca de R$ 329.000. Também nesta ocasião, havia 695 servidores efetivos, em atividade, e em Março/2019 já havia 128 destes em condições de aposentadoria.

Serviços e Vagas da Rede Parceira de SMADS. Janeiro/2017 a Junho/2020

Ano

Mês

TotalServiçosTotal Vagas

Serviços

Básica

Vagas

Básica

Serviços

EMC

Vagas

EMC

Serviços

EAC

Vagas EAC
Janeiro 20171280225.319800178.57024430.99323615.756
Junho 20171283226.166797178.35024631.34324016.473
Junho 20181263220.629772169.27023830.46125320.898
Junho 20191257219.837766167.49022930.66226221.685
Junho 20201229*212.572740162.72022729.36726220.485

Variação

Total

 

-51

 

-12.747

 

-60

 

-15.850

 

-17

 

-1.626

 

26

 

4.729

A partir de 2018, houve redução constante do total de serviços mantidos em parceria por SMADS, bem como do total de vagas oferecidas.

Ao longo do período de3 anos e 6 meses da atual Gestão Municipal, em que pese eventuais alterações nos quantitativos de determinados serviços, houve sensível diminuição no número destes e de vagas na Proteção Básica, diminuição de menor proporção na Proteção Especial de Média Complexidade e aumentos na Proteção Especial de Alta Complexidade, esta somente em razão de um incremento pontual;

Neste período:

  1. houve diminuição total de 51 serviços parceirizados e de 12.747 vagas;
  2. na Proteção Básica, foram fechados 60 serviços e 15.850 vagas;
  3. na Proteção Especial de Média Complexidade, foram fechados 17 serviços e 1.626 vagas;
  4. na Proteção Especial de Alta Complexidade foram abertos 26 serviços e 4.729 vagas. Este resultado deriva do aumento de somente uma modalidade de serviço, a dos centros de acolhida para população em situação de rua. Elevação, entretanto, menor que o aumento desta população, em período semelhante, conforme o último Censo da População de Rua, na cidade de São Paulo.

Aumento da Desproteção Socioassistencial

A diminuição de recursos, em conjuntura de elevação das situações de risco e vulnerabilidade, além da desqualificação dos serviços, aumenta a desproteção social.

Exemplo desta política de recrudescimento do risco e da vulnerabilidade se encontra, sintomaticamente, na oferta de serviços e vagas de Centros Para Crianças e Adolescentes – CCAs, que tem essencial papel preventivo.

Ano

Mês

Número de

CCAs

Vagas

 CCAs

Janeiro/1749473.490
Junho/1749373.430
Junho/1848471.840
Junho/1948571.670
Junho/2046768.580

Variação

Total

 

-27

 

 

 

-4.910

Em 2017, no último levantamento sistemático publicado sobre a demanda por este Serviço, com base no CADÚnico, estimava-se que somente cerca de 12 % das crianças e adolescentes com perfil socioeconômico para frequentarem estes serviços, neles se encontravam.

Em que pese esta demanda haver aumentado, pelo crescimento populacional e da vulnerabilidade social, a SMADS, entre Janeiro/2017 e Junho/2020, patrocinou o FECHAMENTO de 27 serviços e de 4.910 vagas.

ANIS

ANIS

Para a frente municipalidade em Defesa do SUAS.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Esporte e política coniventes com machismo

Esporte e política coniventes com machismo

Entenda como o machismo permeia o esporte e a política

Não é de hoje que Robinho foi acusado de estuprar mulher em viagem na Itália. Também não é de agora que vice de Bruno Covas, Ricardo Nunes foi acusado de bater e ameaçar esposa. Os casos são antigos, mas a sociedade os ignorou. Por 7 anos Robinho jogou impunimente em grandes times de futebol.  Por 9 anos Ricardo Nunes agiu livremente na política em São Paulo. A sociedade é conivente com o machismo no esporte e política. E não se tratam de casos isolados: A jogadora de volei Carol Solberg, por exemplo, foi censurada por declaração contrária a Bolsonaro. Já os jogadores de vôlei masculino, não sofreram represálias por apoiar Bolsonaro em comemoração oficial. Também não houve repreensão ao campeonato masculino de futebol, Brasileirão, por permitirem que Bolsonaro entregasse o troféu. Na prática o que se tem, é esporte e política coniventes com machismo.

Robinho estuprou mulher em 2013. Há 7 anos a população passa pano!

O caso de Robinho vem se desenrolando desde 2013. Nessa data ele foi acusado de estuprar, junto a amigos, uma mulher na Itália. As escutas telefônicas do Robinho conversando sobre o caso chegam a dar asco de tão absurdas:

Robinho: Eu tentei [transar com ela];

AMIGO: Eu te vi colocar o pênis na boca

Robinho: Mas isso não significa transar

Ainda em outra situação, quando indagado sobre o caso, Robinho desmereceu “Estou rindo porque não estou nem aí, a mulher estava completamente bêbada, não sabe nem o que aconteceu”. Ou seja, ainda justifica o estupro alegando que o fato da vítima estar bêbada, e do sexo ter sido oral “justificaria” o que foi feito!

Apesar das escutas serem recentes, o caso já é antigo: o estupro ocorreu em 2013. Mas o escândalo não impediu que Robinho continuasse até 2015 jogando pelo time italiano, Milão, nem impediu as posteriores contratações do jogador pelo Santos e pelo Atlético Mineiro (entre outros times). As torcidas, majoritariamente de homens, também não ofereceu resistência. Não houve grande comoção pelo caso. Os torcedores foram como o esporte e política: coniventes com machismo e estupro.

Machismo na política e no esporte

O Ricardo Nunes, vice prefeito de Bruno Covas, é outro para quem a sociedade passou pano. O cara foi acusado de bater e ameaçar sua esposa em 2011! Isso não impediu que, em 2014, ele fosse reeleito vereador pelo partido do centrão, o MDB; nem impediu que Bruno Covas o confirmasse para candidato a vice-prefeito em sua chapa! Ou seja, a sociedade foi conivente com a violência!

O machismo também ocorre de formas mais sutis. Como recentemente, quando a jogadora de vôlei, Carol Solberg, foi impedida de se declarar contrária a Bolsonaro. Além da represália do time de voleibol, ela ainda foi condenada a pagar multa de mil reais! Mas quando são homens declarando apoio a Bolsonaro não há censura nem comoção. Em 2018, em clima de campanha a presidência, jogadores de volei masculino aproveitaram vitória de jogo para, em foto oficial, posarem fazendo o número “17” com os dedos. Não só os jogadores não sofreram represália, como a foto foi postada nas contas digitais oficiais da Confederação Brasileira de Vôlei. No campeonato Brasileirão de 2019, jogadores da categoria masculina de futebol, receberam prêmio de Jair Bolsonaro, sem grandes repercurssões. Outra vez em que se percebeu esporte e política coniventes com machismo.

Na luta contra o machismo!

O machismo é estrutural. Está presente desde as coisas mais banais como esporte, até coisas sérias como a política. É fundamental que homens deem espaço para as mulheres na luta contra o machismo. Toninho Vespoli, por exemplo, em março de 2017 se afastou da vereança para permitir que a suplente, Isa Penna, assumisse o cargo de vereadora formando uma bancada 100% feminina do PSOL na Câmara. No mês em que ocupou a Câmara, Isa Penna foi covardemente agredida pelo vereador do partido do Márcio França, Camilo Cristóvão. A direita não sabe respeitar uma mulher na política. Mas Toninho Vespoli 50650 soube defender a sua aliada. Também seguiu a risca as articulações junto a sua aliada, e então vereadora, Samia Bomfim. Foi, por exemplo, coautor de projeto de lei dela que obriga haver número de disque denúncia em todos os prédios de repartição pública.

O machismo é uma coisa séria. E só vai mudar se todos reconhecerem como às vezes são parte do problema. Somente assim poderão se tornar parte da solução.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Bruno Covas faz vagas fakes!

Bruno Covas faz vagas fakes!

Até as vagas são fakes na gestão de Covas!

Bruno Covas se faz de milagreiro. Inventou agora o “milagre da multiplicação das vagas”. Bruno Covas faz vagas fakes! Olha o pensamento mágico: para que criar vaga em creche para as crianças, se pode fingir que criou? É essa a forma de pensar da direita paulistana. São uns farsantes interessados em enganar o povo!

O problema da falta de vagas em creches se arrasta há muito tempo. Bruno Covas traz ao problema duas soluções que não solucionam: 1) amplia as parcerias com creches terceirizadas. Iniciativas difíceis de fiscalizar, sem o cuidado garantido com as crianças. 2) tanto na rede direta quanto na indireta, “cria” vagas que na realidade não existem. O resultado é a continuação do problema! Bruno Covas faz vagas fakes!

Uma das possibilidades é que as vagas fantasmas estejam sendo usadas para desviar dinheiro da educação, através das creches terceirizadas. Não é a primeira vez que a rede conveniada fica sob suspeita de desviar dinheiro público! Há poucos anos, em zz, o vereador Toninho Vespoli 50650 liderou denúncias na Câmara Municipal contra desvios nas merendas de creches conveniadas.

É isso que acontece quando a direita tucana toma conta da educação. Apenas Guilherme Boulos, candidato a prefeito, e o vereador Toninho Vespoli 50650, são capazes de mudar esse panorama. Juntos essa dupla pode ser capaz de combater a máfia das creches, e garantir a conquista de uma educação pública, gratuita, laica e de qualidade!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Renda emergencial sim, medidas eleitoreiras não!

Renda emergencial sim, medidas eleitoreiras não!

Entenda a hipocrisia de Covas na Renda Básica!

Chega a eleição e vemos o malabarismo retórico de alguns candidatos. Essa semana, no twitter, Bruno Covas resolveu usar o prestígio e a luta do sempre senador Eduardo Suplicy em defesa da Renda Básica para se promover eleitoralmente e se aproximar de eleitores da centro esquerda e esquerda.

Em uma mensagem postada na rede social o nosso querido senador pede que Covas avalie a aprovação da renda emergencial. O prefeito então responde dizendo que topa e marca o presidente da Câmara Municipal, perguntando se ele também topa pautar o projeto.

 

Eduardo Tuma responde a mensagem dizendo que vai por o projeto em debate. Que lindo diálogo, o mundo colorido do PSDB que defende os mais pobres e necessitados é maravilhoso. Morar numa cidade governada pelo tucanato é um colírio para os olhos. Só que não.

Pura hipocrisia

Toda essa movimentação não passa de pura hipocrisia, oportunismo e interesse eleitoreiro. E antes que seja acusado de ser contra a renda emergencial, destaco que desde o início da pandemia atuei em defesa da criação de uma renda paulistana. Propus projetos de lei (PLs 227, 291, 186/2020) que buscavam atender e proteger várias parcelas da população.

Em diversas vezes fui à tribuna aconselhar ao governo – executivo e vereadores – que se eles quiserem de fato se afastar do bolsonarismo e de suas medidas alucinadas, deveriam agir de forma diferenciada e aprovar medidas de atendimento a população mais pobre e vulnerável da cidade.

Quando o executivo planejou a distribuição do cartão merenda, apenas para alguns estudantes da rede, entrei no Ministério Público para buscar garantir esse auxílio para todos os estudantes e não apenas para alguns.

E digo mais, a manobra de Covas e do PSDB é tão eleitoreira que nem sequer o projeto de lei que cria um auxílio para os condutores do transporte escolar, aprovada em primeira votação, é votado em segunda e se for aprovado, certamente será vetado pelo chefe do executivomunicipal.

Reafirmo categoricamente: sou defensor de uma renda emergencial. Se o PL do nosso sempre senador for a plenário certamente contará com meu voto favorável e o voto da bancada do PSOL. Porém, sou que nem São Tomé, quero ver pra crer.

Um governo que em seis meses não criou nenhuma medida de socorro emergencial a população mais vulnerável, muito pelo contrário resolveu desmontar a Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa) e extinguir a Autarquia Hospitalar Municipal. Duvido muito que fará algo nesse momento para atender a população mais pobre.

Renda emergencial para atender os mais pobres, SIM. Palanque eleitoreiro para as mentiras e canalhices de Covas, NÃO!

Toninho Vespoli

Toninho Vespoli

Toninho Vespoli é professor e vereador pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

saúde pública é desviada por grupos privado!

saúde pública é desviada por grupos privado!

Entenda como grupos privados podem ser corruptos!

Saiu até no Fantástico! Empresas terceirizadas desviaram 500 milhões de reais da saúde pública! Na prática a saúde pública é desviada por grupos privado! Em esquema de desvios, grupos privados manipularam as contratações de hospitais para se favorecerem. Em São Paulo coisas parecidas acontecem, porém nem sempre são cobertas pela mídia. Toninho Vespoli é um dos poucos vereadores que fiscalizam esses esquemas. Investigando de pertinho, nem Bruno Covas sai ileso.

O esquema padrão de desvio funciona assim: um grupo de pilantras cria uma OS (Organização Social) para oferecer um serviço essencial à população, digamos saúde. OSs são organizações privadas, em teoria sem fins lucrativos, que “vendem” a prestação de serviços essenciais para o setor público. Então, por exemplo, uma UBS pode ser administrada por uma OS de um grupo privado contratado pelo setor público. Mas o problema é que, muitas vezes, essas OSs desviam o dinheiro do povo. Emitem nota fiscal fria, lavam dinheiro, falsificam prestação de serviços… E tudo isso, quase sempre, com a ajuda de parte dos políticos, que pegam uma comissão!

Em São Paulo também!

Na matéria que deu até no Fantástico, o esquema foi feito no estado do Pará, principalmente na cidade de Agulhos. Foram cerca de 500 milhões de reais desviados! Mas existem esquemas assim acontecendo em São Paulo também! Por exemplo, em caso investigado pelo Vereador Toninho Vespoli, OSs que administram creches parecem se envolver em esquemas no desvio de dinheiro de merendas! Assim como no caso no Pará, o serviço essencial (no caso a educação das creches) é oferecido por OSs (ou seja, grupos privados), no atendimento do público. Só que as creches estavam desviando dinheiro destinado à compra de merendas! Dinheiro para comprar comida para crianças acaba indo para as mãos de OSs corruptas!

Toninho Vespoli denunciou esse caso, e liderou esforços na Câmara Municipal para a criação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) das merendas. A Comissão busca investigar as creches, aparentemente envolvidas no escândalo de corrupção. Não se sabe, por enquanto, até que ponto esse escândalo vai, mas um dado choca de cara: o valor empenhado em OSs e outros grupos privados na educação variou de 1,75 bilhões, para 2,7 bilhões entre 2016 (ano antes de Bruno Covas assumir) e 2019! Ou seja, aumentou em quase 1 bilhão o valor direcionado para OSs desde que Bruno Covas assumiu a prefeitura!

Importante ressaltar que nem todas as OSs são corruptas. Mas em São Paulo, assim como em todo o Brasil, grupos privados em parceira com o governo são porcamente fiscalizados. Inclusive, mais mal fiscalizados do que os grupos da rede direta! Ou seja, é uma área perfeita para a atuação de grupos corruptos. Assim foi no Pará. Provável que assim seja em São Paulo.

Saúde paulistana ameaçada!

Na saúde paulistana, também, grupos privados podem estar desviando dinheiro público. Por exemplo, em compra contestada pelo Vereador Toninho Vespoli, a prefeitura de São Paulo comprou 5,4 mi de máscaras por um valor de compra quase 10 vezes maior do que o valor de mercado! A compra que era para ter custado 2 milhões, saiu por 20 milhões! Por hora, é muito cedo para afirmar qualquer coisa de concreto. Mas o padrão do esquema no Pará pode estar se repetindo: uma empresa privada é contratada para oferecer um produto comprado por acima do razoável, para suprir um serviço essencial. No caso o serviço seria máscaras para médicos durante a pandemia de coronavírus. E tudo isso com a assinatura e aval do Bruno Covas! Ou seja, a saúde pública é desviada por grupos privado!

Muitas OSs são uma tremenda de uma cilada! Os grupos prometem eficiência, mas muitas vezes entregam desvios e corrupção! O povo não merece essa robalheira! E Toninho Vespoli segue na luta contra a corrupção, seja pública ou privada!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Desemprego recorde no Brasil

Entenda como a direita não está provendo ao povo!

Tá difícil conseguir um trampo? Você não está sozinho! Há desemprego recorde no Brasil de 13,8% no último trimestre, segundo IBGE! O número é o maior desde o começo da série histórica em 2012, e equivale a 13,1 milhões de brasileiros. Mas isso não é tudo. Se considerados, também, os brasileiros que desistiram de procurar emprego e os brasileiros com subemprego, o número fica em 30,1% de subutilização (equivalente 32,9 milhões de pessoas!)

Algum aumento no desemprego seria de se esperar em função da pandemia. Mas a a gestão de Bolsonaro tem sido genocida! Travou o máximo que pode a entrega de auxílio emergencial à população desempregada, além de, até hoje, não contemplar todos os que precisam. Cidades ricas, como São Paulo, também erraram feio! Apesar de termos cerca de 18 bilhões de reais em caixa, Bruno Covas e políticos de direita se recusaram a expandir os auxílios federais para atender mais pessoas com valores mais altos. Toninho Vespoli, por exemplo, chegou a protocolar uma porção de Projetos de Lei que garantiriam 1 salário mínimo (1.045 reais) à todos que precisam.

Erro estrutural

Além disso, houve também, por parte da direita, um erro estrutural: países em crises econômicas, como a que nos encontramos, responderam no passado, com bastante sucesso, às dificuldades da população criando empregos públicos para beneficiar a população mais pobre e reduzir o desemprego durante os tempos difíceis.

Isso para nem tocar na já antiga proposta de se criar uma renda básica de cidadania para toda a população. Apesar de velha, a proposta garantiria a cada cidadão um mínimo existencial, e mesmo mais liberdade para conseguir empregos melhores, podendo não aceitar ofertas exploradoras de trabalho, e esperar oportunidades mais ligadas às suas aspirações. Também seriam medidas de distribuição de renda em que os ricos seriam taxados para garantir aos mais pobres!

Um momento como o que vivemos deveria ser oportunidade para estudarmos propostas assim. Ao invés disso, o máximo que Bolsonaro faz é tirar de programas que atendem aos pobres para financiar um programa de renda insustentável ao longo prazo.

Em todos os níveis, a direita está ferrando a população brasileira, sem garantir nem renda nem emprego à população! é isso que mostra o desemprego recorde no Brasil!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Até Joe Biden critica Bolsonaro

Até Joe Biden critica Bolsonaro

Entenda como a direita está destruindo o meio ambiente!

Um juiz carioca teve o bom senso necessário para suspender decisão de Ricardo Salles que acabaria com proteção de manguezais. É uma vitória, mesmo que pequena. Mas não deixa de ser impressionante e ultrajante pensar que uma medida como a de Salles fosse proposta para começo de conversa. E ainda pelo Ministro do Meio Ambiente, que deveria zelar pela natureza. A medida barrada acabaria com uma série de normas de proteção ambiental no manguezal, justamente no momento em que o mangue pega fogo! A gestão do meio ambiente tem sido tão absurda que até Joe Biden critica Bolsonaro! O candidato favorito para a presidência dos EUA, criticou gestão ambiental do Governo. Essa triste tendência a desrespeito ambiental tem se verificado em todas as agremiações de direita. O próprio Bruno Covas fez nada ou quase nada pela natureza em São Paulo.

A medida que Salles queria enfiar goela abaixo do Brasil extinguia dois dispositivos de proteção ambiental do Ministério do Meio Ambiente. As medidas tinham o papel fundamental de delimitar Áreas de Proteção Permanente (APPs) no manguezal. Especialistas em gestão ambiental dizem que estas são as únicas normas que dão proteção efetiva para os manguezais brasileiros. Ricardo Salles queria mesmo, como admitido em conversas vazadas, passar a boiada em normas de proteção ambiental brasileiras! Felizmente, advogados conseguiram barrar a decisão entrando na justiça.

O que acontece com os mangues é bem parecido com o que aconteceu na Amazônia em ___ deste ano: incêndios criminosos, ao que tudo indica iniciados por latifundiários ruralistas, ameaçam, dessa vez, o manguezal, um dos biomas mais ameaçados do Brasil, berço de vida e fundamental para o equilíbrio ambiental! Houve até quem previu que fumaça tóxica chegaria em São Paulo como resultado dos incêndios! Felizmente, isso não correu.

Biden critica gestão ambiental de Bolsonaro

A tentativa da gestão bolsonorista de destruir a natureza brasileira está dando o que falar até no exterior. Até Joe Biden critica Bolsonaro. Recentemente Biden ofereceu participar de esforço internacional para garantir verba de 20 bilhões de dólares pela preservação da Amazônia. Esse tipo de resposta é inédita, e fruto do descaso total de Bolsonaro com a situação ambiental do país. Ter esse valor oferecido deveria ser encarado como um atestado de incompetência. O próprio Brasil deveria ser capaz, por conta própria, de garantir uma proteção eficiente à nossa Mãe Natureza!

Ao invés de aproveitar a situação para fazer um mea culpa da catástrofe ambiental em seu governo, Bolsonaro preferiu, mais uma vez, insistir em teorias da conspiração. Para ele, a proposta de verba, não tem nada haver com a preocupação de destruição iminente da vida na Terra como consequência possível do aquecimento global. Para ele estaria certo destruir a Amazônia para criar soja e gado, e errado se preocupar com as consequências a longo prazo. E qualquer um que pense de forma diferente tem que estar interessado apenas em deslegitimar seu governo. Não à toa, várias denúncias já foram feitas na própria ONU acusando Bolsonaro de “ecocído”, crime contra a humanidade em que danos ambientais arriscam matar grandes números de pessoa.

Ninguém está elogiando os EUA

Não cabe aqui, também, querer achar que os EUA são bonzinhos nessa história. O país, logo na frente da China, é o maior poluidor do mundo, e tem feito muito pouco para reduzir suas queimas de combustíveis fósseis. Além disso, justamente por ser o país mais rico do mundo, é o que está em posição mais confortável para fazer as reformas necessárias. Um mínimo de malícia é, também, necessário: existem riquezas nos biomas brasileiros de valor comercial inestimável!

Até hoje, o Brasil preferiu destruir tudo para criar gado e soja (vendendo, diga-se de passagem, principalmente para os EUA e para a China). É plausível pensar que outros países possam se interessar nessas riquezas desperdiçadas. Mas a única razão para o Brasil estar nessa posição, para começo de conversa, é justamente devido à gestão ecocida de Bolsonaro. Não haveria porque o exterior oferecer essa ajuda se a gente fizesse nosso trabalho direito! De certa forma, a devastação de Bolsonaro está dando a Amazônia em uma bandeja de prata para outros países, oferecendo a narrativa perfeita de luta pela preservação ambiental! Criando situação em que até Joe Biden critica Bolsonaro. Permitindo que mesmo o futuro líder de um país com um péssimo histórico ambiental como os EUA, sejam críticos à gestão ambiental do Brasil!

Em São Paulo, o padrão se repete

Além dos desastres federais aqui em São Paulo, a preocupação com questões ambientais também é quase nula! Por exemplo, a gestão dele está querendo acabar com os muros verdes na cidade. Os muros verdes, na verdade, não seriam, por princípio, a melhor forma de compensar as emissões de gases do efeito estufa em São Paulo. Os corredores eram para ser medida de compensação ambiental de empresa construtora, que havia destruído 800 árvores na cidade. O corredor verde foi a medida “estilo Vila Madalena” que o, então refeito João Doria, aprovou para compensar essa destruição. Diversos especialistas na época falaram que o melhor seria, simplesmente, obrigar essa empresa a plantar árvores, pois os corredores verdes não são eficientes no sequestro de gás carbônico.

Apesar de não ser a melhor medida, pelo menos seria alguma coisa. Só que não. A construtora simplesmente se recusou a implementar e prover a manutenção dos corredores verdes. O abacaxi caiu no colo da prefeitura. Ao invés de obrigar a empresa cumprir com o compromisso, a gestão Covas assumiu os gastos… Até o dia em que nem isso ela quis mais fazer. Agora o tucanato quer extinguir completamente os corredores, em descaso total com o meio ambiente em São Paulo.

E as matas ciliares também são destruídas!

Não foi o único caso de descaso de Bruno Covas. O prefeito também desde que entrou se recusa a se preocupar com as matas ciliares de São Paulo; matas nas beiradas de rios, fundamentais para garantir o equilíbrio hídrico na cidade. Essas matas tem sido destruídas há bastante tempo, mas Covas não faz nada! Mesmo com vereadores na casa denunciando a destruição! Gilberto Natalini, por exemplo, é um vereador que denuncia a questão há anos! O Professor Vereador Toninho Vespoli é um dos poucos que fez coro a essas reclamações. Até agora, a devastação continua!

Seja na esfera federal, seja na esfera municipal, a direita está destruindo o meio ambiente! Não podemos deixar que continue assim! É preciso agirmos com força por uma revolução solidária capaz de colocar a natureza acima dos lucros!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

A Alimentação Escolar durante a quarentena

A Alimentação Escolar durante a quarentena

Entenda o descaso dos governantes com crianças que passam fome!

A pandemia de covid- 19, dentre outras coisas, escancarou um papel que as escolas ocupam: espaço responsável pelas principais refeições de muitos dos estudantes.
Não são incomuns os relatos de professores recebendo mensagens de estudantes perguntando sobre alimentação durante as interações online. Outra realidade é a dos profissionais em plantões nas escolas ( gestores e quadro de apoio) que atendem telefonemas ou pessoas batendo nas portas das escolas em busca de informações sobre o cartão- alimentação ou a possibilidade de doação de cestas básicas.

A realidade financeira de muitas das famílias mudou devido ao contexto da quarentena, muitos com salários reduzidos ou com a perda dos empregos, mesmo fora das listas de beneficiários de programas sociais governamentais.

Mesmo que o direito à alimentação esteja garantido na Declaração dos Direitos Humanos, PIDESC, Constituição e ECA, a fome ainda é uma realidade e agravada devido aos estudantes não terem o direito à alimentação escolar garantido. Pelo contrário, governantes têm caminhado no sentido oposto, levando a alimentação escolar como direito de alguns.

Alimentação não é caridade, é dever do Estado!

É indiscutível a relação da garantia da alimentação como preceito para aprendizagem. O Programa de Alimentação Escolar gratuita e universal representa a maior e mais abrangente experiência em Políticas Públicas de alimentação e nutrição na América do Sul, além de ser um dos mais antigos no mundo.

Desta forma, é incompreensível num momento de agravo social e sanitário, impor a privação ao direito dos estudantes de se alimentarem de forma adequada. Argumentar sob o véu da legalidade contratual, quando de fato dados da própria prefeitura apontam o gasto efetivo realizado de pouco mais de 10% do valor total a ser recebido do governo federal chega a ser irresponsável, pois se trata de direito e não de caridade para alguns que estão nos critérios estabelecidos pela Secretaria Municipal de Educação que nem sequer são os mesmos adotados pela Assistência Social, que tem como característica o atendimento da população em maior vulnerabilidade.

Se a alimentação escolar é um direito universal aos alunos, em atividades remotas todos continuam a serem alunos e, portanto devem receber o equivalente à refeição realizada na escola. Essa equivalência precisa inclusive levar em conta que o poder de compra do governo e avulsa são diferentes. Ofertar alimentos aos estudantes seguindo os preceitos da FNDE torna-se mais que urgente para garantir a segurança alimentar dos estudantes que já são tão vulneráveis e estão prejudicados por diversas políticas de governo que não estão considerando-os como sujeitos de direitos e que precisam ter a proteção e ações voltadas para a universalização e em condições de igualdade.

Vivian Alves

Vivian Alves

Vivian Alves é filósofa, diretora de escola e ativista pela educação. Atualmente ocupa o mandado do Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho