greve

10 razões para apoiar a greve dos profissionais da educação.

Entenda porque você deve apoiar a greve dos profissionais da educação!

Apesar do apelo de mães, pais, profissionais da educação, e especialistas em saúde pública, Bruno Covas e Doria insistem em retomar as aulas presenciais, antes que seja seguro. Em resposta a tamanha irresponsabilidade a APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) e o SINPEEM (Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo) decretaram greve contra a retomada. Entenda aqui 10 razões para apoiar a greve dos profissionais da educação.

1) Não é seguro voltar!

O Brasil acabou de registrar a maior media móvel de mortes por covid desde o começo da pandemia! Estamos passando por uma segunda onda da covid, que parece ser pior do que a primeira

2) O trabalho continua!

Profissionais da educação não são preguiçosos! Em votação na APEOESP 81,8% da categoria concordou em continuar com as aulas remotas durante a pandemia. Ou seja, não se trata de não querer trabalhar, trata-se de não colocar vidas em risco à toa!

3) A greve possui apoio da ampla maioria da categoria.

91,7% da categoria da APEOESP decidiu pela greve. Se uma proposta encontra tanto apelo entre a categoria, nada mais justo que respeitá-la!

4) A retomada coloca todos em risco!

Em um momento como o que vivemos, a retomada das aulas seria ruim para toda a São Paulo. Os profissionais da educação correm risco de ser infectados. Assim como também as crianças. Isso é terrível, mas a tragédia vai além: as crianças e profissionais infectados podem infectar familiares próximos, assim amplificando a onda de infecções e dando prosseguimento à pandemia na cidade inteira.

5) Risco de danos cerebrais em crianças!

Segundo a OMS, as crianças parecem ser particularmente suscetíveis a sequelas cerebrais por conta da covid-19! A prefeitura diz que é sobre garantir o futuro da cidade, mas que tipo de futuro São Paulo terá se suas crianças estiverem com problemas cerebrais devido à Covid? Não podemos ser tão irresponsáveis!

6) O povo sabe que é errado!

Covas, Doria e até a própria mídia tem falado pouco sobre a segunda onda que vivemos. Mas mesmo com este silêncio, e de um presidente negacionista, pelo menos 58% dos brasileiros permanecem contrários à volta às aulas.

7) Dá para recuperar!

Aula é algo que a gente recupera. Vidas de quem a gente ama não! Não é hora de voltar!

8) Falta equipe de limpeza!

Essa é outra tragédia que Toninho Vespoli já vem denunciando faz tempo: o sucateamento da limpeza das escolas. Isso já vinha desde antes da pandemia de covid. Mas agora, em um momento em que a limpeza se tornou mais crítica do que nunca, como a prefeitura pretende garantir a desinfecção das escolas? Isso ela ainda não explicou!

9) Lentidão e falta de clareza no plano de vacinação!

Alguém sabe quando será vacinado? É irresponsável voltar com as aulas presenciais sem que as crianças e profissionais da educação estejam todos vacinados!

10) Covas e Doria sabem que é perigoso!

A decisão de voltar com aulas presenciais é negligente! Os líderes do executivo sabem muito bem dos perigos. Eles fazem um discurso de “ouvir os especialista”, mas em questões importantes como esta ignoram o que diz a ciência. Não podemos deixá-los se safarem dessa!

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Todo Apoio à Greve dos Petroleiros!

Todo Apoio à Greve dos Petroleiros!

Dia 1 de fevereiro estorou a greve dos petroleiros. O estopim foi a demissão arbitrária de centenas de funcionários de fábrica subsidiária da Petrobrás no Paraná. Mas as tensões que explodiram na greve já se acumulam de longa data. Hoje a greve já está em seu 18º dia e conta com o apoio de 21 mil trabalhadores em 120 unidades de produção. Por nos solidarizarmos com a luta da categoria, o Mandato do Vereador Toninho Vespoli declara todo apoio à Greve dos petroleiros!

A gestão bolsonarista da Petrobrás está descumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), firmado entre o sindicato (Federação Única dos Petroleiros) e a administração pública. Os grevistas também se opõem ao neoliberalismo de Paulo Guedes. O ministro de Bolsonaro insiste na lógica financeirista da privatização da Petrobrás. Além disso, o ministro é culpado por dar continuidade a um dos maiores desastres da temerária gestão de Michel Temer: a paridade de preços internacionais, que força a venda de derivados do petróleo à lógica imperialista.

