desvio

Justiça Barra 29 milhões de Doria por Marketing Ilegal

Justiça Barra 29 milhões de Doria por Marketing Ilegal

Entenda como ação do Doria implica 29 milhões de reais do dinheiro público!

Justiça barra 29 milhões de Doria por marketing ilegal. O marketeiro do Doria aventureiro usou 29 milhões do dinheiro público para se autopromover. É o que indica liminar da justiça que congelou o valor das contas de Doria. Ocorre que na promoção de programa de asfaltamento em São Paulo, Doria usou de campanha de marketing para se autopromover. A campanha foi promovida com dinheiro público! A ação judicial investigando Doria data, ainda, de 2017 quando o, então prefeito, fazia campanha para governador. Abandonou a prefeitura deixando seu afilhado político o Bruno Covas. O programa de asfaltamento dos dois, além de só estar sendo implementado às vésperas da eleição para prefeito, prioriza bairros de luxo e deixa a periferia de lado!

Desde sempre que as ruas de São Paulo são esburacadas. Muitas vias ainda estão sem recapeamento algum! Na periferia isso ainda é, infelizmente, muito comum. Em 2017 Doria fez um programa de marketing bastante barulhento, falando que ia asfaltar São Paulo. O programa mal começou e Doria abandonou a prefeitura de São Paulo. Ficou apenas o marketing! Por perceber isso a justiça barra 29 milhões de Doria por marketing ilegal.

Toninho barra Doria!

Obviamente, é ilegal um político usar dinheiro público para se autopromover. E por isso hoje a justiça determinou o congelamento dos 29 milhões das contas do Doria. Não é a primeira vez que Doria é condenado por ações enquanto prefeito. O Toninho Vespoli 50650 já acionou o Ministério Público para impedir o slogan assassino da campanha de Doria “acelera São Paulo”. O mote de campanha, ainda mais no contexto em que Doria defendia o aumento de velocidades em vias públicas, era um convite à população paulistana para ser mais agressiva e irresponsável no trânsito. Toninho 50650 venceu Doria, e fez ele ter que pagar multa de 600 mil pelo slogan criminoso!

Foi, também, Toninho quem propôs uma ação popular contra o apagamento de grafites de Doria. Na época, Doria se mostrou inimigo das artes ao ordenar o apagamento de obras de grafite em toda a cidade! Mesmo em galerias em que os grafites eram permitidos! O processo de Toninho 50650, mais uma vez, foi vitorioso! Doria foi condenado, em primeira instância, a pagar 800 mil reais como multa!

Doria sempre vai tentar abusar de seu poder. Mas o vereador Toninho Vespoli 50650, conseguiu barrar os desmandos do cara. Com Bruno Covas não é diferente. Toninho segue na Câmara como uma voz de luta e resistência! Quando Guilherme Boulos 50 for eleito, será a liderança na Câmara capaz de fazer a vontade do povo valer!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

saúde pública é desviada por grupos privado!

saúde pública é desviada por grupos privado!

Entenda como grupos privados podem ser corruptos!

Saiu até no Fantástico! Empresas terceirizadas desviaram 500 milhões de reais da saúde pública! Na prática a saúde pública é desviada por grupos privado! Em esquema de desvios, grupos privados manipularam as contratações de hospitais para se favorecerem. Em São Paulo coisas parecidas acontecem, porém nem sempre são cobertas pela mídia. Toninho Vespoli é um dos poucos vereadores que fiscalizam esses esquemas. Investigando de pertinho, nem Bruno Covas sai ileso.

O esquema padrão de desvio funciona assim: um grupo de pilantras cria uma OS (Organização Social) para oferecer um serviço essencial à população, digamos saúde. OSs são organizações privadas, em teoria sem fins lucrativos, que “vendem” a prestação de serviços essenciais para o setor público. Então, por exemplo, uma UBS pode ser administrada por uma OS de um grupo privado contratado pelo setor público. Mas o problema é que, muitas vezes, essas OSs desviam o dinheiro do povo. Emitem nota fiscal fria, lavam dinheiro, falsificam prestação de serviços… E tudo isso, quase sempre, com a ajuda de parte dos políticos, que pegam uma comissão!

Em São Paulo também!

Na matéria que deu até no Fantástico, o esquema foi feito no estado do Pará, principalmente na cidade de Agulhos. Foram cerca de 500 milhões de reais desviados! Mas existem esquemas assim acontecendo em São Paulo também! Por exemplo, em caso investigado pelo Vereador Toninho Vespoli, OSs que administram creches parecem se envolver em esquemas no desvio de dinheiro de merendas! Assim como no caso no Pará, o serviço essencial (no caso a educação das creches) é oferecido por OSs (ou seja, grupos privados), no atendimento do público. Só que as creches estavam desviando dinheiro destinado à compra de merendas! Dinheiro para comprar comida para crianças acaba indo para as mãos de OSs corruptas!

Toninho Vespoli denunciou esse caso, e liderou esforços na Câmara Municipal para a criação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) das merendas. A Comissão busca investigar as creches, aparentemente envolvidas no escândalo de corrupção. Não se sabe, por enquanto, até que ponto esse escândalo vai, mas um dado choca de cara: o valor empenhado em OSs e outros grupos privados na educação variou de 1,75 bilhões, para 2,7 bilhões entre 2016 (ano antes de Bruno Covas assumir) e 2019! Ou seja, aumentou em quase 1 bilhão o valor direcionado para OSs desde que Bruno Covas assumiu a prefeitura!

Importante ressaltar que nem todas as OSs são corruptas. Mas em São Paulo, assim como em todo o Brasil, grupos privados em parceira com o governo são porcamente fiscalizados. Inclusive, mais mal fiscalizados do que os grupos da rede direta! Ou seja, é uma área perfeita para a atuação de grupos corruptos. Assim foi no Pará. Provável que assim seja em São Paulo.

Saúde paulistana ameaçada!

Na saúde paulistana, também, grupos privados podem estar desviando dinheiro público. Por exemplo, em compra contestada pelo Vereador Toninho Vespoli, a prefeitura de São Paulo comprou 5,4 mi de máscaras por um valor de compra quase 10 vezes maior do que o valor de mercado! A compra que era para ter custado 2 milhões, saiu por 20 milhões! Por hora, é muito cedo para afirmar qualquer coisa de concreto. Mas o padrão do esquema no Pará pode estar se repetindo: uma empresa privada é contratada para oferecer um produto comprado por acima do razoável, para suprir um serviço essencial. No caso o serviço seria máscaras para médicos durante a pandemia de coronavírus. E tudo isso com a assinatura e aval do Bruno Covas! Ou seja, a saúde pública é desviada por grupos privado!

Muitas OSs são uma tremenda de uma cilada! Os grupos prometem eficiência, mas muitas vezes entregam desvios e corrupção! O povo não merece essa robalheira! E Toninho Vespoli segue na luta contra a corrupção, seja pública ou privada!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!
Para além de combater a Covid, vamos combater o neoliberalismo

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho