Bruno Covas

O desastre da abertura de Doria

O desastre da abertura de Doria

Entenda porque a abertura do Doria está a serviço dos mais ricos!

O Plano São Paulo de saída da quarentena, apresentado hoje pelo governador e o prefeito tem um monte de problemas! O desastre da abertura de Doria parece ter sido feito sob medida para agradar alguns grandes empresários. Ao invés de promover uma abertura inteligente, baseada nos índices de isolamento, o plano prefere focar na liberação de shoppings, academias, o mercado imobiliário e, pasmem, concessionárias de automóveis! 

Primeiramente, nós não estamos aqui para negar acertos onde eles existem. Nos últimos meses temos assistido ao comportamento exemplar da população paulistana, principalmente em respeito ao uso de máscara; boas campanhas de conscientização de isolamento social; a adoção de precauções sanitárias corretas; e principalmente o trabalho heróico dos servidores de saúde. Graças a essas medidas conseguimos salvar vidas! Foram quase 65 mil pessoas salvas até o final de maio.

O desastre da abertura de Doria

Mas, o outro lado da moeda é estarrecedor! O plano de saída da pandemia faz parecer que o Bruno Covas e o João Doria nunca foram para as periferias, que nunca souberam, nem tentaram saber do dia a dia dos trabalhadores e dos hospitais. As palavras que eles usam são bonitas. falam sobre quarentena inteligente, e que tudo é baseado na ciência e com base nos índices. Que tudo está sob controle e que é possível o relaxamento.

Em que cidade eles vivem?! O epicentro do país segue sendo nossa cidade e os 20 bairros onde morrem mais gente estão na periferia. A cidade já tem 3000 mortos pelo corona. E esses são apenas os números oficiais. Ou seja, sem considerar a subnotificação, que pode ser bastante alta! Somos o segundo país no mundo em número de casos, e São Paulo é a cidade com mais casos no país. Agora o prefeito e governador querem dizer para as famílias que perderam seus entes que a situação está “estabilizada”. Na periferia, muitos já têm amigos ou familiares vítimas da COVID-19!

Os mesmos maus “gestores” disseram que a taxa de isolamento foi importante para conter o contágio do vírus. Mas agora simplesmente ignoram o mesmo índice para determinar as 5 fases de relaxamento propostas para o estado e para a cidade. E outra coisa, ainda mais absurda: a capital do estado, que concentra a maioria dos casos vai ser aberta mais rapidamente do que outros municípios. Qual o sentido?!

PSDB à serviço dos ricos!

A lógica é a de sempre, a de quem tem mais. O Covas e o Doria são cúmplices de seus amigos empresários e do poder financeiro. O plano já prevê a liberação de academias, shoppings e mercado imobiliário e pasmem. Podem abrir concessionárias de veículos. É um absurdo. Mais uma vez o dinheiro parece valer mais do que vidas. Perdem tempo para liberar a venda de carros, enquanto nem sequer falaram na coletiva sobre o que faremos com os quase 1 milhão de trabalhadores que seguem pegando ônibus, trens e metrô!

As falas do governador se aproximam de quem ele quer agradar. Ele disse a seguinte frase: “Sem sombra de dúvida a cidade é um CASE [de sucesso]”. Do sucesso de quem que ele está falando?! Da a maioria que não é! Pior ainda, o Covas diz que “A gente começa a discutir com o setor privado os protocolos para o plano”. E o povo que está morrendo por não ter renda? O prefeito vai chamar também?

A verdade é que esse plano é para agradar empresário e esconder a realidade de desigualdade que vivemos na cidade. Abrir shopping e não pensar em dar auxílio para informais é um absurdo. Deixar academia aberta para a classe média e interromper, isso mesmo, bloquear o pagamento dos profissionais da educação do MOVA (Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos) só reflete quem nos governa.

Uma outra quarentena é possível!

Todos especialistas dizem que a melhor solução para conter o contágio, salvar mais vidas e principalmente para não afetar ainda mais a atividade econômica, seria o teste em massa e a quarentena selecionada de doentes. Essas medidas  seriam mais  efetivas, não um plano fraco que visa interesses financeiros em detrimento de vidas na periferia. Enquanto as classes altas começam a fazer briguinha porque não querem mais ficar em casa, o povo não tem o que comer e está sofrendo. Era a hora do Estado fazer um planejamento para auxiliar os mais vulneráveis e não abrir lojas de carros. 

Com base nisso o Vereador Toninho Vespoli apresentou um PL que promove uma alternativa ao plano desastroso do Doria e Covas. Propõe a testagem em massa, as taxas de isolamento social e o índice de ocupação de leitos de UTI, como critérios para o relaxamento no isolamento. O projeto prevê ainda renda auxiliar para informais parados e mulheres chefes de família. Mas, ao invés disso, acham melhor abrir as atividades imobiliárias. Queria saber quem compra casa hoje?

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Pandemia Mata a Periferia

Pandemia Mata a Periferia

Entenda como a desigualdade social é amplificada pelo coronavírus.

Diferente da falta de saneamento básico, da violência policial e da especulação imobiliária, o coronavírus também mata alguns ricos. Isso não é de todo ruim, se fosse algo que apenas atacasse os pobres o descaso e inação dos governos seriam ainda maiores. Mas isso não significa que o corona atinja a todos de forma igual. Na verdade, apesar da doença ter sido trazida ao Brasil por pessoas ricas viajando pela Europa, hoje o pandemia mata a periferia mais do que outras regiões de São Paulo. Imita o curso de tantas outras doenças que assolam o continente americano: trazidas por dominadores europeus, mas matando, principalmente, o povo explorado e dominado.

Entender isso facilita compreender as posturas dos governos (que agem mais em função dos ricos): é fácil falar de isolamento para quem pode se dar ao luxo de trabalhar em casa, em apartamentos luxuosos com internet de alta velocidade. Enquanto isso, para os mais pobres, auxílios em valores pífios demoram para chegar. O povo tem fome, e precisa conseguir tirar dinheiro de algum lugar. O resultado: se no começo da pandemia a maioria das vítimas do corona eram ricas, hoje a grande maioria dos mortos em São Paulo vive na periferia, como mostram dados oficiais da própria prefeitura. Sapopemba, por exemplo, em 24 de abril, tinha a segunda maior taxa de mortalidade: 77 mortes.

A dança dos corruptos

É quase cômico observar a troca de retórica das lideranças. O Doria, que no auge de sua campanha para Governador se orgulhava da hashtag “bolsodoria”, agora se delicia atacando o fascista do planalto por pegar leve contra a pandemia. Não se trata aqui de defender o amante da ditadura militar, mas de apontar que além de engrossar a voz o governador bem que poderia criar seu próprio programa de auxílio emergencial à população Paulista.

Só pra ficar claro: o Bolsonaro é um boçal, e fosse qualquer presidente minimamente decente o auxílio nacional de 600 reais já teria saído a todos que precisam. Mas o líder do Estado mais rico de São Paulo, bem que podia fazer mais além de ficar xingando o presidente no Twitter.

No município a situação não é diferente: o Bruno Covas vai na tv dia sim dia não reclamar que o povo não fica em casa. Mas na hora de liberar auxílios econômicos se preocupa muito mais em dar empréstimos a meia dúzia de empresas do que em, realmente, ajudar a população miserável. Por exemplo, o Covas está gastando 375 milhões de reais para continuar repasses empresas terceirizadas da cidade, mas apenas 5,7 milhões para auxiliar catadores durante a pandemia. A prioridade deles continua sendo os ricos.

A pandemia do corona está, sem dúvida, mostrando as veias abertas de sociedades ao redor do mundo. Não é, portanto, de se surpreender que a história esteja se repetindo aqui no Brasil. Doenças que são trazidas pelos dominadores acabam se transfigurando em mecanismo de extermínio dos mais pobres e necessitados. A pandemia mata a periferia. As elites riem em suas casas.

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

População de rua é uma das mais vulneráveis!

população de rua é uma das mais vulneráveis!

Entenda como o Bruno Covas aumentou o risco de morte para o povo de rua infectado com o novo coronavírus

Por causa do Bruno Covas, o povo de rua pode ser massacrado pelo coronavírus! O irresponsável do prefeito cortou no orçamento de 2020 centenas de milhões em verbas que poderiam ajudar a população de rua. Agora, com a chegada do novo coronavírus no Brasil, a população de rua é uma das mais vulneráveis!

Apesar de São Paulo ter aumentado as suas arrecadações em 2019, e apesar do prefeito fazer questão de manter quase 13 bilhões de reais em caixa, ele ainda assim achou de bom tom cortar dinheiro que ajudaria a população de rua! Tamanho descaso não é apenas irresponsável, é diabólico! Em qualquer contexto isso seria inaceitável, mas como o novo coronavírus as consequências podem ser mortais

O povo de rua é vulnerável

A população de rua é vulnerável ao novo coronavírus. Não apenas eles são, em boa parte, portadores de outras doenças respiratórias crônicas (o que piora o sistema imunológico e aumenta a chance do infectado morrer). Além disso, também tem acesso dificultado à saúde, muitas vezes não tem como se proteger de temperaturas baixas, são obrigados a dormir próximos uns dos outros (seja em albergues por causa da falta de estrutura, seja na rua por causa de repressão social) e por serem em grande parte pedintes, estarem em contato constante com centenas de pessoas por dia.

Apesar dessas dificuldades, assistência social pode ajudar a mitigar algumas das dificuldades, seja de forma direta (como assistentes sociais educando os moradores de rua sobre como não se contagiar) ou seja de forma indireta (como com a construção de novos e melhores albergues). Infelizmente, com o novo orçamento, será ainda mais difícil auxiliar a população de rua. O prefeito Bruno Covas cortou quase 15 milhões da assistência social. Tão trágico quanto, tirou mais de 60 milhões do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. Este último corte foi feito, cirurgicamente, em cifras da pasta que ajudam as crianças de rua, como centros de juventude, e a proteção de jovens em riscos sociais.

A maldade de Covas não tem fim!

Mas a maldade não acaba por aí. Covas tirou 3,6 milhões dos Centros de Apoio ao Trabalhador. Também tirou 361 milhões do Fomento às Cadeias Produtivas e Projetos Locais. Ambas as áreas acabam por beneficiar, em grande medida, quem vive na rua. São, para muitos, a chance de um dia sair do ciclo de miséria através de empregos e pequenas empresas.

Com tantos cortes em áreas tão importantes, o atendimento à população de rua tende a se tornar mais precário. Além disso, o povo de rua tende a ter menos oportunidades de mudança de vida. Com o novo coronavírus, a população de rua é uma das mais vulneráveis, correndo um risco de vida particularmente alto. Não podemos deixa-la ficar desamparada!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

As Enchentes São Culpa do Covas!

As Enchentes São Culpa do Covas!

Entenda por que as enchentes são culpa do Covas!

Marginal Tietê alagada, 192 enchentes, 113 quedas de árvores, 13 desabamentos, e pelo menos uma pessoa morta! É assim que amanheceu a cidade de São Paulo. No meio do inferno aquático grande parte da mídia tradicional lança seus olhos aos céus acinzentados, buscando algum tipo de satisfação com São Pedro. A verdade, porém, é que as enchentes tem muito mais haver com ações humanas do que com castigos divinos. Se pararmos para analisar os dados, não resta dúvida alguma: as enchentes são culpa do Covas!

Os números não mentem. Bruno Covas usou apenas 30% do orçamento previsto em 2019 para lutar contra as enchentes. Ou seja, preferiu manter no cofre, sem qualquer justificativa, a maioria do dinheiro destinado para lidar com o problema. Não é como se as enchentes fossem algum fenômeno recente. Também em 2018 São Paulo teve de enfrentar outras enchentes terríveis! Ao invés de aprender com as deficiências do passado, nossa “gestão” prefere ficar estocando dinheiro!

Não dá para dizer que foi mera contenção de gastos. dos 19 piscinões contra enchentes que a prefeitura prometeu entregar, foram finalizados apenas 8! Menos da metade! Uma teoria é que talvez essa incompetência esteja relacionada com o fetiche privatista de Covas e Doria. Ocorre que é interesse de Covas terceirizar os piscinões de São Paulo! Ficaria mais simples realizar os piscinões quando eles já estivessem prontos para serem dados passados para a gestão privada. Teorias à parte, o fato é que o serviço não foi feito. As enchentes são culpa de Covas!









Covas usou MENOS DA METADE do orçamento para prevenção contra enchentes!










A ganância e as enchentes

Só para não dizer que a culpa é só do Covas, é interessante mencionar que João Doria, enquanto prefeito da cidade, também não quis fazer o seu trabalho: em 2018 realizou menos de 38% dos investimentos totais ligados a drenagem! Ou seja, quando o assunto é descaso com o povo paulistano, ninguém “ganha” do PSDB.

É lógico que se for para analisar o assunto no longo prazo, existe um problema maior, e sistêmico: a ocupação irresponsável da cidade de São Paulo. Ou seja, há anos gestões elitistas impermeabilizam o solo, e desviam os cursos dos rios, para dar lugar à especulação imobiliária e o asfaltamento da selva de pedra. Para além disso, são décadas de expulsão da população mais pobres para áreas cada vez mais afastadas, e suscetíveis a deslizamentos e alagamentos. Por fim, há também o agravamento do aquecimento global que, como especialistas já previam, está causando um aumento nas enchentes em várias partes do mundo.

Mas apesar das causas sistêmicas, no nível local, qualquer prefeito que se preze precisa agir conforme os seus poderes. A Câmara Municipal aprovou uma verba para lidar com as enchentes, justamente por entender ser um problema urgente. Bruno Covas desrespeitou o orçamento, desrespeitou a Câmara e desrespeitou o povo paulistano. Tanto desrespeito não permite outra conclusão: as enchentes são culpa do Covas!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Faça parte da nossa rede