Mas como só a luta muda a vida, não é de se surpreender que a extrema direita esteja tentando travar a maior greve dos últimos tempos. Ontem, dia 17, o ministro Ives Gandra do TST (Tribunal Superior do Trabalho) emitiu decisão que tenta jogar a greve na ilegalidade, propondo o absurdo de 4,5 milhões de multa por dia de greve. O ministro é uma das figuras mais conservadores da história de nossos governos. Homofóbico, e a favor da precarização do trabalho, é também um fanático religioso membro da Opus Dei (organização minoritária reacionária da igreja católica).

Direito à greve é Direito Constitucional!

Decisão parecida do ministro já havia sido anulada pelo TST durante a greve dos caminhoneiros. Ou seja, Gandra nem ao menos respeita o histórico de decisões de seus colegas, se valendo, na verdade, de claro abuso de autoridade. É objetivo dele desmobilizar, o máximo possível, a luta dos trabalhadores. Através de defesas sem pé nem cabeça de princípios religiosos, o fanático Gandra pretende distorcer leis e poderes para que estas funcionem sempre para os ricos e poderosos (coisas, aliás, muito distintas das defendidas por Jesus Cristo).

Mas para além do fanatismo de alguns juristas, outros profissionais mais bem esclarecidos, como os da Associação Brasileira dos Juristas pela Democracia, ou os do Grupo de Pesquisa Trabalho e Capital (GPTC) ligado à Universidade de São Paulo, explicam como o direito à greve é constitucional, e inviolável! Ou seja, qualquer decisão que viole esse direito é inconstitucional!

Já percebendo que não vai conseguir barrar a greve por vias jurídicas, o governo tenta sabotar a greve subornando funcionários que não aderirem às paralisações! Mas a mobilização é intensa, e os protestos devem perdurar, até que hajam mais conquistas na luta pelos direitos dos trabalhadores.

Bolsonaro quer dar a Petrobrás de presente à iniciativa privada internacional!

No centro da greve está a privatização da Petrobrás e a paridade de preços da estatal. O Governo Bolsonarista, insiste na lógica falha de estado mínimo e livre mercado. No fundo o que Bolsonaro quer fazer é dar de presente a Petrobrás para a iniciativa privada. Ao mesmo tempo, ele coloca os preços de derivados nacionais na lógica do imperialismo global. Esse tipo de estratégia tende a dar os lucros da estatal de mão beijada para grupos estrangeiros, além de encarecer os preços da gasolina, do diesel e do gás.

Apenas para se ter uma ideia de como a paridade internacional aumenta os preços dos botijões, unidades que dão continuidade à greve em Pernambuco estão vendendo botijões gás com os prováveis preços que eles teriam se respondessem apenas à demanda nacional. Os valores chegam a meros 35 reais o botijão! O preço é considerado justo pelos funcionários das fábricas. Nesta unidade eles aderiram à greve sem parar a produção de gás. Ao invés disso, estão praticando a autogestão dos meios de produção, se mantendo independentes de patrões!

Todo apoio à Greve dos petroleiros!

Além de permitir a venda de combustíveis mais baratos a estatização plena da Petrobrás, em conjunto com a autogestão das fábricas pelos seus trabalhadores, é o melhor caminho para uma transição para energias mais limpas. Se a gestão passar para a gestão privada, o lobby do petróleo e a lógica de preços do livre mercado tornariam impossível mudarmos a nossa matriz energética. Com o monopólio estatal seria possível, através do diálogo constante e democrático com a categoria, de maneira gradual, porém efetiva, treinar os trabalhadores da Petrobrás para atuarem na extração de energias renováveis.

Mas com o petróleo nas mãos de meia dúzia de bilionários, qualquer tipo de mudança de rumos visando o bem comum torna-se impossível. Além disso o lado dos trabalhadores é sempre o certo, e qualquer movimentação autônoma da categoria é justa. Não podemos continuar a aceitar a submissão de nossas empresas à lógica de preços comandada pelos carteis internacionais. A Petrobrás é nossa! Por isso o Mandato Popular do Vereador Toninho Vespoli declara seu apoio total à greve dos petroleiros. Ainda mais, torcemos para que a greve se espalhe para outras categorias. Que a luta dos trabalhadores e o movimento por autogestão se espalhe para todas as áreas e culminem em uma revolução popular e socialista!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho