corona

O abismo entre o idealizar e o realizar!

O abismo entre o idealizar e o realizar!

Estamos a todo momento ouvindo, seja pelos noticiários ou por especialistas em saúde, que não é momento de flexibilização, que ainda não atingimos o platô de contaminação e que não é hora de retomada das atividades presenciais. Trago para a reflexão, nesse contexto de pandemia, a minuta apresentada pela SME, de protocolo de volta às aulas. O abismo entre o idealizar e o realizar!

Ao promover a escuta e assegurar que todos os segmentos da sociedade sejam ouvidos, é gritante o abismo entre o idealizar, pensado sob à ótica da teoria desvinculada da prática de quem realiza.  Contudo, é preciso vencer o estigma do senso comum, sair da zona de conforto e realizar um debate reflexivo embasado por pesquisas sérias que de fato sejam fundamentadas e significativas.

“Vygotsky afirma que o bom ensino é aquele que se adianta ao desenvolvimento, ou seja, que se dirige às funções psicológicas que estão em vias de se completarem.” (Rego, 2001)

Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP) é um conceito elaborado por Vygotsky, e define a distância entre o nível de desenvolvimento real, determinado pela capacidade de resolver um problema sem ajuda e o Nível de desenvolvimento potencial determinado através de resolução de um problema sob a orientação de um adulto ou em colaboração com outro companheiro.

E, justamente numa dessas conversas on-line, trocava figurinha com uma das minhas companheiras de jornada terrena, Celia Cristina, profa. de Educação Infantil da Rede Municipal, falávamos sobre as concepções de aprendizagens, a EAD na infância, a realidade excludente, a questão do ano letivo e a falta de diálogo por parte de SME. Adoro ouví-la, e ela me fez apontamentos importantíssimos para pensarmos sobre a minuta apresentada pelos idealizadores e, como nós, profissionais da Educação, faremos para realizar…

Ela aponta justamente para esse abismo, da dicotomia de uma teorização elaborada por pessoas há tempos distanciadas das práticas de sala de aula, elencando apenas os aspectos do que se considera ideal, desconsiderando, ou ignorando, de fato a realidade.
A minuta evidencia diversas controvérsias, numa leitura tecnicista. Ora fala em distanciamento, ora fala em acolhimento…

Ora! Afinal como será feito?

Os documentos que norteiam a educação infantil municipal são pautados nas interações das relações, ou seja, nas trocas previstas num currículo integrador.
É um olhar de quem não acompanha uma atuação efetiva ou não está presente no chão de uma escola pública!

Se transpormos esse olhar para o ensino fundamental, do processo da construção da alfabetização até seu ciclo final, bem como as especificidades do aluno da educação de jovens e adultos, que em sua grande maioria é formada por trabalhadores da nossa população mais carente, que por ser periférica e por um governo sem uma política pública que leve em consideração esse cidadão, não teve direito ao isolamento social, precisa fazer uso do transporte público lotado pois precisam se deslocar até seus locais de trabalho. Isso aos que ainda detém seus empregos, pois uma grande parcela já se encontrava desempregada, e com a pandemia, essa parcela apresentou uma elevação gigantesca…

Sem uma higienização minuciosa, tão crucial nesse momento, obrigaremos o aluno trabalhador a permanecer nas escolas sem tal, depois de um longo dia de trabalho e o percurso realizado para esse tramite.

Assim, vemos igualmente tamanhas contradições por não respeitar o sujeito de direito em seu processo de aprendizagens em todas as etapas e desconsiderar seu protagonismo nesse espaço tão vivo que é a escola.

A quem vai servir essa minuta?

Esse protocolo reconhece as limitações impostas a um espaço que até então era rico em vivências e explorações?Espaço que oportunizava as relações humanas, às vezes a única que a criança vivia na rotina do seu dia-a-dia, pois tratamos aqui das regras e não das exceções. Um espaço agora limitado de potêncialidade e oportunidades!

A criança NÃO poderá ser criança! Seu direito cerceado!

SME diz que o plano foi montado sob orientação da saúde. Coloca situações que, na imensa maioria, são de difícil aplicação prática, jogando toda a responsabilidade para as escolas, inclusive questões estruturais, que envolvem verbas e manutenção e dependem das DREs e da SME. Sanitários, por exemplo, a diretriz é não deixar faltar material de higiene e garantir vasos e pias sem defeito, mas em nenhum local está dito que a SME garantirá manutenção das unidades com problemas estruturais, suprimento de materiais de higiene, a necessidade de funcionários, em número insuficiente, essa falta é algo crônico. Aproveito para abordar a homologação dos concursos de Auxiliar Técnico de Educação e Coordenadores Pedagógicos, além das chamadas dos que aguardam para os cargos de diretores de escola e Supervisores Escolares e o fornecimento de ítens de segurança. Fazemos um adendo aqui, pois no caso das máscaras, dá a entender que é problema de cada aluno e profissional.

Me causa a sensação de que o plano da prefeitura junto à SME, está montado para que, se algo der errado, o problema seja de falta de gerência da equipe escolar, que será responsabilizada por orientar adequadamente os profissionais, os alunos e as famílias. Garantir uma organização em relação ao fluxos de entrada e saída, intervalos e refeições será quase impossível em muitas unidades.

O Secretário de Educação, vem tardiamente a se reunir com os Sindicatos e de forma unilateral. Isso não é diálogo! É fundamental assegurar que nossa representatividade seja efetivada pelos sindicatos com empenho e ações pontuais, pensando em todos os segmentos de profissionais da Educação, cobrando de SME e demais órgãos, um canal permanente de diálogo das demandas da rede, bem como negociação por valorização da carreira. ]

E por isso enfatizo a importância em articular e fortalecer um conselho de escola participativo, atuante e que busque legitimar a voz da comunidade nos CRECEs regionais e central.

Termino com o seguinte questionamento:
-QUEM IRÁ RESPONDER PELAS VIDAS CEIFADAS?

Deborah Fasanelli

Deborah Fasanelli

Deborah Fasanelli é professora de educação infantil e ensino fundamental; pedagoga e Psicopedagoga Pós graduada em Direito Educacional. Atualmente ocupa o mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Os caminhos da fé em tempos de pandemia

Os caminhos da fé em tempos de pandemia

Entenda sobre como a fé pode ajudar durante a quarentena

Ola companheiros, pra quem não me conhece meu nome é Elias mais conhecido como Elias de Deus, minha missão era escrever esse artigo no começo da pandemia, porém aconteceram diversas coisas que me atrapalharam um pouco, e já vimos tantas coisas acontecerem nesse meio tento, ascensão do fascismo e ao mesmo tempo os antifascistas defensores da democracia se levantaram mesmo em meio a uma pandemia, isso é indignação, eu não fui as ruas por pessoas em casa que são do grupo de risco, mas admiro a coragem de quem foi defender nossa democracia, vimos o racismo sendo exposto de uma maneira tão brutal e triste, a desigualdade sendo desnuda, não temos ministro da saúde, dentre outros absurdos que aconteceram e ainda continuam acontecendo no nosso pais, eu moro na região da zona norte de SP, ( Brasilândia ) que é um dos lugares mais afetados pelo covid-19, mas nosso inimigo é mais antigo que esse a DESIGUALDADE, se nosso pais, nossa cidade, não fosse absurdamente desigual eu falo com certeza e convicção que muitas vidas seriam poupadas, aqui é um bairro chamado de periférico, em sua maioria negros, autônomos, donas de casa, trabalhadores informais, que ganham menos de um salário mínimo pra sobreviver , sem direitos trabalhistas e sem o privilegio do home oficce, muitos criticam a periferia por não estarem cumprindo rigorosamente a quarentena, mas de que jeito ? , e o feirante que tem que montar sua barraca pra ter o que comer? E a empregada que se não forem aos trabalhos os patrões não pagam? , e os trabalhadores de aplicativo? Os que não têm renda? São mais de 70 milhões de brasileiros na informalidade, esse mês são mais de 11 milhões de pessoas na fila do auxilio emergencial, o governo atual quer acabar com a pobreza SIM,  sabe como ? Exterminando, matando, e promovendo o genocídio nas comunidades mais carentes, se não houvesse tanta desigualdade que é nosso inimigo mais antigo o novo inimigo ( covid-19) não estaria avançando nessa guerra.

enfrentamos um dos piores momentos em nosso pais

Gostaria que nos encontrassemos em melhores situações, mas infelizmente enfrentamos um dos piores momentos em nosso pais, covid-19 e o desgoverno do atual presidente da republica, porém não quero mais trazer nessa mensagem o desespero e nem mais preocupações, e sim quero nessas poucas palavras trazer uma certa esperança a todos que estão lendo esse artigo, eu li uma carta de um homem chamado Tiago no que ele dizia: “ Feliz é a pessoa que um dia enfrenta uma crise e dentro dessa crise essa pessoa permanece forte e persevera, porque quando ela passar, todos que perseveraram terão em suas mãos a sua conquista e triunfante.”, e essa frase que Tiago escreveu se encaixa perfeitamente no cenário atual, e não é de hoje que enfrentamos momentos tão difíceis como disse anteriormente, o covid-19 é mais um problema que veio somar com os outros que já enfrentamos, problemas econômicos, sociais, retirada de direitos,  hegemonia fascista, racista, misoginia e entre outros, e sempre resistimos e enfrentamos todos esses problemas que vem ao nosso encontro, através da democracia conseguimos eleger pessoas em âmbito municipal,estadual e federal que nos ajudam nessa luta, esses problemas todos infelizmente  foram dados por aqueles que deveriam resolve-los, mas tudo me leva a frase que citei anteriormente é hiper necessário enfrentarmos juntos e sermos forte para conseguirmos vencer essa onda de problemas que esta sobre o nosso pais, se realmente queremos um resultado satisfatório, precisamos enfrentar com garra e com coragem, nem que isso signifique contrariar o presidente da republica que é contra o nosso sistema de saúde e a OMS 9 organização mundial da saúde ) colocando em risco nosso pais.

A maior conquista de um lutador não é o resultado final da luta, mas todo engajamento e esforço para enfrentar a guerra

Quero lhes trazer uma reflexão vejamos uma tempestade em alto mar, os animais marinhos passam por baixo dela, as aves passam por cima dela, o vento passa por dentro dela, o que todos têm em comum?  É que eles a enfrentam e JUNTOS, e quando a tempestade acaba e o sol bate nas águas e reflete no céu um arco-íris como sinal que a tempestade acabou, e vemos o quanto difícil e delicado foi o momento, mas enfrentamos, Caio Prado em seu livro A Revolução Brasileira disse e escreverei com minhas palavras para você entender melhor: A maior conquista de um lutador não é o resultado final da luta, mas todo engajamento e esforço para enfrentar a guerra.  Eu sei que todos estão sensíveis porque muitos de nos temos que abrir mão do trabalho, escola, família, convívio social e etc. Mas temos que visualizar o futuro, temos que olhar lá na frente, abrir mão de algo não é fácil, independente de como nós enfrentamos essa tempestade o importante é, permanecer firme, perseverar, significa ter esperança por mais mínima que seja, essa esperança vai ser a ponte que nos levara até o nosso arco-íris que simboliza muitas coisas como, por exemplo, por exemplo: pandemia estabilizada, economia firme, um pais menos desigual ,não importa a bandeira de luta que cada um levante, é essa esperança viva e ativa que vai nos fazer viver esses momentos que sonhamos e planejamos pro futuro do pais e pra nossa cidade.

Cristo ensinou e pregou a linguagem do amor

Eu como missionário cristão repudio com vigor, certos tipos de pastores que vão contra tudo que Cristo ensinou e pregou: a linguagem do amor, um grande mestre e muito inteligente disse uma vez: ‘’ama teu próximo como a si mesmo’’, só que ele não disse isso de uma forma narcisista, pois o amor é uma linguagem plural, diversificada, repleta de sinceridade e empatia, a forma de me amar pode ser diferente da forma que o meu próximo quer ser amado, é menos a forma e mais a intensidade, é proteger, é cuidar, é estender a mão por mais que essa forma em mim mesmo seja diferente da forma que amo o meu próximo, pois isso é uma das vertentes da forma do amor, mesmo que eu ache que ele não mereça ou que eu não mereça, eu assim o faço, porque o amor exige isso e se existem  lideres religiosos pregando o contrario: condenando, julgando, fazendo sinal de arma dentro de seus templos, apoiando atitudes fascistas, recebendo mais 30 milhões do governo pra suas emissoras com suas igrejas devendo mais de 100 milhões a união, como foi noticiado ontem 18/06 pra apoiar o governo em seus canais e seus templos , no meio de uma pandemia onde esse valor poderia ser revertido em saúde para salvar vidas, mas esta indo para o bolso de mercenários da fé, eles não possuem essa linguagem de amar que um dia nos foi ensinada na pele por Cristo que é puro amor e se eles estão fazendo o contrario do que cristo é eu afirmo, eles são seguidores do ANTI-CRISTO que é a aversão do que Cristo é/pregou/ensinou.

Ele foi humano, ele foi gente, andou, cuidou, protegeu e estendeu a mão para todo tipo de gente independente de qualquer coisa e hoje tentam deturpar essa atitude linda que andou entre nós um dia, que não tem nada de conservadora, pois ela não é restrita, não é guardada, não é contida e menos ainda privatizada, ela é sim compartilhada, aberta, oferecida mesmo com nossas limitações a oferece – lá, é repartida, é doada se chama GRAÇA, ele é gratuito essa linguagem de amar, ajudar/amar/cuidar/proteger mesmo que aos meus olhos seja imerecido, isso é o puro amor plural e imensurável deve ser retomada e anunciada em nossos dias, e agora com mais intensidade porque ela esta sendo esquecida, deturpada, diluída, depois de tanto esforço e suor pra faze – lá prevalecer, pessoas desumanas, governos desumanos, pessoas auto-intituladas seguidores de cristo se levantam dizendo portar essa linguagem, mas infelizmente são os que mais conseguem machucar e afastar a maioria das pessoas em que eles têm o contato, ainda mais no meio de uma crise como essa que o nosso dever é proteger e cuidar de nossos irmãos.

O que nos resta é termos a atitude de ‘’segurar a bronca’

É muito preocupante quando pessoa que tem certo tipo de influencia em nosso meio contraria uma crise mundial e põe em risco a vida das pessoas a qual eles dizem amar, isso é genocida, quando vemos essas pessoas convocarem outras para manifestações contra a democracia , cultos, reuniões, se aproveitando de uma pandemia dessas para acabar com nosso povo, eu faço um questionamento onde isso é amar? , dizem: Deus acima de tudo, acima de que? De todos mortos? Deus não compactua com isso NUNCA, querem culpar emissora de TV, querem culpar escolas de samba, querem culpar antigos governos, querem culpar lideres de outros países, e usam o nome de Deus pra isso, é inadmissível e inaceitável tal postura e nem preciso comentar que eles não possuem 1% do amor que falamos anteriormente, então o que nos resta,  a cada um de nós o qual sobrou a sanidade mental que falta neles,  termos a atitude de ‘’segurar a bronca’’, essa atitude de enfrentarmos juntos e firmes essa tempestade  e crer que vai  dar tudo certo e venceremos, enquanto eles  só pensam no dinheiro  que suas reuniões podem proporcionar e que é um dos motivos no qual eles repudiam o isolamento no meio dessa crise, nos temos que pensar no futuro e no presente de nossos filhos, netos, pais, avós, tios, isso sim é uma atitude de quem pensa verdadeiramente na família, que ao contrario do que eles pregam é bem diversificada e linda e merece ser protegida e cuidada, e isso não é conservador pois os conservadores sim querem destroçá-las em nome do seu deus que é o dinheiro.

Não podemos aceitar que esses governantes interrompam nosso progresso

O que eu quero, e imagino que a maioria de nós espera é o progresso, sempre ir pra frente e nunca retroceder, mesmo que os poderosos mecham seus pauzinhos pra ver o nosso retrocesso,  é esse o foco da nossa conversa desde o inicio, ficarmos sempre firmes pra resistir a essa opressão, permanecer  forte e em pé e esperançoso, mostrando a eles que não recuaremos e não aceitaremos nenhum direito a menos, e que esse período de pandemia também é resistência, somos resistência contra o genocídio em massa e a necro-politica de Bolsonaro e seus ministros, uma vez uma vereadora no rio de janeiro foi interrompida no meio do seu discurso por um seguidor desses governos fascista e ela bravamente rebateu e deu o recado: NÃO SEREI INTERROMPIDA, seu nome é Marielle Franco que deixou o seu legado e sua semente, é um ensinamento que vai prevalecer para todo sempre, não podemos aceitar que esses governantes interrompam nosso progresso menos ainda nossa esperança, a esperança de que teremos um pais menos desigual e uma ascensão dos direitos humanos e sociais,ela nos ensinou com a sua luta e devemos continuar lutando, não podemos tolerar a intolerância e sim combate-lá, e a combatemos permanecendo firmes, resistir a essa batalha invisível como temos resistido, vamos sim prevalecer e vencer essa guerra, por mais que uns ou outros dizem ao contrario, por mais que o desanimo venha, apenas um foco de esperança ira nos fazer vencer então não a perca, não pare de lutar.

Nós precisamos nos unir e nos fortalecer

Eu quero encerrar a nossa conversa propondo um desafio, pare e olhe o que tem agora ao seu redor, o que você sentiu?  Vazio? Solidão, Medo, insegurança? É realmente cada um de nós temos sentimentos diferentes em cada momento de nossas vidas, mas nesse momento eu quero  fazer você refletir mais uma vez, eu aprendi uma coisa estudando enfermagem que todo o alimento que consumimos bom ou ruim o nosso organismo vai separar coisas boas e ruins desse alimento, é como Yin-yang, duas energias opostas lado a lado, o que vai nos trazer uma certa diferença é qual vai prevalecer, é o que vamos aprender no meio dessa crise, qual vai ser nossa atitude no meio dela, é por isso que tenho falado de perseverança, luta, resistência, esperança, essa é a diferença, de um lado temos pessoas que decidiram colocar sua humanidade de lado e fazer as piores escolhas e seguir as piores linhas da vida, enquanto nos precisamos nos unir e se fortalecer escolhendo seguir a linha oposta deles, e seguir a esperança, o amor, a solidariedade, a empatia.

POVO BRASILEIRO TENHA FÉ, CONQUISTAMOS MAIS DE UMA VEZ A LIBERDADE E INDEPENDÊNCIA E NUNCA FOI FÁCIL, E ACREDITO QUE NUNCA VAI SER, SOMO UM POVO UNIDO MAIS DE 70%, SEMPRE TIVEMOS PESSOAS AMEAÇANDO NOSSO POVO, NOSSAS TERRAS, NOSSA CULTURA, NOSSA DIVERSIDADE, NOSSOS JOVENS, NOSSA SOBERANIA, TUDO, EU FAÇO UM APELO CONTINUEM ACREDITANDO EM UM FUTURO MELHOR, CONTINUEM CRENDO QUE O MELHOR ESTE POR VIR, MESMO QUE AS CIRCUNSTANCIAS SEJAM DESFAVORÁVEIS, SOMOS UM POVO FORTE DE SANGUE GUERREIRO EM NOSSAS VEIAS CORREM LUTA, SOMOS DESCENDENTES DE UM POVO SOBREVIVENTE, QUE NÃO NEGAMOS NOSSAS RAÍZES, SOFREMOS EM UM PASSADO DE ESCRAVIDÃO, DEPENDÊNCIA, TORTURA, MEDO, DOR  E ASSIM COMO FOI NO PASSADO, A HISTORIA NÃO ABSORVERA OS MAL FEITORES QUE TENTAM NOS DESTRUIR, CONTINUEM CRENDO NÓS TRIUNFAREMOS SOBRE O MAL NOVAMENTE. EU TENHO UM SONHO, E NESSE SONHO VENCEREMOS. RESISTA!!!

Elias de Deus

Elias de Deus

Elias de Deus é estudante de teologia bíblica e youtuber

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

#ApoioBrequeDosAPPs

#ApoioBrequeDosAPPs

Saiba como ajudar na Greve dos Entregadores de Aplicativos!

É tempo de pandemia, e pra quase toda a população as coisas tem sido bem difíceis. Mas alguns puderam contar com o conforto e o luxo de ter tudo o que precisam entregue nas portas de suas casas. Trabalhadores de aplicativos viajam por toda a São Paulo diariamente entregando compras e comidas. Ao mesmo tempo muitos deles passam fome. As coisas não podem continuar assim. Por isso nós apoiamos a greve dos motoristas de aplicativo na próxima quarta dia 01/07. Pedimos para você também aderir ao movimento. Para isso é bem simples: não peça delivery AMANHÃ. Deixe para pedir hoje ou depois. Além disso poste nas suas redes sociais a #ApoioBrequeDosAPPs e avalie negativamente os aplicativos de delivery nas lojas de aplicativo.

cobrimos neste blog quão difíceis as coisas tem sido para os entregadores de aplicativo. Mas eles estão se organizando. A liderança Paulo Lima, mais conhecido como “Galo”, está organizando o Movimento dos Entregadores Antifascistas. A iniciativa ecoa o grito de “FOME”, e a busca de que as empresas garantam aos trabalhadores condições mínimas de vida.

Confira as principais demandas:

  1. Aumento do preço mínimo: a garantia de um valor mínimo e justo para o entregador ter em cada entrega.

  2. Aumento do preço por quilômetro rodado: recebendo as mixarias que recebem, muitos entregadores passam fome. Seria uma forma de aumentar seus ganhos.

  3. EPI: apesar do marketing, empresas como a Rappi e a iFood estão falhando em providenciar aos entregadores Equipamento de Proteção Individual, como máscaras e álcool em gel para os entregadores.

  4. Seguro de roubo, acidente e vida: atualmente se um entregador furar o pneu, for assaltado ou perder a vida a empresa não tem que arcar com nada! Isso é um absurdo e tem que mudar já!

  5.  Fim dos bloqueios indevidos: tudo é desculpa para os aplicativos bloquearem um entregador. Até coisas como um pneu furado ou uma tempestade inesperada podem custar ao entregador o direito de trabalhar por dias e até semanas.

Como VOCÊ pode ajudar!

Apesar de formada a pouco tempo o movimento já conta com núcleos e organização em dezenas de cidades brasileiras. Esse dia primeiro será histórico: os trabalhadores se levantarão para frear décadas de retrocesso e de uberização das condições trabalhistas! 

Faça você a sua parte, neste fim dia primeiro não compre de aplicativos. Respeite a greve, respeite os trabalhadores e mostre que você não vai aceitar que as pessoas te entregando comida estejam passando fome! Veja como ajudar:

  1. Não use o aplicativo amanhã (dia 01/07)

  2. Poste nas suas redes sociais a #ApoioBrequeDosAPPs

  3. Deixe uma avaliação ruim nas lojas de aplicativo em que você baixou pois apps de entrega. Aproveite para deixar um comentário falando que você não acha certo os entregadores passarem fome enquanto entregam comida. Use também a #ApoioBrequeDosAPPs

Importante: não é para deixar de usar os aplicativos indefinidamente. De acordo com o próprio Galo isso acabaria atingindo principalmente os trabalhadores. Mas se todas e todos, amanhã, deixarmos de usar os aplicativos estaremos mandando um recado claro em nome de dignidade, proteção social e comida para todas e todos!

“Trabalhadores de todo o mundo, uni-vos!”

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

REFLEXÕES/CONSIDERAÇÕES E AÇÕES – PERÍODO DE SUSPENSÃO DE ATENDIMENTO/ATIVIDADES, DEVIDO A PANDEMIA DO COVID 19.

Conheça as trilhas da aprendizagem! E entenda como a educação pode ir para além das salas de aula

Isso tudo nos pegou de surpresa, estamos com medo e inseguros, diante de uma situação que não conhecemos e nem sequer, podemos recorrer a quem conhece, pois, ninguém na face da terra conhece de fato.

Talvez, nunca soubemos tão pouco sobre o que está por vir; assim, tudo que pensamos e falamos é: “Vai passar…”, e de um jeito ou de outro, vai mesmo.

Vale dizer, que o que estamos passando deixará marcas, memórias e lembranças, algumas muito boas, outras nem tanto, deste modo, consideramos que tudo depende de quem somos, de como enxergamos o mundo, de como nos conectamos uns com os outros, depende dos nossos recursos, das nossas concepções, das nossas limitações, assim como depende das nossas habilidades, dos nossos medos e das nossas ousadias.

Depende do que estamos dispostos a fazer durante este período, quem temos auxiliado e quem temos do nosso lado, oferecendo ajuda. Depende de como anda nossa paciência com as pessoas no supermercado; àquelas que insistem em se aproximar, mais do que o recomendado, e principalmente, de como está nosso entendimento de que nós mulheres/professoras, estamos carregando: o peso da administração da casa, dos animais, dos maridos, dos filhos, das plantas, dos nossos pais e/ou dos irmãos em nossas “costas largas”; sempre tão largas.

Para muitas mulheres estar em casa é também trabalho

Talvez os maridos estejam em home office, enquanto muitas de nós (a grande maioria na educação), trabalhando em casa, estamos em ”home-tudo” (sem ter no momento, a pretensão de tentar consertar, o que é uma luta há séculos), mas é fato, que entre tantos outros motivos, isto pode estar nos cansando e nos confundindo, pois não sabemos trabalhar sem o barulho das nossas crianças, sem administrarmos os conflitos existentes nas turmas de estudantes, sem olharmos cada um dos trinta e cinco como únicos, e identificarmos se estão felizes, animados, tristes, desanimados, receptivos ou tímidos.

Podemos neste momento sugerir, que o que mais faz falta no nosso fazer é trabalharmos o famoso “Currículo Oculto”, onde não há palavras que possam definir a diversidade e o encantamento que existem nas relações com os pequeninos, em suas descobertas, aprendizagens e reações. Professora é sim, um ser que fala com o olhar, que enxerga com o ouvido e que fala com o coração, no melhor sentido da palavra. Por estes motivos, que o nosso cuidado em não nos descaracterizarmos seja redobrado, durante esta separação social, à qual não escolhemos e muito menos provocamos.

Há poucos dias, tínhamos um espaço físico para trabalharmos, horários definidos, uma rotina para pensar nas crianças em suas especificidades, e para a partir delas, dos seus interesses, dos seus saberes e curiosidades, planejarmos nossas ações e nossos projetos de trabalho pedagógico.

Atualmente e por enquanto, temos um lugar de encontro que se chama Zoom, um canal de comunicação que se chama Facebook, um material que irá nortear o nosso trabalho e que se chama: Trilhas de Aprendizagem.

Sobre o Trilhas:

Ah, por que não nos consultaram antes? Teríamos pensado em tão boas ideias, possivelmente mais econômicas e mais eficazes para dialogar diretamente com as nossas crianças. Bastaria um bom livro de literatura infantil e um pequeno kit de brinquedos, contendo uma cordinha, uma peteca, um pião, uma bolinha, uma panelinha com colherinha, um carrinho, alguns papéis de diferentes tamanhos e texturas, cola, tesoura, lápis pretos e coloridos, fitas adesivas e giz de cera, ou seja, um pequeno kit-criatividade, mas enfim, o que está feito, feito está.

Contudo e infelizmente, era preciso rapidez para dar alguma resposta à sociedade letrada e ansiosa para saber como ficaria a situação escolar e assim, não houve tempo para pensar no que nossos pequeninos, de fato precisam, sobretudo, houve uma desconsideração no que se refere a uma infância com repertório próprio e com uma cultura própria, a quem o adulto acostumou-se a olhar de cima para baixo, mas então que passemos a analisar com profundidade o conteúdo proposto no Trilhas, que a nosso ver, dialoga até certo ponto com a família, como está posto.

Qual família?

Na nossa interpretação:

  • A família que tem endereço de fácil localização;
  • A família que consegue ler e interpretar os bilhetes que a escola envia, sem perguntar para Professora o que é, ou aquela que depois de ler o bilhete, não liga para a escola e pergunta do que se trata;
  • A família que lê textos no Facebook com mais de quatro parágrafos;
  • A família que tenha pelo menos um membro, que compreenda o papel da escola de Educação Infantil e ao folhear o Caderno/Trilhas, não irá questionar: a falta de desenhos prontos e estereotipados para serem pintados, os perversos traçados a serem contornados, os desenhos com copas de árvores para serem preenchidas com papel crepom verde colado em formato de bolinhas, bem arredondadas de preferência. Fazeres que pouco ou nada acrescentam para os pequeninos, pois eles os fazem sem nenhum desafio ou fazem, sem nada compreender e com interesses focados em outras coisas, como por exemplo: chamar atenção da professora ou do colega.
  • Família que tenha uma casa boa e confortável, com uma sala ampla, tapete aconchegante e uma enorme TV 32’ para mais, como traz a ilustração do Caderno Trilhas.
  • Família com estoque de alimentos suficiente, para testar uma receita de um delicioso bolo de chocolate;
  • Família que é familiarizada com o vasto e rico repertório da nossa música popular brasileira e que além das atuais músicas de cunho comercial e de rasas inspirações, costumam deixar que as crianças acessem o conhecimento que as canções podem ensinar;
  • Família que esteja habituada a ler para seus filhos e que tenham materiais em casa, para que uma caixinha com materiais diversos possa estar à disposição da criança;
  • Família que tenha um banheiro com box e um bom chuveiro, onde a criança possa brincar e se divertir com a água e aprender a estabelecer excelente relação entre hábitos saudáveis de higiene com diversão;
  • Família preocupada com a proteção da criança e que na verdade, não precisa do Trilhas para se orientar, pois intuitivamente já realiza todas as propostas contidas no Caderno Trilhas, de uma forma ou de outra.

Diante destas suposições, ainda temos o importante dado, de que demoramos por volta de duas horas ininterruptas para lermos o Trilhas de Aprendizagem, no qual estávamos bastante interessados.

Sobre nosso grupo de Professoras:

Eu quero que a escola se reinvente e se reinventar não significa transformar professor em youtuber, mas aprender a abrir mão do conteudismo, entender que a aprendizagem vai além do que é dado pela escola e aceitar que o ano letivo já não cabe mais em 2020.

Vivenciando a Pandemia, juntamente com todas as indagações, angústias e experiências que já citamos acima, estas mulheres, mesmo fora do seu habitat natural, corajosamente, buscaram de todos os recursos e meios possíveis para produzirem o que a princípio chamamos de atividades e agora já chamamos de “Histórias”, em um universo amedrontador e desconhecido para a maioria (tecnologias da internet) e assim, conectaram-se com as crianças que puderam ter acesso às nossas postagens no famoso canal de comunicação gratuito, também conhecido como Facebook, numa fanpage da nossa Unidade Escolar.

Juntaram-se em uma rede solidária de coleguismo e proteção, onde cada uma, à sua maneira, fez e ofereceu o melhor que pôde; isso ficou claro. Não sabemos com certeza, quantas crianças nos viram, quantas gostaram, nem tampouco, o que de fato conseguiram, mas é certo que alguns nos viram e ainda que tivesse sido uma única criança, já teria valido a pena.

Calculamos grosseiramente, que o tempo que as docentes levaram para realizarem tais produções, fora infinitamente menor do que o tempo que utilizaram para pensarem o que fariam, como fariam, e principalmente com qual objetivo fariam, enfim um precioso tempo.

Sobre nossas principais intenções para maio e junho/2020:

Avaliarmos conjuntamente as produções e postagens na fanpage do Facebook, durante este mês de abril e chegamos à conclusão de que urge: planejar uma escola SEM DIST NCIA dos nossos princípios, das nossas concepções, da nossa ética, da equidade, da gratuidade, do que é laico, da inclusão, das Artes, das brincadeiras, da infância, dos vínculos afetivos constituídos como inerentes aos nossos fazeres diários, e constantes em nosso PPP – Projeto Político Pedagógico.

Propiciar para as professoras, formações de caráter reflexivo e dentro de análises críticas do atual momento da Pandemia (vídeo da FEUSP), lives e palestras sobre a temática, que nos auxiliem acerca de como podemos nos situar de forma consciente sobre o papel da escola de Educação Infantil e os fazeres das professoras, durante este período tão atípico.

Elaborar de forma mais ampla e democrática, mais um canal de comunicação gratuito com as famílias, com objetivo de estabelecer um alcance possivelmente maior e mais apropriado para conhecermos de fato quem estaremos atingindo, criação de grupos de Whatsapp, administrados pela Equipe de Apoio e Equipe Gestora.

Estarmos atentos para acolhermos a equipe docente a toda comunidade escolar em suas necessidades, anseios, inquietações, sugestões, formando assim, uma rede de proteção dentro das nossas possibilidades.

Trilha sonora: Miséria – Titãs

Miséria é miséria em qualquer canto

Riquezas são diferentes

Índio, mulato, preto, branco

Miséria é miséria em qualquer canto

Riquezas são diferentes

Miséria é miséria em qualquer canto

Filhos, amigos, amantes, parentes

Riquezas são diferentes

Ninguém sabe falar esperanto

Miséria é miséria em qualquer canto

Todos sabem usar os dentes

Riquezas são diferentes

Miséria é miséria em qualquer canto

Riquezas são diferentes

Miséria é miséria em qualquer canto

Fracos, doentes, aflitos, carentes

Riquezas são diferentes

O Sol não causa mais espanto

Miséria é miséria em qualquer canto

Cores, raças, castas, crenças

Riquezas são diferenças

A morte não causa mais espanto

O Sol não causa mais espanto

A morte não causa mais espanto

O Sol não causa mais espanto

Miséria é miséria em qualquer canto

Riquezas são diferentes

Cores, raças, castas, crenças

Riquezas são diferenças

Índio, mulato, preto, branco

Filhos, amigos, amantes, parentes

Fracos, doentes, aflitos, carentes

Cores, raças, castas, crenças

Em qualquer canto miséria

Riquezas são miséria

Em qualquer canto miséria.

FIM

28 de Abril, 2020
EMEI PADRE NILDO DO AMARAL JUNIOR
EQUIPE GESTORA: Elaine Coutinho, Eloisa Ramires e Hélio Brasileiro

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Relato de trabalho de um ATE

Relato de trabalho de um ATE

Relato de trabalho de um Auxiliar Técnico em meio à pandemia de corona vírus covid 19.

Eu me chamo William Silva Figueiredo, auxiliar técnico de educação, trabalhando na Prefeitura de São Paulo desde 2009 e no CEU Água Azul Cidade Tiradentes na Gestão desde 2015. Descreverei como estão sendo estes dia de trabalhos em tempo de pandemia, pois como é do conhecimento de todos, o Quadros de Apoio da Educação Municipal não obteve o direito ao isolamento e sendo assim continuamos trabalhando.

Com a pandemia, assim que tomei conhecimento das suspensões de todas as atividades e fechamento do CEU, confesso que de primeiro momento fiquei assustado por nunca ter visto algo de igual impacto, tudo ficou deserto e silencioso, os alunos das três escolas sumiram, a comunidade que frequentava diariamente as atividades físicas, teatrais entre outras também foram obrigadas a pararem de frequentar, mesmo com tudo isso acontecendo os trabalhos administrativos foram mantidos e tivemos (ATE’s e Gestão no Geral) que nos desdobrar para manter funcionando, pois além de todo o ocorrido tivemos que administrar a ausência dos companheiros de trabalho que mesmo sendo do quadro de apoio, fazem parte do grupo de risco e precisam do afastamento do trabalho presencial.

Batalhando com o risco de morte

O contato com a comunidade que era frequentemente realizado frente a frente passou a ser na maioria das vezes por telefone evitando o menor contato possível, e a convivência no local de trabalho com os servidores e funcionários, ficaram completamente diferentes e sempre repletas de incertezas em relação ao contagio do vírus, pois o CEU tem além dos servidores, um grande número de pessoas que compõe o quadro de limpeza e segurança, sem contar com os prestadores de serviços que nesse tempo de pandemia estão trabalhando na manutenção dos espaços. Cabe ressaltar que uma das esposas de um funcionário da segurança testou positivo para a COVID 19, e ele teve que ser afastado para cumprir o isolamento social. Graças a Deus, ele testou negativo e sua esposa e filhos estão bem.

Apesar de tudo, os ATE’s lutam para fazer a diferença!

Recentemente, dia 12/maio, perdemos um funcionário para a covid 19, também da segurança do período noturno, e diante de todos os ocorridos e relatados de usuários da comunidade que também testaram positivos uns internados, outros isolados, continuei no empenho de minhas obrigações habituais colaborando recentemente na entrega de cestas básicas referentes a um projeto de Rugby (esporte) onde foram doadas cestas de alimentos para os praticantes do referido esporte. Além dessa ação social está em prática outra, que também entregará cestas básica (Associação do bairro), essa ação será realizada às sextas-feiras, em horário comercial. Contamos também com fabricação de máscaras faciais, que são confeccionadas em um baú de uma carreta que está estacionada no
estacionamento do CEU (projeto do governo do Estado com parceria das ETECs).

O meu sentimento em estar trabalhando em plena pandemia e mesmo tomando todas as precauções e recomendações necessárias, é o de incerteza, pois nunca se sabe se fui ou não contaminado, mesmo que todos os cuidados estejam sendo tomados sempre temos contato com pessoas e objetos, isso me deixa extremamente preocupado e incerto, mas com a certeza que estou contribuindo com algo para que tudo isso passe e volte ao normal para que possamos usufruir de nossas vidas como comumente fazíamos.

Escrito por um ATE

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

A Alimentação Escolar durante a quarentena

A Alimentação Escolar durante a quarentena

Entenda o descaso dos governantes com crianças que passam fome!

A pandemia de covid- 19, dentre outras coisas, escancarou um papel que as escolas ocupam: espaço responsável pelas principais refeições de muitos dos estudantes.
Não são incomuns os relatos de professores recebendo mensagens de estudantes perguntando sobre alimentação durante as interações online. Outra realidade é a dos profissionais em plantões nas escolas ( gestores e quadro de apoio) que atendem telefonemas ou pessoas batendo nas portas das escolas em busca de informações sobre o cartão- alimentação ou a possibilidade de doação de cestas básicas.

A realidade financeira de muitas das famílias mudou devido ao contexto da quarentena, muitos com salários reduzidos ou com a perda dos empregos, mesmo fora das listas de beneficiários de programas sociais governamentais.

Mesmo que o direito à alimentação esteja garantido na Declaração dos Direitos Humanos, PIDESC, Constituição e ECA, a fome ainda é uma realidade e agravada devido aos estudantes não terem o direito à alimentação escolar garantido. Pelo contrário, governantes têm caminhado no sentido oposto, levando a alimentação escolar como direito de alguns.

Alimentação não é caridade, é dever do Estado!

É indiscutível a relação da garantia da alimentação como preceito para aprendizagem. O Programa de Alimentação Escolar gratuita e universal representa a maior e mais abrangente experiência em Políticas Públicas de alimentação e nutrição na América do Sul, além de ser um dos mais antigos no mundo.

Desta forma, é incompreensível num momento de agravo social e sanitário, impor a privação ao direito dos estudantes de se alimentarem de forma adequada. Argumentar sob o véu da legalidade contratual, quando de fato dados da própria prefeitura apontam o gasto efetivo realizado de pouco mais de 10% do valor total a ser recebido do governo federal chega a ser irresponsável, pois se trata de direito e não de caridade para alguns que estão nos critérios estabelecidos pela Secretaria Municipal de Educação que nem sequer são os mesmos adotados pela Assistência Social, que tem como característica o atendimento da população em maior vulnerabilidade.

Se a alimentação escolar é um direito universal aos alunos, em atividades remotas todos continuam a serem alunos e, portanto devem receber o equivalente à refeição realizada na escola. Essa equivalência precisa inclusive levar em conta que o poder de compra do governo e avulsa são diferentes. Ofertar alimentos aos estudantes seguindo os preceitos da FNDE torna-se mais que urgente para garantir a segurança alimentar dos estudantes que já são tão vulneráveis e estão prejudicados por diversas políticas de governo que não estão considerando-os como sujeitos de direitos e que precisam ter a proteção e ações voltadas para a universalização e em condições de igualdade.

Vivian Alves

Vivian Alves

Vivian Alves é filósofa, diretora de escola e ativista pela educação. Atualmente ocupa o mandado do Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Cadáver paga mensalidade?

Cadáver paga mensalidade?

É possível observar que nos últimos dias os jornais foram tomados de notícias sobre protocolos para uma possível volta às aulas em todo o Brasil mesmo numa curva de contágio e mortes causadas pelo vírus covid-19 ascendente e sem vacina ou remédio para tratamento.

Os caminhos sinalizados foram desde a proibição de abraços até túneis de desinfecção (isso num país em que 6,5% das escolas não possui nem banheiros). Mas nada foi tão cruel e pesado como ver campanha de reabertura das escolas particulares para evitar a falência.

É indiscutível a importância de políticas voltadas a micro pequenos e médios empresários, especialmente em tempos de crise. Mas isso de forma alguma pode ter como contrapartida a vida.

Além disso, é uma consideração rasa ao ponto em que no contexto econômico, com salários arrochados, demissão em massa e estagnação financeira em todo o mundo, não é a volta às aulas de forma precipitada que vai garantir a manutenção das matrículas na rede particular.

Quanto vale um filho?

Especular irresponsavelmente sobre a reabertura das unidades escolares sob a justificativa de que os pais precisam de um espaço para deixar os filhos enquanto trabalham já é absurdo, pois desconsidera a criança como um sujeito de direitos e o papel fundamental da Educação.

Por outro lado defender essa reabertura sob a justificativa de manter os proprietários recebendo as mensalidades integralmente das famílias dos estudantes é de crueldade comparável ao fascismo. É genocídio infantil.

Que pai ou mãe ficaria tranquilo em entregar a educação formal dos filhos num local que não o enxerga como uma vida cheia de potencialidade, direitos e sonhos? Que tipo de escola expõe seus educadores ao contágio silencioso e inevitável, fantasiado dos abraços, do contato com as secreções, do espirro inesperado, do consolo ao choro que não quer usar mais a máscara ou daquele sono no colinho?

Sem vacina, sem volta

Muitas das escolas de pequeno e médio porte possuem sua estrutura alçada em casas adaptadas, salas de aula em espaços pequenos e com pouca ventilação.

Além do mais, como garantir afastamento, impedir afeto, garantir o uso e a troca de mascarás, correto manuseio e tantos outros protocolos especulados, durante uma pandemia em que do pouco que se conhece, indica que a maioria das crianças é assintomática. Ou seja, medidas como a aferição de temperatura se tornam ineficazes.

Porém, colocar as crianças como vítimas e vetores para toda a sua rede de relações em nome de lucro não parece ser um preço em que as famílias estejam dispostas a pagar, apesar de autoridades políticas estarem propensas a rifar tantas vidas em defesa de uma estratégia econômica.

Enfim, a reabertura das escolas aumentando a vulnerabilidade, contágio e mortes de nossas crianças e famílias em nome do dinheiro não é uma medida aceitável a quem reste um pouco de humanidade ou sensatez.

Vivian Alves

Vivian Alves

Vivian Alves é filósofa, diretora de escola e ativista pela esucação. Atualmente ocupa o mandado do Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

A RENOVAÇÃO DA ESQUERDA BRASILEIRA PODE TER INICIADO NESSE DOMINGO

A RENOVAÇÃO DA ESQUERDA BRASILEIRA PODE TER INICIADO NESSE DOMINGO
Fonte: Mídia Ninja

Postado originalmente no site: https://institutocultiva.com.br/a-renovacao-da-esquerda-brasileira-pode-ter-iniciado-nesse-domingo/

Por Rudá Ricci

Prometi que escreveria sobre a possível renovação da esquerda brasileira a partir do que foi ontem.

Ontem tivemos manifestações fortes em muitas capitais do país. Os manifestantes eram, em sua maioria, jovens negros, trabalhadores da limpeza urbana, do pequeno comércio (farmácias, padarias), moradores das periferias.

Não foi significativo o número dos que portavam bandeiras de partidos (havia as do PSTU, PSOL, UP e PCB, mas também alguns militantes assustados do PCdoB e PT), todos foram acolhidos pelos que protestavam. As falas e palavras de ordem eram novas, mais agressivas.

Colhi vários depoimentos e falas de gente que andava nas ruas. Convergiam para aquele orgulho meio irônico dos jovens da periferia dos grandes centros urbanos. Sempre que falo para gente da periferia, ouço o mesmo: “somos perifa, aqui não entra qualquer um”. Pois bem, esse discurso estava nas ruas do domingo. Eles diziam que apanham da polícia toda semana e que não tiveram como se esconder do Covid19 porque pegam ônibus diariamente para trabalhar. Não há como fugir da realidade para esse pessoal. O mais interessante é que ironizavam o que chamavam de “esquerda branca de classe média”. Muitos diziam que somos covardes ou “preguiçosos” (este adjetivo leva a ironia fina dos negros da periferia, gente que fala com um sorrisinho irônico no canto da boca).

São jovens, saíram às ruas porque saem todos os dias. E continuarão saindo. Eles enfrentam a PM há tempos, nos seus bairros, no morro, nos jogos de futebol. Conhecem essa violência institucional desde crianças. Parte deles está chegando na política por esses dias. Começaram a perceber que os ataques ao bolsonarismo não eram discurso despeitado de quem perdeu as eleições. Nem gente que quer ter uma boquinha. Começaram a perguntar o que é ditadura.

Vários vieram pelo chamado das torcidas organizadas. Que decidiram se unir para enfrentar esse pessoal que conhecem bem: a repressão das policiais militarizadas que perseguem pretos pobres. Já havia visto essa reação dos jovens da periferia em 26 de junho de 2013.

Mas, e a esquerda tradicional? Como agiu? Com covardia extrema. Trata-se de uma esquerda desconectada do mundo real, focada em valores da época do lulismo. PT, PCdoB, PSB, PSOL e PDT possuem um quinto dos vereadores e prefeitos do país. É um exército político sem generais. O PSOL foi à guerra, mas os outros 4 partidos que citei ficaram no muro. Em Belém do Pará, os 5 se uniram para não apoiar as manifestações. Algo raro na última década. Quais os motivos deste pânico? A leitura parlamentar do jogo político que os engoliu.

A lógica parlamentar é marcada por uma estética da fala: discursos épicos, definitivos, muitas vezes, de confronto. Porém, a prática é cândida, de longas e permanentes negociações com seus pares no parlamento. Jogam em espaços curtos fazendo jogadas capciosas. A esquerda tradicional brasileira é dominada por esse estilo parlamentar, discursivo, de pouca prática incisiva no mundo real. Fazem notas públicas, petições online, distribuem números de WhatsApp e e-mail de autoridades públicas para serem pressionadas via internet. Esse jogo estético que leva a quase nada.

Pior: desde o impeachment de Dilma, destilam um discurso defensivo e medroso. Vários expoentes dessa esquerda de tipo parlamentar – que muito fala e pouco faz – começaram a bradar que o golpe está perto, que não haverá eleição, que o apocalipse é “now“. Já sugeri que se trata de uma faceta do transtorno do estresse pós-traumático. O impeachment de Dilma, a prisão de Lula e os absurdos votados pelo Congresso Nacional se somaram às eleições de alguns governadores e um presidente de extrema-direita. Arriaram. A esquerda acometida por transtorno do estresse pós-traumático teme a extrema-direita. Acredita que formaram um bloco poderoso, articulado aos interesses dos EUA, fechado no apoio das FFAA e das PMs estaduais, com um núcleo de apoio social estabilizado ao redor de 30%.

Essa leitura enviesada acaba invariavelmente sugerindo que já vivemos uma espécie de ditadura velada. A construção discursiva é absolutamente subjetiva, sem base na realidade concreta, um rebaixamento conceitual e político que raramente presenciamos na história da esquerda.

O medo e a baixa autoestima começaram a derrotar moralmente essa esquerda de tipo parlamentar. Anda como siri; corre como siri para dar impressão de movimento, aquele jogo do Dunga para inglês ver. Não poderia dar em outra: condenaram a saída às ruas. Sair às ruas, disseram, seria dar pretexto para uma intervenção militar. Não importavam a queda de popularidade de Bolsonaro e seu governo, os rachas no interior do governo, o enfrentamento sóbrio do STF aos desmandos do governo, as reações de jovens nas redes sociais. Não importaram os dados sobre aumento estratosférico dos índices de desemprego, as ações de solidariedade envolvendo muitas organizações populares, a queda vertiginosa de renda dos pobres, as mortes diárias por Covid19. Para a esquerda parlamentarizada, os dados são adornos.

Enfim, a esquerda parlamentarizada é aquela que não consegue utilizar os dados objetivos da realidade e não consegue enxergar os sinais da subjetividade popular. Porque está sempre na tribuna. Essa esquerda parece envelhecida precocemente, embebida em formol.

Mas, no confronto com o que ocorreu ontem, essa esquerda deixou estampada a diferença dos ambientes em que ficou paralisada nesse domingo e o ambiente para onde foram os jovens negros das periferias. Um apartheid comportamental de grande envergadura.

O discurso de muitos jovens que ontem estavam nas ruas era irônico, forte, de esquerda ou flertando com os valores de esquerda. Nenhum de direita. Todos falavam do enfrentamento de classe. Sim, usavam o termo classe social. Não estavam para brincadeira.

Então, aqui vai minha percepção: ali pode estar a renovação da esquerda brasileira. A de um novo ciclo, mais pujante, com menos vícios institucionais. Talvez, esteja apontando o começo do ocaso do lulismo. Um bastão repassado em que o corredor de antes já cumpriu seu papel.

Essa possível renovação das esquerdas é mais ousada, mais curtida pela vida, menos classe média, menos branca, menos masculina. Aprenderá a lidar com o jogo de xadrez, mas, agora, prefere boxe. Se puder mesclar os dois tipos de jogos, será mais preparada que a esquerda atual.

Aguardo confirmação. Sociólogo é preparado para ler tendências. Algumas se realizam, outras minguam no desenrolar dos acontecimentos. Sociólogo não prevê, mas treina seu olhar para enxergar tendências. Essa é uma: a esquerda acovardada deu lugar aos jovens da periferia.

Este é um texto de opinião de um(a) autor(a) convidado(a). As opiniões aqui presentes não necessariamente refletem as visões do vereador Toninho Vespoli, ou de sua equipe.

Rudá Ricci

Rudá Ricci

Rudá Ricci é Sociólogo e Doutor em Ciências Sociais

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Somos Mesmo 70%?

Somos Mesmo 70%?

Entenda por que nem todas as pautas cabem em 70%

Longe de mim causar divisionismos ou criar cisões neste momento de união para derrubar Bolsonaro. Acredito que realmente tem que ter união e mãos dadas para derrubar Bolsonaro, mas não podemos esquecer que muita gente que apareceu agora, quer sentar na janelinha, estava no palanque bolsonarista até ontem.

As pessoas não podem se arrepender? Evidente que podem, mas se arrependeram de ter votado e apoiado Bolsonaro ou se arrependeram por apoiar um projeto neoliberalista e completamente fascista?

Me explico: agora, Bolsonaro está sujo de lama até o pescoço, fazendo aliança até com o centrão. Dando mão ao diabo para se salvar. Logo, quem o apoiou, tipo o Sergio Moro, está fazendo questão de se distanciar para não parecer fedido e lunático.

Mas essas pessoas não se arrependeram de apoiar o projeto político e econômico de Bolsonaro. Essas pessoas acreditam e defendem as reformas neoliberais de seu governo, privatizações, ataques ao meio ambiente, teto de gastos e mais um monte de ataque ao Estado.

Não rejeitamos apenas Bolsonaro

Entendo que na lógica esses 70% são os que não apoiam o governo Bolsonaro e nesse balaio tem um montão de gente. Legal! Positivo! Mas não podemos nos furtar a fazer algumas perguntas e apontamentos. E com toda a paciência e didática do mundo dizer que não só rejeitamos Bolsonaro, mas que rejeitamos também a política econômica de Guedes o guru liberal da direita.

Precisamos estar atentos e de olhos abertos, pois podemos fazer coro ao MBL e a dita grande imprensa, que até ontem aplaudia e queria Bolsonaro presidente, mas hoje o rejeitam, porém sem rejeitar Guedes e seu projeto antipovo.

Hoje, na luta contra o bolsonarismo e o fascismo, somos 70% e não podemos nos calar. Mas não podemos esquecer que quando isso passar, e vai passar, temos que continuar lutando por igualdade e pelo fim do abismo social que há entre ricos e pobres.

Passando esse governo fascista, temos que lutar por um Brasil que respeite os mais pobres e crie mecanismos para reduzir essa gritante desigualdade social que esmaga pretos e pobres que foram colocados na base da pirâmide social. Precisamos inverter essa pirâmide.

Passando esse governo fascista, temos que lembrar que o liberalismo é nosso inimigo e os ricos precisam pagar mais impostos e pagar por essa crise que eles criaram. Hoje, para derrotar o fascismo e Bolsonaro, nos colocamos na mesma trincheira de luta, mas não podemos esquecer que defendemos aqueles que sempre foram colocados a margem. A nossa luta é contra o capitalismo. A nossa luta é luta de classes.

Somente um projeto popular pode nos representar

O capitalismo e a direita já preparam seus nomes para 2022. A ideia deles é colocar um fascista engomadinho disputando as urnas. Doria, Huck ou Moro, os queridinhos dos empresários, amigos do centrão e escolhido pelas organizações globo. Somente um projeto que faça frente a isso pode encontrar lastro na sociedade e apresentar saídas.

Passa pela esquerda a discussão de um projeto que aponte saídas para a crise criada pelos ricos e poderosos. Passa pelo entendimento que o fascismo sempre esteve atrelado a governos de direita e que aprofundaram o capitalismo.

Somente um projeto popular pode de fato ser uma iniciativa que nos representa.

Então, hoje estamos entre os 70% que rejeitam Bolsonaro e seu programa. Mas não! NÃO! Não somos 70%. Somos aqueles que defendem o Estado e os mais pobres e excluídos.

Edcarlos Bispo

Edcarlos Bispo

Edcarlos Bispo é jornalista, ativista e atualmente ocupa o mandato do Vereador Toninho Vespoli como assessor parlamentar

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

A importância do ano letivo ou como estamos fingindo que ele existe.

A importância do ano letivo ou como estamos fingindo que ele existe.

Entenda porque uma geração pode acabar não tendo o ano letivo

Pensem comigo: tenho 199 estudantes em 7 turmas de Ensino Fundamental I, dos quais apenas 29 acessam de forma bem esporádica as atividades da plataforma virtual que insistem em chamar de sala de aula. Agora façamos uma pausa para interpretar os dados. 1, 2, 3… Fez? Eu fiz.

O caderno Trilhas de Aprendizagens foi aparentemente entregue a todas as crianças da minha EMEF. Digo aparentemente porque temos famílias que, na prática, estão desaparecidas. Os endereços cadastrados ou não existem ou estão errados, algumas famílias vivem em comunidades onde os correios não entram e outras, apesar de possuir o endereço cadastrado corretamente, nos informaram que o material nunca chegou.

Imagina os tantos que não poderiam usar EAD?

Aqui na zona norte de São Paulo, não muito longe do bairro de Santana, existem comunidades tão fechadas que o correio não entra, seja pela impossibilidade do terreno ou por não terem autorização da “coordenação” do local. Nestes locais também não entra o respeito e, portanto, o ensino remoto público e gratuito para todos também tem ficado de fora. Cenário muito diferente daquele que deveríamos ter.

Com as portas da escola abertas somos capazes de auxiliar, cuidar e alimentar as crianças. E isso é uma escola, um lugar que integra a vida do ser humano de forma ampla para além da transmissão de conteúdo. Acontece que com a pandemia de COVID-19, as portas estão fechadas para estudantes e educadores, que agora se comunicam virtualmente. Bem, nem todos.

Do trabalho à exaustão

Todos os dias, eu vou dormir exausta dos múltiplos grupos de trabalho e das diversas reuniões virtuais me perguntando se os estudantes ainda estão vivos. Sinto falta da minha pitocada, como costumo chamar minhas crianças cheia de amor e agora com lágrimas nos olhos. Eu não me formei uma transmissora de conteúdo, eu me formei aprendiz da essência educadora. Tive o privilégio de encontrar na minha formação pessoas que me ensinaram a olhar os pequenos humanos para além de sua capacidade técnica. Aprendi que eu não ensino mais do que eles me ensinam e aprendi a criar possibilidades para que os estudantes se expressem com carinho, atenção, respeito e diversamente. E sigo pequena, muito menor que eles, ainda aprendendo com muito orgulho de ser professora da rede pública o que significa a prática educativa.

Desde que o ensino remoto emergencial teve início, estamos nos desdobrando para conseguir transmitir de alguma forma tudo o que acreditamos ser um ensino de qualidade. Todas as orientações didáticas, componentes curriculares, matrizes de saber, ODS, etc. precisaram ser condensadas em cliques, vídeos no youtube, adaptação da linguagem, reuniões e mais reuniões para descobrir como ensinar sem compreender a tecnologia necessária e sabendo muito bem que a maioria dos estudantes não a possuem. Temos feito tudo que está em nosso poder para que todos os estudantes entrem na plataforma virtual: ligações, mensagens nas mídias sociais, vídeos explicativos, comunicados, recados via moradores do bairro e, até agora, 29 de 199 crianças.

Tudo foi feito às pressas. Não tivemos tempo de entender como seria a nossa vida na quarentena, não nos foi dado o direito ao planejamento, não fomos consultados em nada e as normativas ainda estavam sendo construídas enquanto já tinham nos imposto a nova maneira de dar aula. Estamos enlouquecendo para nos apropriar de uma linguagem que está anos-luz distante da ideal para a educação. É ultrajante que o sistema educacional seja [des]construído desta maneira, mesmo que em caráter emergencial.

jogados ao mar, sem colete salva vidas

As equipes de professores, gestores e apoio pedagógico foram jogadas num barco sem remos em meio ao mar agitado. Nossas crianças sem coletes em pequenos botes individuais. Algumas sabem nadar, outras não. A situação é desesperadora e de alto risco, pra dizer o mínimo. E quem nos guia? Para onde vamos? Com qual intuito? Chegaremos em terra firme e o governo nos receberá dizendo que fizeram a parte deles. Mas a verdade é que não sabemos quantos grandes ou pequenos humanos conseguirão chegar e nem quando. Este é o propósito de manter um ano letivo virtual e praticamente imaginário?

Ensino não se faz à distância. Ponto. Num momento tão importante da formação humana, jogamos as ferramentas e alguns poucos materiais na mão dos pequenos e dizemos “construam uma casa forte!”. Que raio de educação é essa? Não é nosso papel ajudar a construir esta casa? Que autonomia têm as crianças para dar conta de um formato
atropelado de “sala de aula” que nem nós fomos ensinados a viver? Que nosso trabalho é essencial eu não tenho dúvidas, mas ele é essencial agora, quando pessoas passam fome e morrem sem os cuidados adequados, sem leitos de UTI, sem água para lavar as mãos? Qual é a prioridade: manter um canal afetivo de cuidado ou fingir que as aulas estão funcionando? Para quem? Para quantos? Onde está o para todos se apenas 29 de 199 crianças conseguem acessar a plataforma? Devemos considerar o ano letivo inválido para as 170 restantes?

Minha pitocada, os pequenos humanos, estão na fase da descoberta do corpo, dos sentidos, do espaço e do outro, fase única e importantíssima para o desenvolvimento motor, da individualidade, do coletivo e do afetivo além daquele proporcionado pela família. As construções nesta fase são a base do que futuramente será o indivíduo, portanto, o ensino remoto, apesar de emergencial, não é capaz de atender nenhuma das necessidades básicas da educação e não está chegando nem ao mínimo aceitável de estudantes atualmente.

Não liberam os auxílios

Enquanto os números de contágio e óbito só aumentam e o auxílio emergencial federal fica retido em mais um ato fascista de crueldade, não é dever de prefeituras e estados amparar o máximo de pessoas possível como as famílias em comunidades fechadas ou as que vivem em casas de palafita? Vidas seguem perdidas! Roubadas! É hora de guardar luto, cuidar dos próximos, socorrer os aflitos! E ao invés de dar um suporte afetivo, alimentar, salarial e igualitário a TODOS estudantes da cidade de São Paulo, estamos aqui trabalhando por um ano letivo que já deveria estar suspenso e nos perguntando: estão vivos? Os meus 170 pitocos que não entraram na sala de aula virtual estão vivos? Têm comida? Passam frio?

As contradições permanecem. Do lado de lá, discursos sobre o “respeito à democracia e à saúde” e, do lado de cá as crianças desamparadas, gestores e equipe de apoio correndo risco ou morrendo por serem forçados a cumprir a função de seguranças do patrimônio e professores sobrecarregados num trabalho remoto que não atende a todos. Pela televisão, os planos de reabertura são anunciados. Enquanto isso, mais uma criança perde a vida para o descaso público mascarado na subnotificação dos óbitos. Um pequeno humano que não vai voltar para escola quando a reabertura se der de fato. Mas, por enquanto, seguimos postando as atividades no sistema. É mais uma tragédia
escancarada na cidade de São Paulo.

*Marília Moreno é professora da PMSP e escritora indignada com o passado, presente e
futuro do ensino público nacional.

Marília Moreno

Marília Moreno

Marília Moreno é professora da PMSP e escritora indignada com o passado, presente e futuro do ensino público nacional.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho