Covas

Para além de combater a Covid, vamos combater o neoliberalismo

Para além de combater a Covid, vamos combater o neoliberalismo

Para além da covid, o problema é o neoliberalismo. Entenda porque:

Não é crise. É um projeto com nome, ideologia, pensadores e até escola. Antes de mais nada, é preciso destacar que ainda que não acontecesse a pandemia de Covid-19, a situação do povo brasileiro, paulista e paulistano não estaria melhor. O projeto neoliberal de Bolsonaro, Guedes, Doria e Covas tem por ideal sucateamento do Estado e o esfacelamento das políticas públicas vigentes.

Antes do surgimento da pandemia, o discurso dos liberais era o de entrega total dos bens públicos. Bolsonaro e Guedes, assim como Doria e Covas, traçaram planos e planos de privatização, sob o pretexto de enxugar e tornar mais eficiente a máquina pública. No fundo, a realidade já conhecida por todos, é a de pagar os empresários patrocinadores de suas campanhas eleitorais.

Infelizmente, desde 2019, o mundo vive com uma das piores pandemias de sua história. No Brasil, a pandemia aportou em março de 2020, um ano depois, vemos uma segunda onda destruir famílias, levar milhares de vidas e arrasar a já combalida economia do país. O discurso neoliberal de Bolsonaro e seus asseclas preferiram minimizar a pandemia e tomar medidas tímidas de combate ao vírus.

Nesse sentido, vale reforçar que Bolsonaro, Doria e Covas são frutos da mesma árvore, ou em um linguajar bem mais popular são todos farinha do mesmo saco. Bolsonaro é um genocida sem vergonha, age de forma a causar mais mortes, porém Doria e Covas, mesmo usando máscaras e não aglomerando, agem de forma covarde e melindrosa no combate à pandemia.

Doria cria nomes para as fases de restrição no estado, mas não há nada de novo sob o sol. Não criou uma renda emergencial no estado, não fechou as escolas, não socorreu micro e pequenos empresários. Covas enviou para a Câmara um projeto de renda emergencial em fevereiro. O valor é um escárnio: R$ 100. Aqui ainda vale ressaltar que o projeto foi aprovado em fevereiro e só agora, quase abril, foi pago.

Neste momento em que tudo se turva no horizonte, nós que defendemos um outro projeto de governo, um outro modelo de sociedade, não podemos deixar de dizer que tudo seria diferente se o projeto político em prática no país não fosse o liberal/neoliberal. Um modelo onde o povo e a defesa da vida de todos está no centro da administração pública não permitiria esse genocídio do povo brasileiro.

Por fim, para responder ao segundo parágrafo deste texto, destaco o papel do SUS, do Butantan, da Fiocruz e das Universidades públicas. Os serviços públicos mostraram o seu papel e a sua importância. Mostraram aos privatistas que se não há serviço público de qualidade e forte quem perde é o país e não apenas os servidores. Por isso, viva o SUS, viva os servidores e vacina já para todos.

Toninho Vespoli

Toninho Vespoli

Toninho Vespoli é vereador em São Paulo pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Covas, o radicalmente mentiroso

Ao rei e seus amigos, tudo; aos verdadeiros trabalhadores do município, nada

Não, São Paulo não é uma monarquia, mas os tucanos e seus satélites tratam como se assim fosse. Mandam e desmandam, fazem e desfazem sem ligar para a justiça ou opinião pública, essas tão responsáveis e culpadas pelo que o tucanato faz na cidade e no estado.

A base governista na Câmara Municipal resolveu votar um aumento para o prefeito, por mais que fique em silêncio Bruno Covas não foi pego de surpresa e, provavelmente, foi quem pediu e autorizou a colocação desse projeto em votação, até porque para que ele entre em vigor é necessário a sanção do executivo.

