vacina

10 razões para apoiar a greve dos profissionais da educação.

Entenda porque você deve apoiar a greve dos profissionais da educação!

Apesar do apelo de mães, pais, profissionais da educação, e especialistas em saúde pública, Bruno Covas e Doria insistem em retomar as aulas presenciais, antes que seja seguro. Em resposta a tamanha irresponsabilidade a APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) e o SINPEEM (Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo) decretaram greve contra a retomada. Entenda aqui 10 razões para apoiar a greve dos profissionais da educação.

1) Não é seguro voltar!

O Brasil acabou de registrar a maior media móvel de mortes por covid desde o começo da pandemia! Estamos passando por uma segunda onda da covid, que parece ser pior do que a primeira

2) O trabalho continua!

Profissionais da educação não são preguiçosos! Em votação na APEOESP 81,8% da categoria concordou em continuar com as aulas remotas durante a pandemia. Ou seja, não se trata de não querer trabalhar, trata-se de não colocar vidas em risco à toa!

3) A greve possui apoio da ampla maioria da categoria.

91,7% da categoria da APEOESP decidiu pela greve. Se uma proposta encontra tanto apelo entre a categoria, nada mais justo que respeitá-la!

4) A retomada coloca todos em risco!

Em um momento como o que vivemos, a retomada das aulas seria ruim para toda a São Paulo. Os profissionais da educação correm risco de ser infectados. Assim como também as crianças. Isso é terrível, mas a tragédia vai além: as crianças e profissionais infectados podem infectar familiares próximos, assim amplificando a onda de infecções e dando prosseguimento à pandemia na cidade inteira.

5) Risco de danos cerebrais em crianças!

Segundo a OMS, as crianças parecem ser particularmente suscetíveis a sequelas cerebrais por conta da covid-19! A prefeitura diz que é sobre garantir o futuro da cidade, mas que tipo de futuro São Paulo terá se suas crianças estiverem com problemas cerebrais devido à Covid? Não podemos ser tão irresponsáveis!

6) O povo sabe que é errado!

Covas, Doria e até a própria mídia tem falado pouco sobre a segunda onda que vivemos. Mas mesmo com este silêncio, e de um presidente negacionista, pelo menos 58% dos brasileiros permanecem contrários à volta às aulas.

7) Dá para recuperar!

Aula é algo que a gente recupera. Vidas de quem a gente ama não! Não é hora de voltar!

8) Falta equipe de limpeza!

Essa é outra tragédia que Toninho Vespoli já vem denunciando faz tempo: o sucateamento da limpeza das escolas. Isso já vinha desde antes da pandemia de covid. Mas agora, em um momento em que a limpeza se tornou mais crítica do que nunca, como a prefeitura pretende garantir a desinfecção das escolas? Isso ela ainda não explicou!

9) Lentidão e falta de clareza no plano de vacinação!

Alguém sabe quando será vacinado? É irresponsável voltar com as aulas presenciais sem que as crianças e profissionais da educação estejam todos vacinados!

10) Covas e Doria sabem que é perigoso!

A decisão de voltar com aulas presenciais é negligente! Os líderes do executivo sabem muito bem dos perigos. Eles fazem um discurso de “ouvir os especialista”, mas em questões importantes como esta ignoram o que diz a ciência. Não podemos deixá-los se safarem dessa!

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Vacina, esperança para todos

Vacina, esperança para todos

Entenda porque a vacina é fundamental para a vitória contra a covid

Vacinas são as conquistas mais profundas da pesquisa biomédica. Elas são um recurso incrivelmente econômico de proteger as pessoas contra doenças e salvar vidas¨ Peter S.Kim – biomédico, universidade Stanford, EUA

Indiscutivelmente a vacina é a concretização da ciência, é a esperança sendo materializada. Num tempo recorde foram criadas, testadas e aprovadas a tal esperada vacina contra o novo coronavírus. Cientistas de todo mundo se empenharam em criar uma vacina eficaz e segura a fim de conter a pandemia de covid-19

Vejo com muita alegria colegas sendo vacinados, mas outro sentimento também surge, o de pesar. Imaginar quantas vidas poderia ser poupada e não serão, tendo em vista a falta de um plano de imunização eficiente e a morosidade que isso acarreta.

Desde a primeira dose aplicada no Brasil, até o momento menos de dois porcento da população foi imunizada

O acesso á imunização é um direito universal, assim como o SUS (sistema único de saúde), e para isso se faz necessário e com urgência investimento politico e econômico. Numa gestão onde a vida não parece ser prioridade, as medidas de prevenção e cura ficam cada vez mais distantes, sobretudo aos menos favorecidos. Considerar profissionais da saúde heróis é muito bonito, mas insuficiente. É preciso criar condições para desenvolver esse heroísmo, é preciso garantir imunização à todos.

Precisamos com urgência defender o SUS, seja pelos que são cuidados, seja pelos que cuidam.

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Ana Prince

Ana Prince

Ana Prince é enfermeira formada pela USP, especialidade em ESF pela UNIFESP, terapeuta comunitária pela UFC.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

O Fiasco do ENEM

O Fiasco do ENEM

Entenda porque essa edição do ENEM pode ser um triste presságio sobre outros fiascos a se desdobrarem na educação pública

O fiasco do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), em sua última edição, talvez tenha sido a maior tragédia promovida pelo ministério da educação de Bolsonaro (e olha que a competição é grande!). Mais da metade dos inscritos no ENEM não compareceram à prova. A principal razão foi um medo justificado dos inscritos de se contaminarem com a Covid-19. Alunos que realizaram os testes relataram salas de exames lotadas, com pouca circulação de ar. Ambiente perigosíssimo em tempos de pandemia. O Ministério da Educação teve a oportunidade de adiar as provas. Inclusive, ação do Ministério Público de abril do ano passado pedia ao INEP (Instituto que organiza as provas do ENEM) exatamente isso, isto é, que as provas fossem adiadas. Não podemos deixar esse tipo de fundamentalismo continuar arriscando vidas inocentes. Que sirva de lição: a retomada presencial de atividades educacionais só deve ocorrer depois da vacina chegar a todos!

Não foi por falta de aviso!

Não foi por falta de aviso que ocorreu o fiasco do ENEM. O Ministério Público já havia pedido ao INEP que adiasse as provas para março. Na época o INEP respondeu com um comunicado dizendo que “a realização do exame na data marcada é perfeitamente possível e segura para todos os envolvidos, não havendo riscos de ordem sanitária”. Apesar das garantias do Instituto, no dia de aplicação da primeira fase da prova do ENEM alunos registraram em vídeos aglomerações nas entradas, e mesmo no interior das salas dos locais em que as provas foram realizadas.

Não é como se adiar as provas não fosse uma opção. É difícil entender o que deve ter passado na cabeça da gestão bolsonarista para aplicar uma prova dessa importância em tempos de pandemia. Uma das razões pode ser possível lobby das universidades privadas no Ministério da Educação. Acontece que o ENEM é prova necessária para a aprovação de financiamento e empréstimos públicos em universidades particulares (por exemplo, através do FIES e do PROUNI). Com a prova adiada para data posterior, as faculdades poderiam perder parte de seus recursos. É triste pensar que nossa gestão parece arriscar vidas para garantir os lucros de grupos privados.

Covas e Doria, como sempre, seguem os passos de Bolsonaro

É também bastante preocupante pensar que não se trata de projeto apenas de Bolsonaro. A ideia de adiantar a retomada de atividades presenciais ligadas à educação antes que seja seguro, parece iniciativa almejada pelo prefeito Bruno Covas e pelo Governador João Doria. Ambos já liberaram planos de retomada das aulas, enquanto passamos por uma segunda onda da Covid-19. A decisão é trágica, e deve custar muitas vidas!

É grave, também, pensar que aqueles que acreditam na ciência, e não querem correr riscos desnecessários podem acabar sendo prejudicados. Na aplicação da prova do ENEM, por exemplo, aqueles que não fizeram a prova tiveram que arcar com a taxa de inscrição. Aqui em São Paulo a situação será semelhantes: os jovens, mães, pais e profissionais da educação que prezarem pelas suas saúdes, correrão riscos de ficarem em desvantagem acadêmica frente aos outros jovens, ou mesmo de perder os seus empregos.

Não é razoável arriscar dessa forma a vida de nossas crianças e servidores da educação. A retomada só deve ocorrer quando a vacina chegar para todas e todos!

As opiniões presentes no texto não necessariamente refletem as opiniões do Vereador Toninho Vespoli

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Vacinar no SUS é um direito de todas e todos e um dever do Estado

Neste momento de crise sanitária internacional e nacional devido à pandemia de
Covid-19 – somos o segundo país do mundo em número de mortos por essa
doença –, é fundamental nos concentrarmos na luta pela vacinação já, com
equidade. A equidade é importante como a garantia de justiça social, mas
também como requisito para o tão esperado controle da pandemia. Que seja,
portanto, garantida igualdade de acesso às cidadãs e cidadãos brasileiros na
vacinação contra a Covid-19.

O Programa Nacional de Imunização (PNI) do Sistema Único de Saúde (SUS) tem
um histórico de grande sucesso, com experiência bem-sucedida em campanhas
de âmbito nacional e com reconhecimento internacional. Somente o pleno apoio e
adequado incentivo financeiro e operacional ao PNI pode garantir equidade no
acesso efetivo e seguro da população à vacina.

Devido à magnitude desta campanha de vacinação que tem como meta cobrir
toda a população e a limitação da oferta de vacinas no mercado internacional,
países como o Brasil têm definido um modelo de prioridades para sua
implementação com base em critérios epidemiológicos e de vulnerabilidade social.
Somente o SUS, por intermédio do PNI, poderá garantir a vacinação de toda a
população brasileira com base nesses critérios. Seringas, agulhas, insumos de
biossegurança e adequada logística e competência são necessárias para
atingirmos este objetivo. As vacinas objetos dos acordos de compra e
transferência de tecnologia já estabelecidos com as empresas Sinovac e
AstraZeneca devem formar a espinha dorsal da campanha de vacinação no País
sob a coordenação do PNI.

Numa sociedade como a nossa, marcada por grotescas desigualdades sociais, é
moralmente inaceitável que a capacidade de pagar seja critério para acesso
preferencial à vacinação contra a Covid-19. Caso isso ocorra, uma fila com base
em riscos de se infectar, adoecer e morrer será desmontada. É inadmissível,
portanto, permitir que pessoas com dinheiro pulem a fila de vacinação por meio
da compra de vacinas em clínicas privadas.

Assim, causa preocupação o anúncio feito no dia 3 de janeiro que clínicas
privadas negociam a importação de 5 milhões de doses de vacinas em
desenvolvimento na Índia pelo laboratório Bharat Biotech.
No Reino Unido, para evitar a ocorrência de desigualdade social no acesso à
vacina contra a Covid-19, governo e empresas elaboram acordos para não
permitir que vacinas sejam compradas por clínicas privadas, pelo menos
enquanto uma grande parte da população não tiver sido vacinada pelo Sistema
Nacional de Saúde (NHS). Este é o exemplo que podemos seguir.

Consequências nefastas da venda de vacinas contra a Covid-19 por clínicas
privadas, como as destacadas abaixo, vão além do aprofundamento do abismo
social brasileiro:

 Num momento de imensa necessidade de fortalecimento do SUS, renunciase ao seu potencial para vacinar a população brasileira com equidade,
efetividade, eficiência e segurança, em prol do fortalecimento do mercado
setor privado de saúde.

 O detalhado acompanhamento da cobertura vacinal e a farmacovigilância
para o monitoramento de eventos adversos, de grande importância
principalmente no caso das vacinas contra a Covid-19 com aprovação pelas
agências reguladoras em prazos recordes, tornam-se mais difíceis ou
mesmo se inviabilizam.

 O aumento do número de pessoas com doses incompletas de vacina (sem
tomar as duas doses) tem maior probabilidade de ocorrer entre as pessoas
vacinadas no setor privado, diminuindo a eficácia e a efetividade da
vacinação.

A sociedade brasileira e suas instituições democráticas estão alertas. A
abertura da vacinação para clínicas privadas pode impactar negativamente o
controle da pandemia, aumentar as desigualdades sociais na saúde e os riscos
inerentes ao prolongamento da circulação do vírus na população. A
mercantilização da vacina não será tolerada por um Brasil que luta pela vida,
por um país mais justo e solidário.

#VacinaçãoJÁ #VacinaparaTodaseTodos #VacinaçãoSomentenoSUS
#ObrasilprecisadoSUS

05 de janeiro de 2021

Entidades signatárias:
Associação Brasileira de Economia de Saúde – Abres
Associação Brasileira de Educação Médica – Abem
Associação Brasileira de Saúde Coletiva – Abrasco
Associação Brasileira dos Terapeutas Ocupacionais – Abrato
Associação Brasileira Rede Unida – Rede Unida
Centro Brasileiro de Estudos de Saúde – Cebes
Conselho Nacional de Saúde – CNS
Federação Nacional dos Farmacêuticos – Fenafar
Instituto de Direito Sanitário Aplicado – Idisa
Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares – RNMP
Sociedade Brasileira de Bioética – SBB
Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade – SBMFC

Tem que vacinar, povo!

Tem que vacinar, povo!

Saiba porque a vacina é importante, e porque não é hora de politizar a saúde pública!

Apesar dos piores desejos de Bolsonaro, é bem provável que a vacina do coronavírus sairá em algum momento do ano que vem. Quando essa hora chegar, TODO MUNDO terá que se vacinar. Obviamente a ordem em que as pessoas tomam a vacina tenderá a priorizar os grupos de risco (idosos, pessoas com problemas respiratórios, profissionais da saúde etc). Mas o que não pode acontecer é gente achando que pode ficar sem tomar a vacina. Não apenas isso seria contra uma decisão do STF, como também seria um tremendo egoísmo! Pessoas que contraem o vírus, mesmo que assintomáticas, podem transmiti-lo. Não tomar a vacina é arriscar transmiti-la para outras pessoas que ainda não tomaram! Não falta gente querendo politizar a vacina de olho nas eleições de 2022. Mas para além do marketing, é fundamental que os melhores infectologistas do Brasil seriam ouvidos, e que a vacina chegue a TODAS E TODOS! Tem que vacinar, povo!

O Bolsonaro não liga para as vidas dos brasileiros. Falar isso, a essa altura, é apenas constatar o óbvio: o cara incentivou as pessoas a saírem de casa no momento mais crítico da pandemia; não quis usar máscara, mesmo quando em lugares movimentados; atrasou a liberação de testes para a população, deixando eles estragarem enquanto os barganhava por apoio político; e agora está desestimulando as pessoas a tomarem a vacina, que deve sair em algum momento do ano que vem. Chega disso! Vacina é questão de saúde, e saúde pública e comunitária! Uma pessoa vacinada não apenas deixa de ficar doente, como não corre risco de transmitir a doença para outros! Não tomar a vacina não é apenas sobre uma “liberdade individual”. É sobre o direito a vida de todos ao redor! E é assim que o supremo tribunal federal entendeu a questão: dia…/… o supremo decidiu que estados e municípios possuem o poder de obrigar a população a tomar a vacina. Decidiu isso por entender que liberdades individuais não podem implicar risco de vida às pessoas ao redor.

Obviamente, o ideal é que a vacina ocorra da maneira mais tranquila possível. Campanhas pedagógicas e de conscientização devem ter espaço para explicar ao povo a segurança e necessidade de se vacinar. Mas é importante que não haja confusão: vacina é questão de saúde pública e não de liberdade individual.

Também não podemos cair na ladainha de marketeiros. O governador João Doria, por exemplo, gasta tempo e recursos públicos para ficar trocando farpas com o presidente. Já anunciou (para “provocar” o Bozo) vacinação no primeiro mês de 2021. Mas não apresentou nenhuma espécie de plano de vacinação. É lógico que quanto mais cedo sair a vacina, melhor. Mas entre hoje e o último dia de janeiro são apenas 59 dias. Não é realista achar que isso seja tempo o suficiente para fabricar, estocar, distribuir e vacinar a população! Como quase tudo que o Doria faz, trata-se de mero marketing político, de olho em 2022!

Em uma situação assim, quem deveria ser ouvido são os profissionais de saúde, como os infectologistas e bioquímicos. Se ao invés de ficar brincando de gato e rato com o planalto, o Doria ouvisse o que os especialistas têm a dizer, teria garantido à população meios para fazer uma quarentena bem feita, com renda básica, garantia de acesso a internet e tudo o necessário para o povo conseguir ficar em casa. Talvez estivéssemos bem melhor a essa altura. Ao invés disso Doria prefere deixar para um dia depois da eleição a reavaliação da situação da Covid em São Paulo, enquanto tenta lucrar politicamente em cima da vacina! Esse não é o tipo de político que o povo merece!

A triste verdade é que estamos passando por uma segunda onda da Covid. A vacina virá, mas não será tão cedo. Até lá, quem puder, tente ficar em casa. E quando a vacina estiver disponível, será dever de cada cidadão toma-la! Tem que vacinar, povo!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Bolsonaro é Contra Cura da Covid!

Bolsonaro é Contra Cura da Covid!

Entenda como Bolsonaro atrasar a cura da covid 19!

A vacina para o coronavírus pode estar próxima. E isso é uma ótima notícia! A vacina desenvolvida pela China está mostrando resultados promissores na fase de testes! Mas Bolsonaro é contra cura da covid! A estupidez do presidente pode dificultar as coisas! Bolsonaro se recusa a tornar a vacinação contra a covid obrigatória. A aversão do presidente à ciência pode, ainda, custar muitas vidas!

Não é a primeira vez que Bolsonaro menospreza a vacina. Já em agosto, quando os primeiros protótipos da vacina estavam sendo anunciados, Bolsonaro começou com a retórica contra a vacinação. Pode parecer até besteira, mas para parte do eleitorado Bolsonarista, uma afirmação como a “de que ninguém é obrigado a se vacinar” é capaz de ser entendida como conselho contra a vacina. E Bolsonaro sabe disso. Bolsonaro é contra cura da covid! Suas intenções são “cloroquinizar” a vacina, transformar, mais uma vez, questões puramente médicas em questões políticas, dando continuada à sua Guerra Híbrida de notícias falsas!

A retórica assassina de Bolsonaro tem surtido efeito: Pesquisa de 5 de setembro do IBOPE mostra que 25% da população brasileira resiste a tomar a vacina para a covid! Este fato é particularmente preocupante pois uma pessoa que não está vacinada pode transmitir a doenças para outras. Quem toma a vacina, então, está também protegendo as pessoas ao seu redor. Mas se um número muito grande de pessoas não tomarem a vacina, a doença pode continuar existindo em uma população, entre os não vacinados, por períodos indefinidos!

Além disso, é um problema pensar nas crianças, que, geralmente, não podem escolher se tomam ou não tomam a vacina. Esta decisão fica a critério dos pais. Mas quando têm-se pais fanáticos bolsonaristas, é possível que essa “escolha” ponha em risco a vida de crianças inocentes!

A única coisa decente a se fazer em uma situação dessas é tornar a vacina obrigatória! Evidente que deveria-se tomar os devidos cuidados de comunicação e educação à população sobre a importância de se tomar a vacina. Até mesmo para que não sejam repetidos desastres como na Revolta da Vacina. Mas é importante termos a seriedade de garantir que TODOS tomem a vacina, de uma forma ou de outra!

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira

Gabriel Junqueira é jornalista, ativista e militante do Partido Socialismo e Liberdade. Atualmente estuda Direito e compõe Mandato Popular do Professor Vereador Toninho Vespoli.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter

Um mandato popular!

Conheça mais sobre o que nos move!

Faça parte da nossa rede

Quer ser um embaixador virutual e ajudar a educacão salvar vidas na cidade?
Venha conosco, inscreva-se e ajude a espalhar a campanha do Professor Toninho