Entenda essa votação absurda

Vamos aos fatos: na sexta-feira (18/12) foi convocada sessão extraordinária para segunda-feira (21/12). Na pauta o projeto 173/2018 que versava sobre reajuste anual dos servidores da Casa. Obviamente, conhecendo o andamento da Câmara isso já era motivo para ficar atentos, já que a correção inflacionária é ação da mesa diretora e consenso entre a maioria dos funcionários e um PL de 2020 seria aprovado sem problemas.

Acontece que a Câmara tem a estranha mania de votar, no final do ano civil e do ano legislativo, leis que atacam frontalmente certas categorias da sociedade e, por outro lado, projeto que concedem benefícios a eles próprios e ao prefeito. Por exemplo, em 2016 os vereadores aprovaram o aumento dos seus próprios salários. Já em 2018 votaram pelo confisco salarial dos servidores públicos. Ambos os casos em dezembro desses anos.

Como 2020 foi um ano atípico, tinha-se a crença que os legisladores pegariam leve. Iam entender o recado da sociedade dado nas urnas e respeitar o fato que o poder de compra do povo caiu, inflação subiu, desemprego está em alta e por isso não iriam votar coisas em benefício próprio. Estávamos enganados.

Desrespeito com quem está na linha de frente contra a Covid-19

Durante o ano o professor Toninho Vespoli lutou para que fosse dado um abono aos profissionais de saúde e das demais carreiras do funcionalismo que estão na linha de frente do combate a Covid-19. A base do governo nem deu importância. A alegação era sempre falta de dinheiro em caixa.

Toninho propôs e a Câmara até aprovou que hotéis ociosos acolhessem a população em situação de rua, ou até mesmo fossem usados para abrigar os profissionais de saúde para que ficassem mais próximo aos seus postos de trabalho, mais uma vez não saiu do papel. Quem estava na linha de frente da luta contra o coronavírus ficou a mercê da própria sorte. Algumas vezes até sem equipamento de proteção.

Desrespeito com todo o funcionalismo  

A justificativa para o reajuste de 46 % para Covas, Ricardo Nunes e os secretários municipais é que se trata de reposição inflacionária. A mesma reposição que o Tribunal de Contas do Município (TCM) mostrou que a Prefeitura não paga a inúmeras carreiras do funcionalismo.

Veja a matemática de Bruno Covas: o prefeito fez sobrar dinheiro, pagando 0,01% anuais para quase metade do funcionalismo e confiscando 3% dos salários e aposentadorias, com o Sampaprev. De 2008 a 2019, a receita da Prefeitura cresceu cerca de 175%. A inflação, pela FIPE, 86%. O TCM mostrou que, para quase metade do funcionalismo, desde 2008, houve perda de cerca de 45%. Pertinho dos 46% do reajuste!

Covas ainda pagou, ferindo a lei 13.303/2002 e a Constituição, só 0,01% anuais para todos estes servidores, mas hoje a Câmara aprova aumento de 46 % no seu salário, do vice e secretários. Apesar de diminuir o salário real e a aposentadoria dos servidores, a Receita cresceu, durante sua gestão, mais de 30 %, mais que o dobro da inflação. Em breve, vai dizer que precisará de um novo Sampaprev, pois gasta muito com o funcionalismo. Uma grande mentira, pois só gasta 35 % com pessoal direto.

Covas, o radicalmente mentiroso 

Passado o período eleitoral e vitória sacramentada, Covas mostra, de fato, quem é o mentiroso e radical em questão. Aquele que mentiu aos trabalhadores das conveniadas dizendo que daria aumento pra elas e nada até agora. O prefeito que segurou os dados de contágio na cidade e dizia que era “fake News” que a cidade teria uma segunda onda e teria que retroceder para a fase amarela do Plano São Paulo.

Covas e sua base mostram agora que são mentirosos e radicais demais e aumentam em 46% o próprio salário. Olha quanta radicalidade.

Com informações da Anis

Edcarlos Bispo

Edcarlos Bispo

Edcarlos é jornalista e assessor do mandato do professor Toninho Vespoli

Boulos Vai Vencer!

A Virada começou! Boulos dispara na última pesquisa do Ibope Datafolha (dia 08/10)! Cresceu em 50%, de 8 para 12 pontos percentuais na pesquisa estimulada. Boulos é o candidato que mais cresce em São Paulo! E isso apesar de todas as dificuldades que a direita e a mídia burguesa tem jogado contra Boulos e Erundina! Cancelaram os debates na Record, CNN, SBT e Rede TV. Estão ficando com medo! Medo da mudança e da Revolução Solidária que se encaminha. Mas juntos conseguiremos vencer! Boulos é o único candidato que pode vencer o BolsoDoria! Russomano é o candidato do Bolsonaro, o candidato do fascismo, das milícias, do racismo, machismo e LGBTQfobia! Covas é o candidato de Doria, o candidato do banho frio em moradores de rua, do desinvestimento na educação direta, da reforma da previdência municipal, da venda da cidade! Boulos vai mudar São Paulo! Boulos e Erundina são os candidatos da esperança, da solidariedade, dos conselhos populares, da luta por moradia, dos mutirões, do orçamento participativo... E juntos eles vão mudar para valer São Paulo! Boulos é o candidato que mais cresce em São Paulo! E juntos com Toninho cnseguirão mudar São Paulo!

Boulos encosta no Russomano rumo ao segundo turno!

Agora é pra valer! Boulos subiu ainda mais na última pesquisa do Datafolha (dia 22/10)! Cresceu para 14 pontos, e encostou em Russomano! Boulos é o candidato que mais cresce em São Paulo! O Russomano está dando o seu vôo de galinha habitual, e agora desidrata! A periferia está percebendo o farsante que Russomano é, e preferindo gente como o Boulos e o Toninho Vespoli 50650! A direita e a grande imprensa estão morrendo de medo do Boulos no segundo turno! Medo da mudança e da Revolução Solidária que se aproxima. Mas juntos conseguiremos vencer!

Boulos é o único candidato que pode vencer o BolsoDoria! Russomano é o candidato do Bolsonaro, o candidato do fascismo, das milícias, do racismo, machismo e LGBTQfobia! Covas é o candidato de Doria, o candidato do banho frio em moradores de rua, do desinvestimento na educação direta, da reforma da previdência municipal, da venda da cidade!

Boulos vai mudar São Paulo!

Boulos e Erundina são os candidatos da esperança, da solidariedade, dos conselhos populares, da luta por moradia, dos mutirões, do orçamento participativo… E juntos eles vão mudar para valer São Paulo! Boulos é o candidato que mais cresce em São Paulo! E juntos com Toninho cnseguirão mudar São Paulo!

Os outros candidatos, Russomano e Bruno Covas começam com mais dinheiro, mais apoio na mídia e mais tempo de TV. Mas nós temos o apoio popular, de milhares de pessoas engajadas com a nossa campanha. E é assim que nós conseguiremos vencer o fascismo: com a força do povo!

Para ajudar Boulos a governar precisamos de uma Câmara forte e competente. Por isso que Toninho Vespoli precisa ser reeleito, para ajudar Boulos e Erundina a governarem São Paulo! Assim nós conseguiremos ir pra frente com a mudança! Vencer o Fascismo, a corrupção e o “jeitinho” da direita! Vamos juntos!

Doe para nos ajudar a fazer a construir a mudança na Câmara dos Vereadores!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Dória e Covas Desmontaram O SUAS Em São Paulo

Dória e Covas Desmontaram O SUAS Em São Paulo

Saiba como a direita desmonta a Assistência Social em São Paulo!

O balanço de 42 meses da gestão de Dória e Covas na Prefeitura de São Paulo é inequívoco quanto ao desmonte intencional do SUAS na cidade de São Paulo.

Trata-se de uma evidência que vai além dos cortes de recursos decretados e da tentativa de retirar, do âmbito da Assistência, serviços que são típicos desta área.

O desmonte é facilmente demonstrado nos números.

Mesmo sob forte crise econômica e, depois, a emergência pandêmica, que aumentaram enormemente as situações de vulnerabilidade e risco, o Governo que está em vias de se encerrar cortou recursos, ofertas de serviços e vagas, justamente dos segmentos da população que mais dele necessitam.

E não por falta de recursos. Ao contrário. Como se pode observar, em que pese a crise econômica, o erário municipal não foi afetado, registrando, no período, significativo aumento real de arrecadação.

O desmonte, não obstante, não foi efetivado somente quanto aos serviços parceirizados. Os serviços diretos foram estrangulados pela ausência de reposição de servidores que ingressaram na inatividade ou foram exonerados. Os trabalhos sistemáticos de levantamentos e pesquisas da vigilância foram praticamente abandonados, também porque se mostrou conveniente deixar de mensurar as demandas a serem atendidas, frente à opção de corte de recursos e ofertas.

Os Gastos com a Assistência e as Receitas da PMSP

Pagamentos a Parceria. Janeiro/2017 a Junho/2020

Mês

Ano

Gasto Total MensalGasto Proteção BásicaGasto Proteção Especial
Janeiro 201778.894.271,7341.536.238,2937.358.033,44
Junho 201779.594.791,2941.367.782,0438.227.009,25
Junho 201880.650.027,2040.036.119,0540.613.908,15
Junho 201983.432.288,8741.309.445,8742.122.843,00
Junho 202084.096.013,3441.320.302,9342.775.710,41

Variação

 

5.201.741,61 (6,7%)

 

-215.935,36

 

5.417.676,97

Receita Corrente Líquida. 1º Quadrimestre/2017 a 2º Quadrimestre 2020

 

Período

 

Montante

1º Quadrimestre 2017

 

43.450.719.024,16
2º Quadrimestre 2020

57.523.541.134,49

 

Variação

 

 

14.072.822.110 (32,4%)

 

 

O aumento nominal do gasto mensal com o total de parcerias, entre Janeiro de 2017 e Junho de 2020, foi de R$ 5.201.741,61. Este valor representa um aumento percentual 6,7 % do gasto. O que significa uma diminuição do valor REAL desembolsado, já que a inflação oficial, medida pelo IPCA, variou, no mesmo período, 11,22 %.

Esta variação deve ser creditada, quase totalmente, aos valores nominais aumentados na Proteção Especial de Alta complexidade, como se verifica da tabela acima, e num único tipo de serviço. Ao mesmo tempo, a Proteção Básica teve REDUÇÃO REAL e NOMINAL dos recursos empregados, desde o início de 2017, gastando-se MENOS, mensalmente, em Junho/2020, R$ 215.935,36.

O desinvestimento é ainda mais gritante quando se constata que, em período próximo, que abrange o primeiro quadrimestre de 2017 até o segundo quadrimestre de 2020, houve aumento da Receita Corrente Líquida da Prefeitura, da ordem de 14.072.822.110, ou 32,4%, em termos percentuais, quase três vezes a variação inflacionária do período analisado.

Mesmo com a disponibilidade de recursos para expandir significativamente a oferta na Assistência, área prioritária de atendimento social, o saldo negativo de 12.747vagasrepresentou, em Junho/2020, o percentual de 5,6% a MENOS, em relação a Janeiro/2017.

Esta política de corte de gastos, em prejuízo da abrangência e qualidade dos atendimentos, estende-se à Administração direta. Segundo informações prestadas pela própria Municipalidade, havia, em Janeiro/2017, 1087 servidores em atividade, em SMADS. Em Junho/2018, este número foi reduzido para 964, resultando numa diminuição de 123 profissionais, com uma economia mensal aferida de cerca de R$ 329.000. Também nesta ocasião, havia 695 servidores efetivos, em atividade, e em Março/2019 já havia 128 destes em condições de aposentadoria.

Serviços e Vagas da Rede Parceira de SMADS. Janeiro/2017 a Junho/2020

Ano

Mês

TotalServiçosTotal Vagas

Serviços

Básica

Vagas

Básica

Serviços

EMC

Vagas

EMC

Serviços

EAC

Vagas EAC
Janeiro 20171280225.319800178.57024430.99323615.756
Junho 20171283226.166797178.35024631.34324016.473
Junho 20181263220.629772169.27023830.46125320.898
Junho 20191257219.837766167.49022930.66226221.685
Junho 20201229*212.572740162.72022729.36726220.485

Variação

Total

 

-51

 

-12.747

 

-60

 

-15.850

 

-17

 

-1.626

 

26

 

4.729

A partir de 2018, houve redução constante do total de serviços mantidos em parceria por SMADS, bem como do total de vagas oferecidas.

Ao longo do período de3 anos e 6 meses da atual Gestão Municipal, em que pese eventuais alterações nos quantitativos de determinados serviços, houve sensível diminuição no número destes e de vagas na Proteção Básica, diminuição de menor proporção na Proteção Especial de Média Complexidade e aumentos na Proteção Especial de Alta Complexidade, esta somente em razão de um incremento pontual;

Neste período:

  1. houve diminuição total de 51 serviços parceirizados e de 12.747 vagas;
  2. na Proteção Básica, foram fechados 60 serviços e 15.850 vagas;
  3. na Proteção Especial de Média Complexidade, foram fechados 17 serviços e 1.626 vagas;
  4. na Proteção Especial de Alta Complexidade foram abertos 26 serviços e 4.729 vagas. Este resultado deriva do aumento de somente uma modalidade de serviço, a dos centros de acolhida para população em situação de rua. Elevação, entretanto, menor que o aumento desta população, em período semelhante, conforme o último Censo da População de Rua, na cidade de São Paulo.

Aumento da Desproteção Socioassistencial

A diminuição de recursos, em conjuntura de elevação das situações de risco e vulnerabilidade, além da desqualificação dos serviços, aumenta a desproteção social.

Exemplo desta política de recrudescimento do risco e da vulnerabilidade se encontra, sintomaticamente, na oferta de serviços e vagas de Centros Para Crianças e Adolescentes – CCAs, que tem essencial papel preventivo.

Ano

Mês

Número de

CCAs

Vagas

 CCAs

Janeiro/1749473.490
Junho/1749373.430
Junho/1848471.840
Junho/1948571.670
Junho/2046768.580

Variação

Total

 

-27

 

 

 

-4.910

Em 2017, no último levantamento sistemático publicado sobre a demanda por este Serviço, com base no CADÚnico, estimava-se que somente cerca de 12 % das crianças e adolescentes com perfil socioeconômico para frequentarem estes serviços, neles se encontravam.

Em que pese esta demanda haver aumentado, pelo crescimento populacional e da vulnerabilidade social, a SMADS, entre Janeiro/2017 e Junho/2020, patrocinou o FECHAMENTO de 27 serviços e de 4.910 vagas.

ANIS

ANIS

Para a frente municipalidade em Defesa do SUAS.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

A Direita Burra Privatiza Tudo

A Direita Burra Privatiza Tudo

Entenda porque só Toninho 50650 e Guilherme Boulos 50 podem garantir serviços públicos de qualidade!

Voltaram a debater sobre o leilão dos Correios! A ideia é péssima. Uma empresa privada tem interesses muito diferentes de uma empresa pública. O privado quer dar lucro, sempre, acima de tudo! o público possuí um interesse social: de entregar os serviços à população mais carente, que não pode pagar, da qual não daria para tirar lucros. Infelizmente, a direita prefere, antes, garantir os interesses de grupos privados! E não apenas o Bolsonaro, mas toda a direita! Hoje, também, foi votado o PL 529/2020 do governador João Doria, que extingue uma série de equipamentos públicos, inclusive a EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo). Na cidade São Paulo, por fim, tanto o Bruno Covas quanto o Russomano são abertamente a favor de privatizações. A direita burra privatiza tudo. Apenas Boulos e Toninho Vespoli 5060 são capazes de frear este tipo de absurdo!

Absurdo privatizarem os Correios!

Os Correios são uma das empresas mais confiadas no Brasil. Considerando o pouco dinheiro que recebem fazem um serviço incrível! E a preço, inclusive se comparado com outros países, bastante baixos! Nenhuma empresa no Brasil consegue fazer o que os Correios fazem. O próprio Mercado Livre, que faz comercial dizendo que entrega em todo o Brasil, omite que usa, na verdade, os serviços dos correios no seu programa de entregas! Privatizar resultaria em preços maiores e em cobertura menor. A razão é muito simples: dessa forma daria mais lucro para os empresários. Acontece que empresa pública não é que nem empresa privada. O objetivo não é o lucro, e sim o atendimento a toda a população, independentemente de renda!

É lógico que para o ranço privatizante da direita a questão não são bons serviços, e sim dar mais lucro aos grandes empresários. Em todas as esferas de poder a direita tenta, feito criança teimosa, privatizar tudo o que pode. Hoje mesmo, por exemplo, a ALESP aprovou o PL 529/2020 que extingue 6 equipamentos públicos, entre eles a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) e a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU). O projeto foi, ainda, aprovado de madrugada, na calada da noite, justamente para que não houvesse debate e transparência com o povo. Naturalmente, o projeto não explica o que viria a substituir as empresas extinguidas. Apenas as extingue por que sim, e ponto final. Sem debate, sem transparência e sem razão! A direita burra privatiza tudo!

O ranço privatista da direita!

Pouco importa pensar se os serviços extintos vão ou não ser entregues ao povo. Estas questões são levadas a segundo plano, como se fosse um detalhe, a ser analisado e decido junto com o executivo, de cima para baixo. Certamente a solução adotada, seja qual for, tornará uns poucos empresários amigos muito ricos. Afinal, João Doria está lá a serviço da elite, e não a serviço do povo!

Bruno Covas não é diferente. Desde que assumiu a prefeitura tenta desviar dinheiro público para grupos privados. Faz assim na educação, na saúde, nos projetos culturais. E o povo nunca é consultado! Fez, ainda, de tudo para privatizar o complexo do Anhembi, além de tentar jogar as aposentadorias para os bancos privados, com a reforma da Previdência. Ou seja, tentou de tudo para vender São Paulo. 

Russomano é outro que quer privatizar tudo. Não liga para os pobres, para quem não teria dinheiro para comprar do privado! Ao invés já caminha encima do muro falando de privatizações e parcerias público privadas. É sempre assim que começa! A direita burra privatiza tudo. Não podemos esquecer que o Russomano é favorito do Bolsonaro, o cara que fez tudo, desde o começo da gestão, para privatizar o Brasil.

Boulos e Toninho são diferentes!

Toninho Vespoli 50650 sempre soube de como a direita quer privatizar tudo a torto e direito. Por isso o seu mandato de vereador atua com força para barrar esses absurdos. Foi a principal liderança na Câmara Municipal contra o SAMPAPREV, reforma da previdência que obrigaria os servidores públicos a procurar aposentadoria privada. Fiscaliza escolas terceirizadas e OSs, por saber que nesses grupos é comum ocorrer corrupção e desvios. Mas apenas no legislativo ele só consegue ir até um certo ponto.

Por isso que é importante que Boulos seja o nosso próximo prefeito. Boulos vai melhorar e expandir os serviços públicos, sempre em conjunto com a população. Expandirá os debates com o povo pobre de periferia, para que a gestão seja realmente democrática e popular. Toninho Vespoli 50650, Vereador de periferia, é a pessoa certa pra liderar esses esforços na Câmara Municipal. Boulos e Toninho, essa dupla vai colocar a periferia no centro!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

VOLTA ÀS AULAS?

VOLTA ÀS AULAS?

Saiba como os servidores públicos, especialmente os ATEs, estão lidando com a incompetência tucana em tempos de pandemia!

Boa tarde meu povo!

Trabalho próximo de casa e, nas poucas vezes que saia e andava pelo meu bairro, me perguntavam “quando voltarão às aulas?”. Minha resposta era sempre a mesma. E sincera: “não tem previsão de volta”. Agora tem. Desde o início da pandemia, nossas autoridades, em todas as esferas, federal, estadual e municipal, conduziram a situação de forma, no mínimo incompetente, acentuando ainda mais as nossas profundas desigualdades.

O Presidente da República desdenhou da doença, incitou a desobediência às regras de isolamento e portou-se como um genocida. Não agiu, em nenhum momento, pensando no bem estar e na saúde da população. Muito pelo contrário. Governador e Prefeito insistiram em manter os festejos do carnaval, mesmo sabendo das medidas que estavam sendo tomadas nos países mais atingidos. Não decretaram o lockdown quando tiveram a chance, nunca puseram em prática a testagem em massa, tão importante para mapear a ação do vírus. Anteciparam o período destinado ao recesso escolar, suspenderam aulas, porém, as escolas não estão totalmente fechadas. Nós, ATE’s, agentes escolares e gestores das escolas, continuamos a trabalhar nestes três meses. Para quê? A comunidade praticamente não vem à escola. Viramos simples atendentes de telefone, prestadores de serviço de assistencialismo, como entrega de cartões e cestas básicas. Sem contar que estamos expostos a contaminação da Covid 19. Há vários relatos de falecimento de colegas que contraíram o vírus. Não vejo nenhum sentido em manter funcionando o atendimento nas unidades escolares, sem alunos e professores.

A máscara de Covas e Doria caiu rapidamente

Em poucos momentos, Dória e Covas pareciam conduzir com mais seriedade o combate à pandemia. Perto da atuação do presidente, o mínimo de seriedade os fez parecerem verdadeiros estadistas. Sabemos que nunca foram. A máscara caiu rapidamente. Relaxar medidas de isolamento e reabrir o comércio no meio da curva ascendente dos casos é de uma insanidade sem tamanho. Há muitos motivos por trás dessa irresponsabilidade. Não sou analista político, mas parece óbvio que a pressão do poder econômico está no cerne dessa questão. Deveríamos estar em isolamento total. Lockdown, tranca rua, não importa o nome. E o Estado tinha a obrigação de socorrer os pequenos empresários, para que o impacto da paralisação fosse reduzido ao máximo. Contudo, foram largados a própria sorte. Em nome do seu neoliberalismo selvagem, o governo brasileiro fechou os olhos e o cofre em meio à maior crise deste século. “Ah, tem o auxílio emergencial!” De emergencial ele não tem nada. Entre a aprovação no Congresso (à revelia do governo, que queria pagar R$ 200,00) e a liberação do dinheiro foram muitos dias de espera. Sem contar as dificuldades no cadastro e as falhas no pagamento. Um escárnio total.

No momento, não tem como voltar às aulas!

Diante de tudo isso, São Paulo quer reabrir as escolas em setembro. Imaginem as crianças da pré-escola tentando praticar o distanciamento, a usar corretamente as máscaras. Sem contar que poderão contrair o vírus e, mesmo tendo menor propensão a desenvolver a doença, podem contaminar pais e avós. O cenário parece ser terrível. E realmente é. Dizem as autoridades que as aulas retornarão apenas se houver condições para tanto. Mesmo se não houver, dirão que há. Sabemos como trabalham os tucanos. Deviam admitir o fracasso de sua estratégia e decretar o fim do ano letivo, sem prejuízo para alunos e funcionários. Aprendizagem por EAD não contempla a totalidade dos alunos. É injusto. Isto só atesta ainda mais a falta de comprometimento de João Dória e Bruno Covas com a educação de qualidade e o bem estar social da população mais carente. Devemos dizer não a volta às aulas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!
João Luís Lopes Pinheiro

João Luís Lopes Pinheiro

João Luís Lopes Pinheiro é jornalista e A.T.E. na PMSP

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!
Para além de combater a Covid, vamos combater o neoliberalismo

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho